Domènec Torrent presta apoio a Gerson sobre episódio de injúria racial

Denise Neves
Futebol e política se misturam sim. @eudeniseneves

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Ex-técnico do Flamengo, Domènec, se manifestou nas suas redes sociais sobre o caso de racismo de Gerson envolvendo Ramírez e Mano Menezes

No último domingo, 20, no jogo entre Flamengo x Bahia, Gerson foi vítima de racismo em um episódio envolvendo Índio Ramírez e Mano Menezes. O coringa do Flamengo acusa o jogador do Bahia de ter falado para ele “cala a boca, negro” durante uma discussão. O caso repercutiu mundialmente e personalidades do futebol de todas as partes manifestaram apoio ao atleta. Nesta terça-feira, 22, foi a vez do ex-treinador do Flamengo, Domènec Torrent, se pronunciar nas redes sociais sobre o episódio de injúria racial.

MAIS NOTÍCIAS

Veja o que mudou desde o último confronto entre Flamengo e Fortaleza

Flamengo vai levar ao STJD caso de racismo de Gerson envolvendo Ramírez e Mano Menezes

Gerson vai até a delegacia e presta depoimento sobre caso de injúria racial

Gerson se pronuncia sobre caso de racismo direto da delegacia onde prestou depoimento; assista

Rogério Ceni fala sobre evolução, caso de Gerson, clima no vestiário e justifica insistência em Vitinho

Tite compara Rogério Ceni a Dome e explica por que não convoca Gerson para a seleção

“Recebi com muita tristeza a notícia dos atos racistas contra o meia Gerson, que foi meu jogador no Flamengo e um homem de um caráter ímpar. O racismo é uma praga mundial que devemos combater todos os dias. Minha solidariedade ao Gerson e seus familiares!”, disse o catalão, em manifestação de apoio a Gerson.

Também nesta terça-feira, 22, Gerson foi até a DECRADI (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) prestar depoimento para dar andamento ao processo de injúria racial movido contra Ramírez. Acompanhado do vice-presidente geral e da procuradoria geral do Flamengo, Rodrigo Dunshee, o atleta se pronunciou em vídeo diretamente da delegacia afirmando que a sua atitude objetiva em “dar força para que outras pessoas que também sofrem racismo ou outro tipo de preconceito possam falar também”.

Na última segunda-feira, 21, Ramírez se pronunciou publicamente sobre o caso, e negou as acusações de Gerson. “Em nenhum fui racista com nenhum dos jogadores, nem com Gerson, nem com qualquer outra pessoa. Acontece que quando fizemos o segundo gol botamos a bola no meio do campo para sair rapidamente e o Bruno Henrique finge e eu arranco a correr e eu digo a Bruno que ‘jogue rápido, por favor’, ‘vamos irmão, jogar sério’. Aí ele joga a bola para trás e Gerson, não sei o que me fala, me diz algo, mas eu não compreendo muito o português. Então eu não compreendi o que me disse e falei ‘joga rápido, irmão’”, disse.

“Passei a bola e não sei o que ele entendeu, jogou a bola e veio a me perseguir e eu sem saber o que acontecia, eu olhei por detrás porque não queria entrar em briga com nada e depois ele sai a falar que eu tratei ele de ‘cala a boca, negro’ falando português, quando eu realmente não falo português, estou há um mês no Brasil e sobre eu ser racista, não estou de acordo porque isso não é bom em nenhuma parte do mundo, somos todos iguais e em nenhum momento eu falei isso, muito menos uma palavra tão má como essa”, completou.

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs