26.6 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 19, 2021

Conheça os adversários do Flamengo na Superliga Feminina de Vôlei 2019/2020

Doze equipes participarão da temporada 2019/2020 na elite do vôlei nacional.

Itallo Andrade, da equipe MRN Informação

Campeão da Superliga C em 2018, o Mais Querido chegou à final da série B mas foi derrotado por 3 sets a 2 contra a equipe de Valinhos. Apesar das circunstâncias, a equipe conseguiu garantir o segundo lugar na Superliga B, marcando assim sua volta à elite do vôlei nacional.

Junto ao título do Campeonato Brasileiro de Vôlei conquistado em 1978 e 1980, o time rubro-negro também possui o troféu de campeão da inesquecível Superliga 2000/2001, quando a equipe liderada por Virna e derrotou a equipe do Vasco. A uma última participação do Flamengo na Superliga foi na temporada 2005/2006.

Comandadas por Luizomar de Moura, Leila e Virna eram as grandes estrelas do time que venceu o favorito Vasco na temporada 2000/2001. Foto: Reprodução Site Oficial

Até o momento, a equipe Rubro-Negra contratou 11 atletas – entre jogadores com bagagem nacional e internacional e jovens promessas – para o novo desafio. Conheça as novas contratações do Vôlei do Flamengo aqui.

Conheça as equipes que enfrentarão o Mais Querido na próxima temporada.

Dentil/Praia Clube (MG)

O Praia Clube, de Uberlândia, disputa a Superliga desde 2008. Foi vice-campeã na temporada 2015/2016 e sagrou-se campeã em 2017/2018. O time mineiro contratou a levantadora Cláudia Bueno da Silva e desfalcou o rival Osasco/Audax.
Títulos na Superliga: 01 (2017/2018)

Minas Tênis Clube (MG)

Considerada uma das equipes mais tradicionais, o Minas participou de todas as edições da Superliga e seu último título foi o Sul-americano de 2019. O time mineiro anunciou seis novas contratações, entre elas estão as bicampeãs olímpicas Thaísa Daher (central) e Sheilla Castro (oposta), além de outras quatros ponteiras.
Títulos na Superliga: 02 (2001/2002 e 2018/2019)

Osasco/Audax (SP)

O time do Osasco é o segundo maior campeão da Superliga: são cinco títulos. Entre as dez novas contratações para a temporada 2019/2020, o time paulista irá contar com as centrais Ana Beatriz Correa e Mara Leão, que defendem a seleção brasileira.
Títulos na Superliga: 05 (2002/2003, 2003/2004, 2004/2005, 2009/2010 e 2011/2012)

Sesi Vôlei Bauru (SP)

Criada em 2005 e profissionalizada em 2009, a equipe paulista entrou na elite do vôlei nacional em 2015. A levantadora Dani Lins, que defende a seleção brasileira, a oposta turca Polina Rahimova e a ponteira americana Sarah Wilhite foram as novas contratações do time Baurunense, além da renovação com oposta/ponteira Tifanny, primeira atleta transexual a disputar competições de alto nível.
Títulos da Superliga: Nenhum.

Pinheiros (SP)

O Pinheiros participou de todas as edições da Superliga, porém, nunca foi finalista. Os paulistanos fizeram até o momento quatro contratações para a temporada 2019/2020. Entre as novidades está a levantadora Érica Adachi, de 31 anos, que foi campeã mundial com a seleção brasileira juvenil.
Títulos da Superliga: Nenhum.

Hinode Barueri (SP)

Com uma equipe profissional lançada em 2012, a primeira participação na Superliga A foi na temporada 2013/2014. Para a temporada 2019/2020, o time paulista não foi ao mercado devido a incerteza dos valores do novo acordo com o Grupo Hinode. Até o momento, Barueri contratou a líbero Nyeme Victoria, eleita a melhor líbero do mundo no mundial de vôlei feminino sub-20, em 2017.
Títulos da Superliga: Nenhum.

São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP)

Terceiro colocado nas edições 2008/2009 e 2009/2010, o time da região do ABC paulista é outro que nunca conquistou título na Superliga. Na 10ª posição na última temporada, manteve a tradição de participar de todas as edições.
Títulos da Superliga: Nenhum.

Valinhos (SP)

Rebaixado na primeira participação na Superliga em 2015/2016, o time que leva o nome da cidade que fica na região metropolitana de Campinas, conquistou o título da série B contra o Flamengo na temporada 2018/2019. O Voleibol Valinhos está sendo econômico nas contratações. Até o momento, somente a levantadora argentina Yael Castiglione reforçou o time.
Títulos da Superliga: Nenhum.

Curitiba Vôlei (PR)

Projeto criado em 2017, o time paranaense é o caçula do torneio. Conquistou a série B em 2018. Quatro novos reforços chegaram ao Curitiba Vôlei: a levantadora Maria Alejandra, a oposta Sara Dias, a atacante Viviane e a central Mayara Santana.
Títulos da Superliga: Nenhum.

Fluminense (RJ)

Desfeita em 1984, a equipe de vôlei do Fluminense foi reativada em 2016 e vice-campeão da Superliga B do mesmo ano. O time carioca contará com a oposta Ana Paula Borgo e a ponteira Mari Cassemiro para a temporada 2019/2020.
Títulos da Superliga: Nenhum.

Sesc Rio de Janeiro

Maior campeão da Superliga, o time do Rio de Janeiro era o antigo Paraná Vôlei Clube e durante muitos anos carregou o nome da Unilever ou produtos (Rexona/Ades) até que o SESC se tornasse o parceiro principal. Conseguiu o feito de chegar à 14 finais consecutivas. Após mau desempenho na Superliga, o time carioca anunciou oito reforços para a temporada 2019/2020. Entre as novas contratações, estão a oposta Tandara e as levantadoras da Seleção Brasileira Fabíola e Thaís.
Títulos da Superliga: 12 (1997/98, 1999/2000, 2005/2006, 2006/2007, 2007/2008, 2008/2009, 2010/11, 2012/13, 2013/14, 2014/15 e 2015/16)

A Superliga 2019/2020 será transmitida pelo canal SporTV, na TV fechada, e pela RedeTV!, na TV aberta. O campeão da Superliga participará do Campeonato Sul-americano de Clubes. Os dois últimos colocados serão rebaixados para a série B na próxima temporada. A CBV ainda não divulgou a tabela. Na última temporada, os jogos se estenderam de novembro de 2018 até maio de 2019.

Notícias do Flamengo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -

Blogs