Compartilhar:

O Flamengo é uma máquina de pautas negativas e não temos mais como culpar a mídia. Nós criamos os nossos problemas

Blog Resenha Rubro Negra | Por Ricardo Moura – Twitter: @ricardomouraCRF

Sou o mensageiro das opiniões impopulares. Levantei a bandeira de Jorge Jesus traidor. Pedi calma com Gabigol e clamei a saída de Vitinho. As redes sociais me agraciaram com xingamentos e humilhações. Aprendi a lição? Não! Toma mais uma: O Flamengo é grande demais para ter um presidente. Não podemos ficar a mercê das escolhas de um homem.

Hoje, domingo, de sol, praias lotadas e um dane-se enorme para a pandemia; chegamos perto de uma das situações mais vergonhosas da história do Flamengo. Iríamos tomar um W.O.

Veja também: Craque o Flamengo faz em casa

O Flamengo perderia um jogo por não comparecer ao campo. Isso é inadmissível, é inaceitável.

Precisamos rever essa situação com urgência!

O presidente do clube, por uma escolha pessoal, tendo em vista que ele é o mandatário e dono das ações, colocaria o Flamengo em péssimos lençóis.

Minha sugestão?

Um conselho de notáveis que tenha poder de intervir em assuntos que possam arranhar a imagem e deixar cicatrizes irreparáveis na grandiosidade do Clube.

Veja também: Confira o elenco do Flamengo e a tabela do Estadual de basquete

Este colegiado poderia ser formado por grandes ídolos dos esportes praticados pela agremiação, dirigentes com serviços prestados e até torcedores notáveis.

Entenda, não será o fim do presidencialismo. Mas nosso time é enorme e a vaidade é um dos sete pecados capitais. Precisamos, de alguma forma, controlar e amenizar os danos.

Dói em mim. Dói em você. Mas o Flamengo é uma máquina de pautas negativas e não temos mais como culpar a mídia. Nós criamos os nossos problemas.

Saudações!

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível falar sobre o Flamengo com qualidade. Se você também acredita, clique aqui e torne-se apoiador do MRN.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / Flamengo

Compartilhar: