Aquele Baile do Vermelho e Preto que entrou para a história

Blog Fla Pra Valer | Mauricio Neves — De 77 em diante, graças a Marcio e Elsa Braga, o Baile do Vermelho e Preto deu um salto triplo: mais produção,
celebridades e foliões.

Mas os inesquecíveis mesmo eram aqueles no embalo de algum título do futebol, como no de 88, aí com Márcio e Marilene Dabus no comando.

Do mesmo autor: Flamengo 1987: A velha alegria de ser rubro-negro

Renight, claro, tinha seu lugar reservado, e revistas e jornais fizeram a festa com o Homem que Calou o Mineirão, digamos, marcando em cima Alice di Carli, que fazia a Dadá em A Praça é Nossa com o bordão Ui-ui-ui, Chefinho.

Renato Gaúcho agarradão com Alice Di Carli. (Foto: autor não identificado)

Mas, claro, estamos em 1988 e o rubro-negrismo foi além do Baile VP, tomando a Sapucaí com a União da Ilha fazendo da avenida um Maracanã, e ali Renato já foi visto com Enoli Lara.

Renato Gaúcho comemora o Tetra muito bem acompanhado no baile do Vermelho e Preto. (Foto: Reprodução

Leia também: Baile do Vermelho e Preto: Os artistas do Carnaval que torcem pro Flamengo

Aquele desfile, aquele samba, tudo no embalo da conquista da Copa União (vejam as camisas com TETRA no lugar de LUBRAX) e da memória de Ary Barroso, entrou para a história. A gaitinha tocando: Mengôoo (é gol – é gol)… Que saudade, Aquarylha do Brasil.

Carlinhos e jogadores comemoram o tetra no Baile do Vermelho e Preto. Foto: Reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias do Flamengo

Blogs