Ex-presidentes do Flamengo emitem nota defendendo Bandeira de Mello no caso do Ninho do Urubu; leia

MRN Informação | Bruno Guedes – Os ex-presidentes do Flamengo Marcio Braga, Luiz Augusto Veloso, Kleber Leite, Hélio Ferraz, George Helal e Eduardo Motta emitiram uma nota na noite desta quarta-feira, 3, em defesa de Bandeira de Mello. O ex-mandatário foi indiciado em janeiro de 2021 pelo acidente no Ninho do Urubu, ocorrido há dois anos.

LEIA MAIS: Flamengo se torna um dos times com mais títulos no século; veja os números

De acordo com a carta de solidariedade, assim chamada no título, a “ação passa ao largo do corporativismo” e dizem ser “injustiça” que um presidente seja responsável por todas as ações na entidade.

Os ex-dirigentes lembram que abaixo do presidente “há os diretores e abaixo deles, gerentes e funcionários”. Portanto, seria inviável um mandatário de um clube do tamanho do Flamengo estar “no dia a dia” e ciente de “todos os departamentos”.

VEJA TAMBÉM: O dia em que Zico recusou a coroa de rei

Eduardo Bandeira de Mello e os demais denunciados irão responder pelo crime de incêndio culposo qualificado. Os réus ainda serão enquadrados no artigo 250, §2º, c/c art. 258, do Código Penal, com penas de detenção, de 1 ano e 4 meses a 4 anos, com aumento de pena de um sexto até a metade, em razão do concurso formal.

LEIA A NOTA DOS EX-PRESIDENTES DO FLAMENGO NA ÍNTEGRA

NOTA DE SOLIDARIEDADE

Os ex-presidentes do Clube de Regatas do Flamengo, abaixo assinados, vêm através desta, manifestar estranheza pelo fato de o ex-presidente Eduardo Bandeira de Mello, ter se tomado réu no triste episódio, de amplo domínio público, no centro de treinamento George Helal, mais conhecido como Ninho do Urubu.

A nossa ação passa ao largo do corporativismo. Aqui estamos motivados pelo sentimento de justiça, pois pelo fato de já termos desempenhado esta mesma função, sabemos que, embora seja o regime presidencialista, nem tudo que ocorre é de conhecimento do Presidente do clube.

O nosso estatuto, pela grandeza do Flamengo, que tem orçamento superior a muitos municípios brasileiros, prevê uma divisão de responsabilidades, onde cada setor do clube tem um vice-presidente que, em última análise, é o presidente do referido setor. Logo em seguida, há os diretores e abaixo deles, gerentes e funcionários.

Compete ao presidente os assuntos institucionais de relevância, enquanto que, cada área, através do seu vice-presidente, gerentes e funcionários, tem sua vida própria.

Jamais cada um de nós teve interferência ou participação direta no dia a dia de todos os departamentos. Não é da alçada do presidente do clube verificar item a item o andamento logístico do clube. Aliás, seria impossível, dada a grandeza do Flamengo.

Em linguagem popular, seria exigir que o presidente batesse o corner, corresse para cabecear e, tendo ainda a obrigação de fazer o gol.

Impossível e, desumano.

Embora ainda impactados e com nossos corações partidos pelos nossos meninos do Ninho, não podemos cruzar os braços e assistir de camarote tamanha injustiça.

Este indiciamento tem como base o desconhecimento do estatuto que rege a vida de um grande clube. Por uma questão de justiça, urge imediata reflexão por quem de direito.

Rio de Janeiro, 03 de Março de 2021

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias do Flamengo

Blogs