É muito difícil praticar futebol profissional no Rio de Janeiro, sobretudo no Maracanã

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

De antemão, quero frisar que esse texto não é sobre precificação. Se quiser problematizar sobre ticket médio ou discutir se o torcedor com renda X canta/torce mais ou menos que o torcedor com renda Y, procure outro canto.

Em poucos parágrafos e uma tabela, quero mostrar como é difícil praticar futebol profissional no estado do Rio de Janeiro, sobretudo atuando no Maracanã.

Após oito rodadas da Série A, onde a maioria dos clubes fez quatro partidas em casa, o Flamengo é o líder em arrecadação. Muito bom, certo? Sim… e não, visto que o cálculo é feito sobre a renda bruta (sem contar as despesas do jogo).

Quando a gente avalia a renda líquida, amigo, a coisa não é tão bacana. Vejamos o porquê.

Jogamos no Rio, onde a federação local, parasita como nenhuma outra, morde 10% da renda bruta de cada jogo. No estado, 12% dos ingressos são reservados (mas nunca totalmente utilizados) para menores de 12 e maiores de 60, sejam ricos ou pobres. Ex-atleta também não paga. E quem paga, paga meia. Todo mundo no Rio é estudante. Educação é o forte desta aprazível unidade federativa abençoada por Deus.

Mas é no Mário Filho que a coisa fica ainda mais complicada. O Maraca não é nosso, ele é estatal e está concedido à empresa mais corrupta do país. E sua simples existência – muito por um comodismo rubro-negro, é verdade – dificulta muito que o clube se livre de suas amarras. O Maracanã sem o Flamengo perde 70% de sua receita. O Maracanã sem o Flamengo vira um Coliseu, e isso não é bom para nenhum governador.

Só que jogar nesse elefante é muito caro. Cito aqui alguns motivos:

– O Maracanã tem um aluguel do tamanho do superfaturamento de sua reforma, até porque seu custo anual de manutenção é por volta de 60 milhões;
– O custo operacional é fora do normal;
– O Maracanã tem aproximadamente 5 mil cativas dos anos 50;
– O Maracanã tem um setor de visitantes absurdamente deficitário. Ele foi projetado para o mundo da fantasia onde a divisão das torcidas não é 90/10;
– O Maracanã obriga ao mandante deixar parte da receita líquida para a Fugap, a Acerj e os escoteiros (sim, as bizarras leis que beneficiam essas entidades falam apenas em eventos esportivos realizados nesse estádio).

O resultado disso é esse abaixo. Quase seis milhões de receita bruta, pouco mais de um milhão de receita líquida.

A torcida pode continuar cantando que o Maraca é nosso. Torço para que nunca seja, nem sob forma de concessão. A casa do Flamengo vem dos anos 30 e está situada no número 997 da Avenida Borges de Medeiros, mas isso é tema para outro post e fica para outro dia.


 

Imagem destacada nos posts e nas redes sociais: Reprodução.

Quer ser apoiador do Mundo Rubro Negro? CLIQUE AQUI

José Peralta não é apenas mais um rostinho bonito cornetando o time. Toda segunda-feira suas peraltadas estão aqui no Blog CRFlamenguismo.

LEIA TAMBÉM

> Flamengo e os rivais cariocas – Evolução e reposicionamento
> Liderança
> Flamengo 2 x 0 Bahia: consolidação de ideias e aplicação de conceitos
> Análise do jogo – Flamengo 2 x 0: Segue o líder!
> Vinicius Junior, Paquetá e o resgate do torcedor que joga
> Os ciclos
> Há 17 anos provou-se que o exercício da fé funciona

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs