Compartilhar:

A pressão aumentou ainda mais com a conquista do campeonato brasileiro pelo Vasco, dois dias antes do início do certame regional

BIOGRAFIA RUBRO-NEGRA – CAPÍTULO 7 :: Por Gustavo Roman – Twitter: @guroman

Para variar a preparação começou nas mesas dos cartolas. Zé Mário e Arílson tinham que acertar novos contratos. O Bonsucesso precisava receber 350 mil cruzeiros relativos ao empréstimo de Paulinho. E dois reforços vieram do América mineiro. O apoiador Pedro Omar e o atacante Edson. No único coletivo antes da estreia os titulares venceram os suplentes por 2 a 1. E mais uma vez Zico deu show. Foi dele o passe para os tentos de Julinho e Paulinho. Pedro Omar, de falta, descontou. A pressão aumentou ainda mais com a conquista do campeonato brasileiro pelo Vasco, dois dias antes do início do certame regional.

Chegou agora? Leia a saga desde o início! >> Um 1973 para esquecer e o começo de 74; Zico vira titular com Joubert

O primeiro jogo não foi nada bom. Confuso e sem inspiração, o Fla empatou com o Bangu no Maracanã por 1 a 1. Zico abriu o placar aos 33 minutos. Aos trancos e barrancos, o time foi mantendo a vantagem. Até que na última volta do ponteiro, Rogério empatou com um tiro de longe que entrou no ângulo de Renato. A sorte Rubro-Negra é que Botafogo (0 x 0 com o Bonsucesso) e o Fluminense (0 x 0 com o Campo Grande) também tropeçaram. E o Vasco foi goleado pelo América por 4 a 1.

Segunda Rodada

Joubert resolveu mexer no time. No coletivo, Pedro Omar, volante de origem, foi escalado na lateral-direita. Barrado, Aluísio reclamou e abriu uma crise na Gávea. Os cartolas foram obrigados a intervir. No meio, Zé Mário voltou a ganhar a vaga de Geraldo. E no ataque Ivanir atuou no lugar de Julinho. O resultado não foi bom. 1 a 1 (Doval e Rui Rei).

Blog Memória Rubro-Negra :: Emmanuel do Valle: Os 40 anos do título brasileiro de 1980, parte 1: tempo de mudanças

Antes da partida contra o Madureira Aluísio teve seu contrato rescindido. A decisão não foi bem aceita pelos jogadores. Sem clima, nem o Maracanã serviu como arma para a equipe que foi derrotada por 2 a 1. Aos 22, Russo lançou Orlando. O lateral foi a linha de fundo e cruzou rasteiro. Jaime tentou cortar e marcou contra. O Tricolor Suburbano treinado por Nelsinho era melhor. Carlinhos quase aumentou três minutos depois. Aos 29, o zagueiro Valtinho cometeu pênalti tolo ao agarrar a bola com as mãos dentro da área. Zico cobrou com a habitual categoria e empatou. Todos esperavam que o Flamengo crescesse. Não foi o que se viu. Logo aos quatro da etapa final Carlinhos aproveitou uma indecisão de Jaime e Rondinelli para bater forte. Sem chance para Renato. Doval perdeu a chance de deixar tudo igual aos 24. E aos 30, Zé Dias perdeu com o goleiro já batido. No fim dos 90 minutos a torcida não perdoou. E vaiou o time. O começo no campeonato não era nada bom.

Terceira Rodada

O início ruim fez com que as especulações sobre a contratação de reforços ganhassem força. Os nomes da vez eram Vantuir, zagueiro do Atlético Mineiro, que seria trocado por Dario. E o lateral Paulo César Martins do Vasco, que chegaria para ocupar a posição que era de Aloísio. Além disso, Joubert reuniu o elenco e deu uma senhora bronca. Exigindo mais dedicação e melhores resultados. Pelo menos no coletivo funcionou. O time titular goleou o reserva por 5 a 0. Com direito a quatro gols de Zico. O outro foi marcado por Doval. O ambiente ficava um pouco mais leve para o clássico diante do América, líder do campeonato com cem por cento de aproveitamento. Vantuir foi regularizado a tempo e poderia estrear nesse confronto. Aumentando a confiança da torcida.

Veja também: Gooooooollll do Adversário!

O jogo foi muito bom. O primeiro tempo terminou sem abertura de contagem. Mas com vários lances de perigo. Rodrigues Neto, Zico (acertou o travessão) e Doval perderam ótimas chances. Aos cinco da etapa complementar, Luisinho perdeu um pênalti para o América. Rondinelli derrubou Edu dentro da área. O lance explodiu de vez a torcida que passou a gritar ainda mais Mengo, Mengo. Aos 20, Doval foi empurrado por Geraldo. Penalidade que Zico cobrou e mostrou ao atacante americano como se fazia. Aos 33, o Galinho tocou para Doval ampliar. No último minuto, Flecha cruzou e Luisinho descontou. A vitória mantinha vivas as chances de conquistar o tricampeonato da Taça Guanabara. E embolava de vez o certame.

Quarta Rodada

Mesmo sem repetir a grande atuação da rodada anterior o Flamengo venceu com tranquilidade o São Cristóvão e mostrava claros sinais de evolução. Doval marcou os dois tentos. Um em cada etapa de jogo e foi o grande destaque do confronto.

Quinta Rodada

Como a negociação com o Vasco acabou não acontecendo, os cartolas voltaram sua atenção para Humberto Monteiro, da Portuguesa. Enquanto os dirigentes tentavam reforçar o elenco a equipe vencia mais uma. Dessa vez um magro 1 a 0 sobre a Portuguesa. Gol de Zico. Com esse tento, o camisa 10 da Gávea já era artilheiro do campeonato ao lado de Gil, do Fluminense e Luisinho, do América. Na tabela de classificação, Fluminense, Vasco e América dividiam a primeira posição com oito pontos ganhos. O Flamengo vinha logo atrás, com sete.

Sexta Rodada

A semana do fla x flu não começou muito bem na Gávea. Zico, que ao marcar o gol de cabeça diante da Portuguesa acabou sofrendo uma fratura no nariz, era dúvida para o clássico. Arílson finalmente renovou o contrato e poderia reforçar a equipe.

Ajude a divulgação rubro-negra de qualidade: Seja apoiador do MRN e participe do nosso grupo de Whatsapp.

Todo o alto astral de antes se transformou num duro golpe de realidade depois. O Fluminense foi sempre superior e mereceu vencer até por uma margem maior do que o 2 a 1 final. O jogo, que contou com grande presença do público, começou violento. Vantuir acertou Gil. Que revidou em Paulinho. O Tricolor se plantou atrás. Deu campo ao Flamengo e usou dos contra-ataques. Aos 17 minutos, Marco Antônio, de falta, abriu a contagem. Aos 25, Vantuir recuou mal. Mazinho dividiu com Renato e quase ampliou. Aos 30, Zico lançou Doval. Félix fez uma grande defesa e impediu o empate. Aos 40, Toninho cruzou da direita. Mazinho cabeceou. Renato fez grande defesa. Mas no rebote, Gil, completamente livre, marcou o segundo.

O Mengo foi com tudo para o ataque na etapa final. Mas quem ameaçava era o Fluminense, muito melhor organizado. Aos 8, Cléber obrigou Renato a grande intervenção. Aos 38, Gil, de cabeça, perdeu por pouco. Aos 45, Zico, de falta, marcou o gol de honra do Fla. Com o resultado, o Rubro-Negro não tinha mais chances de título. A Taça Guanabara teria novo dono.

Não deixe de ler também

Compartilhar: