28.4 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 19, 2021

Dirigente do Flamengo é réu em processo trabalhista e Justiça determina pagamento de R$ 3,5 mil à ex-funcionária

Denise Neves
Futebol e política se misturam sim. @eudeniseneves

Valor corresponde a 10% do salário do diretor de relações governamentais do Flamengo, Aleksander Santos, que ganha R$ 35 mil por mês no clube

Uma reportagem divulgada pelo GE nesta segunda-feira, 7, informou que o Flamengo paga mensalmente R$ 3,5 mil de indenização de um processo trabalhista enfrentado pelo diretor de relações governamentais do clube, Aleksander Santos, por uma ex-funcionária. O valor corresponde a 10% do salário do dirigente, que ganha R$ 35 mil por mês no Flamengo. Ao mesmo tempo, o dirigente também ocupa um cargo público em uma empresa de Niterói, chamada Emusa (Empresa Municipal de Moradia Urbanização e Saneamento), onde ganha uma remuneração de R$ 6,3 mil.

MAIS NOTÍCIAS

‘Para eles, uma banana. (…) Torço contra mesmo e adorei ver o Flamengo se lascando’, diz presidente do Atlético-MG

Torcedores protestam no Ninho do Urubu antes do jogo contra o Botafogo

Gerson e De Arrascaeta concorrem ao título de melhores jogadores da América; vote já

Aleksander é processado por uma ex-funcionária desde 2016. Em 2017, o dirigente foi condenado à revelia, por não ter comparecido à audiência. A dívida total à funcionária ficou definida em R$ 50 mil, incluindo correção de juros e multa. Enquanto o Flamengo paga R$ 3,5 mil à ex-funcionária, a Emusa paga R$ 637… Ambos os valores são equivalentes a 10% da remuneração de Aleksander Santos em cada uma das instituições.

Ainda de acordo com a reportagem da jornalista do GE, Gabriela Moreira, a ex-funcionária denunciou o dirigente por trabalhar por três anos sem carteira assinada e ter sido demitida sem o pagamento das multas rescisórias, dois salários, décimo terceiro e férias. Na época, a ex-funcionária era auxiliar administrativa da Associação dos Dirigentes de Marketing do Estado do Rio de Janeiro, do qual Aleksander era sócio.

No início deste ano, a ex-funcionária levou até o juízo da 61ª Vara do Trabalho fotografias que comprovavam que Aleksander usufruía de emprego fixo no Flamengo. Desde então, a Justiça determinou que o clube pagasse a dívida trabalhista do diretor.

Na Emusa, ele também ocupa o cargo de responsável pela interlocução e relacionamentos políticos da empresa, assim como faz no Flamengo. A Emusa é uma companhia pública de Niterói, vinculada à Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura e que atua na execução de obras e serviços relacionados à infraestrutura da cidade.

Notícias do Flamengo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -

Blogs