Compartilhar:

Além da influência fora dos gramados, Diego se torna cada vez mais fundamental em campo para o Flamengo de Domènec Torrent

MRN Informação | Rafael Sacharny – Twitter: @RSacharny

O meia de 35 anos renovou seu contrato com o Flamengo e vem ganhando mais oportunidades com o técnico espanhol. Na vitória contra o rival das Laranjeiras, Diego foi escalado centralizado na linha de três meias junto com Arrascaeta de um lado e Éverton Ribeiro do outro.

Em entrevista ao canal Sportv, o camisa 10 indicou o diferencial para a quarta vitória consecutiva do Flamengo no Brasileirão. Embora não tenha nenhum jogador com a característica de velocidade na escalação inicial, Ribas disse no tom de brincadeira que “quem corre é a bola”.

“Um ditado muito popular é aquele que fala quem corre a bola, mas eu vou explicar de uma forma mais detalhada. Eu acho muito que é a forma de pensar, a mentalidade do jogador primeiro se posicionar bem como nós conversamos ontem antes do jogo com Ribeiro e Arrasca, nós temos a característica de vir mais para dentro mas que nesse jogo nós precisaremos da opção aberta, porque o Fluminense fecha muito bem por dentro nós temos que entrar pelo lado na maioria das vezes.

Mas durante o jogo conseguimos espaço também por dentro, o que nós não esperávamos. E eu acredito que o que faz uma equipe ser rápida é a velocidade de raciocínio dos jogadores. Então quanto mais rápido for na tomada de decisões mais rápido o Flamengo será. Acredito que a diferença no jogo de ontem foi justamente isso. Temos o Gabriel que é um jogador muito veloz e que faz a diagonal atrás da defesa de forma perfeita, mas o restante são jogadores de muita qualidade que pensam muito rápido, na tomada de decisão rápida se acelera muito o jogo.”

Confira outras partes da entrevista:

Nível de jogo crescendo

Temos atingido esse nível de competitividade e versatilidade também muito grande. Nós temos este diferencial que é um elenco muito forte e o Dome tá sabendo usar isso de uma forma muito inteligente. Ele tá enfrentando uma situação que outros treinadores não enfrentaram, primeiro que ele teve menos tempo de treinamento e muitos jogos devido essa situação da pandemia. Então ele tem administrado dessa forma, os jogadores estão entendendo isso e todos que entram jogam com uma mentalidade, com uma dedicação muito grande. A intensidade é o que faz a diferença hoje no futebol, a forma de jogar agressiva, tanto com a bola quanto sem nós temos feito isso muito bem. E se conhecendo cada vez mais dentro desse novo sistema que ele tem colocado. E isso fica claro que com o passar dos jogos vai melhorando cada vez mais.

As ideias de Dome

Ele tem conversado com a gente, tem trocado ideias e ao mesmo tempo está deixando claro que não quer mudar tanto, mas que quer vencer da forma que ele acredita. Deixou claro que vencer é difícil mas vencer novamente é ainda mais difícil, então é um dos desafios que nós temos pela frente. Então ele tem seguido dessa forma tentando encontrar esse equilíbrio de respeitar o que foi feito até agora mas com certeza introduzir os pensamentos dele que é fundamental porque com essa convicção dentro daquilo que ele acredita é que vai convencer cada vez mais os jogadores de fazer bem feito aquilo que ele pede.

É um treinador que gosta de ter essa posse de bola só que de forma efetiva, ele deixa claro que ficar tocando bola não não leva nada então esse jogo posicional independente do jogador que ocupa mudando sim de posição mas respeitando esta posição quando você perde a bola para que a equipe esteja sempre bem posicionada e agressividade para atacar o gol, diagonais dos meio-campo, por exemplo, para dar opções para o atacante que nesse caso ele tem jogado com um atacante só, mas o apoio a esse atacante é muito importante. Então essas são algumas das ideias que ele tem que nós temos que aprimorar cada vez mais.

O rodízio de elenco

Quanto mais rápido uma equipe entender isso mais sucesso ela vai ter. E como estamos no futebol que é resultado imediatista isso é fundamental para o funcionamento da equipe. Acredito que com o tempo nós fomos entendendo isso porque as vitórias trouxeram reconhecimento para todos todos do grupo. Foram muitos títulos nos últimos meses e isso fez com que os jogadores entendessem que a vitória, o título, traz retorno para todos. Independente de quem jogou, nem sempre vai ser lembrado se você entrou 10 minutos, você jogou 90 minutos, você vai fazer parte do grupo campeão e vai enriquecer seu currículo cada vez mais.

Depois as referências positivas dentro do elenco porque você sabe que naturalmente um ou outro jogador vai tendo essa responsabilidade de passar bons exemplos e quando esses jogadores conseguem superar esses momentos de tá de fora, de entrar cinco minutos, de fazer o treino depois do jogo e manter firme esses princípios coletivos eu acredito que naturalmente vai colocando na cabeça dos outros jogadores que só existe um caminho. A cara feia, sair e ficar de biquinho, eu acho que isso faz parte do futebol e tem que existir. O jogador não pode ficar tão confortável assim, mas essa cara feia não pode interferir no bem-estar de repente da equipe.

E isso tem acontecido muito bem aqui no Flamengo, é um grupo sensacional com certeza um dos melhores que eu já trabalhei na minha vida. A prova disso tem sido por exemplo essa situação do Gabriel, que teve de cara feia mas a atitude dele foi maravilhosa. Ficou ali à disposição, quando entrou, entrou bem, fez o gol da vitória e no outro dia ele tava treinando com a equipe. Então essa é a mentalidade que faz um grupo vencedor. E por esses dois fatores principais aí que eu citei eu acho que hoje no Flamengo isso tem funcionado muito bem. Não vai evitar as caras feias pela frente, faz parte, mas desde que a reação seja trabalhar mais e se empenhar mais eu acho que nós teremos resultado.

A visão dos jogadores com decisões de Dome

O grande intuito do treinador com isso é gerar uma competitividade e que a equipe mantenha sempre uma intensidade e o nível de apresentação de excelência. Então isso faz com que os jogadores entendam, pensando de cabeça fria, o objetivo que o treinador tem com isso.

Em relação ao externo eu acho que faz muita diferença como é direcionado pelo treinador por exemplo. Eu acompanhei algumas entrevistas do Dome quando ele falou que a decisão foi técnica. Quanto mais claro você for na declaração mais fácil de as pessoas entenderem a tua forma de pensar. E aí cabe a todos respeitarem esse critério, o treinador é quem decide. Nós jogadores falamos mais com as atitudes durante os treinamentos e nosso rendimento no jogo é que faz com que ele direcione as decisões. Mas eu acredito que essa honestidade nas palavras, nos critérios usados esclarece muita coisa. O debate ele vai acontecer lógico por parte da imprensa, a análise ela faz parte. Mas desde que ele se posicione acho que tudo facilita para nós, para que a gente esteja bem ciente daquilo que está acontecendo.

Ajude a divulgação rubro-negra de qualidade: Seja apoiador do MRN e participe do nosso grupo de Whatsapp.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / C.R. Flamengo

Compartilhar: