30.8 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 20, 2021

Não quero ficar em silêncio: Everton Ribeiro dispõe sua influência na luta antirracista

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Outros jogadores também se pronunciaram, mas Everton Ribeiro se destacou por desejar atuar mais firmemente na pauta.

O meia capitão do Flamengo usou suas páginas para se posicionar sobre as pautas raciais, e abordou o assunto com o grupo AfroReggae, uma ONG baseada no Rio de Janeiro, que promove ações de cunho social, artístico, educacional da cultura afro-brasileira desde 1993.

Everton diz ter frequentado as favelas do Rio junto a ONG e percebeu que a imensa maioria da população negra ser moradora da região não era uma coincidência, e manteve contato com William Reis, coordenador do AfroReggae. O jogador reconheceu os privilégios de sua cor de pele, bem como a existência do racismo estrutural excludente, que segrega nas universidades e no mercado de trabalho, e que também é fatal para a comunidade negra.

O jogador se dispôs a buscar mais conhecimento para o assunto e a usar sua influência para ceder espaço as pessoas negras nessa luta pela igualdade. Everton relembrou ainda a triste estatística de que um negro morre a cada 23 minutos no Brasil, e finalizou sua publicação citando Angela Davis, importante filósofa americana que se destaca na luta contra a discriminação racial.

https://www.instagram.com/p/CA6FJpPjTHB/?utm_source=ig_embed&utm_campaign=loading

A demonstração de empatia de Everton Ribeiro vai de encontro com o silêncio de outros jogadores, como Neymar, que foi cobrado nas redes sociais e chegou a ironizar as críticas de Felipe Neto. Nos EUA, onde os protestos pela morte de George Floyd são diários, vários atletas profissionais também se posicionaram, como Karl-Anthony Towns e LeBron James da NBA.

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs