32.3 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 25, 2021

Aos 45 anos, ex-Flamengo volta a jogar profissionalmente

Bruno Guedes
Jornalista e Historiador, é apaixonado por futebol bem jogado. Já atuou na Rádio Roquette Pinto e como colunista no Goal.com.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Marcelinho Paraíba voltou após sete meses de aposentadoria; mas após rebaixamento do Treze, pendurou as chuteiras novamente

MRN Informação | Bruno Guedes – Twitter: @eubrguedes

ATUALIZADO ÀS 21H – 10 DE DEZEMBRO*

Na partida entre São Paulo e Ponte Preta, pelo Campeonato Brasileiro de 1999, ele marcou um gol e levantou a camisa. Nela estava escrito “100% Paraíba”. Desde então passou a ser Marcelinho Paraíba. Aos 45 anos, o meia-atacante, considerado um dos grandes jogadores das décadas de 90 e 2000, voltou a atuar profissionalmente após sete meses de aposentadoria. Porém, sem o sucesso esportivo, voltou a pendurar as chuteiras.

Marcelinho anunciou seu retorno ao futebol no dia 27 de novembro, pelo Treze da Paraíba, estado que carrega no nome. No dia seguinte já estava em campo, no empate em 1 a 1 contra o Vila Nova-GO, pelo Campeonato Brasileiro da Série C.

Ex-Flamengo, Marcelinho Paraíba atuou por 25 minutos e saiu machucado. Mas, segundo exames, não houve gravidade. Mesmo assim, o jogador não pôde ajudar o Treze, que acabou caindo no Campeonato Brasileiro da Série C. A equipe empatou em 1 a 1 com o rival Botafogo na semana seguinte e acabou rebaixado.

O craque então voltou para a aposentadoria e foi anunciado como o novo treinador do clube para 2021. Paraíba vinha atuando nos últimos anos de carreira no Treze. Na primeira vez em que parou de jogar, passou a compor a comissão técnica permanente do time.

O ex-treinador do Treze, Márcio Fernandes, comentou o reforço na reta final da disputa do Brasileirão: “Quando Marcelinho Paraíba está em campo, a gente sempre espera coisa boa.”, disse o técnico, apenas 13 anos mais velho que o ex-Flamengo.

LEIA MAIS

Rede Globo ‘comemora’ eliminação do Flamengo na Libertadores; entenda os motivos

Mais ouvida no Spotify, Marília Mendonça torce para o Flamengo; veja os rubro-negros da lista

Diego Alves e Flamengo não descartam conversa por renovação

Do preconceito ao estrelato: o nordeste no nome

Reprodução

Marcelo dos Santos começou a carreira no Campinense Clube, em 1991, onde conquistou dois títulos do Campeonato Paraibano. O destaque o levou ao Santos três anos depois. Sem o sucesso esperado, foi para o São Paulo e lá ganhou a fama de artilheiro que o levaria ao futebol europeu.

Foi no clube do Morumbi que se transformou em Marcelinho Paraíba. Após comemorar um gol contra a Ponte Preta, em 1999, pelo Brasileirão, mostrou uma camisa com a frase “100% Paraíba”. A repercussão foi tão grande que virou sobrenome. E o próprio ex-Flamengo explica:

“Naquela época, falava muito pouco do meu estado. Paraíba, estado do nordeste brasileiro. Em São Paulo, no Rio de janeiro, tinha muito preconceito. Nordestino era discriminado. Aí coloquei a camiseta ‘100% Paraíba’ pra mostrar que tinha orgulho do meu estado e virei o Marcelinho Paraíba”, disse ao UOL, no começo de 2020.

Depois de levantar dois Campeonatos Paulistas pelo tricolor, foi vendido para o Olympique de Marseille, da França. Após um ano, voltou ao futebol brasileiro e chegou ao auge, no Grêmio. Foi campeão gaúcho e da Copa do Brasil. O bom futebol o levou para a Seleção Brasileira.

O sucesso chegou na Alemanha, quando Paraíba acabou conseguindo um contrato de cinco anos com o Hertha Berlin. Pelo time conquistou um um bicampeonato histórico da Copa da Liga Alemã, em 2001 e 2002. Ídolo da torcida alemã, Marcelinho Paraíba jogou no Hertha de 2001 a 2006, quando acabou deixando clube, em virtude de graves desentendimentos com a diretoria.

Com passagem apagada por Trabzonspor Kulübü, da Turquia, voltou à Alemanha, mas agora no Wolfsburg. No ano seguinte realizou seu sonho: jogar pelo Flamengo. Ao chegar no clube declarou ser torcedor do time desde criança e estar realizando um sonho:

“Sou rubro-negro e estive no Flamengo em 1991 para fazer teste no juniores. Fui aprovado, tinha 16 anos, mas fiquei duas semanas morando no CT e voltei pra casa. Agora, estou aqui para continuar essa história”, afirmou em coletiva de apresentação o ex-Flamengo.

Com 50 jogos e 19 gols, Marcelinho teve um bom desempenho pela equipe rubro-negra que vivia a transição da equipe que viria a ser hexacampeã em 2009. Paraíba saiu neste ano, quando passou a rodar por diversos outros clubes: Coritiba, Sport Recife, Coritiba, Fortaleza, Inter de Lages, Joinvile e Portuguesa.

A carreira de Marcelinho chegou ao fim no dia 15 de março de 2020, aos 44 anos. Entretanto, agora recomeçou.

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs