Fla nos esportes digitais: Daniel Orlean fala sobre mercado, possibilidades e patrocínios

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Na última semana (3), o Conselho de Administração do Flamengo votou e aprovou a criação do departamento de esportes eletrônicos (ou e-Sports). A modalidade de competição profissional com videogames não é muito nova, mas cresce a cada ano, sempre na cola de jogos de sucesso.

A entrada do Flamengo neste mercado vai de encontro com os investimentos que o mesmo tem feito em canais digitais. Vice-presidente de marketing do Fla, Daniel Orlean acredita que os e-Sports são importantes para atrair novas gerações de torcedores na internet.

– Por um lado, o Flamengo cresceu muito nos canais digitais nos últimos dois anos. Galgamos a liderança ou estamos perto dela em vários canais, como Facebook, Youtube, Instagram e Twitter. Por outro, mesmo assim, ainda existem muitas oportunidade de construir produtos especificamente para essas novas gerações no ambiente digital. Resolvemos, então, sair na frente e agarrar a oportunidade que se revelou aos nossos olhos quando conseguimos entender e reconhecer a importância dos jogos eletrônicos. – explica.

Por se tratar de um ambiente novo, o clube firmou uma parceria estratégica com a Cursor eSports – empresa brasileira especializada em posicionar marcas através dos esportes digitais. O Flamengo ainda estuda outras possibilidades, mas os primeiros passos do rubro-negro na modalidade serão em League Of Legends (LOL) e Pro Evolution Soccer (PES).

– Acreditamos que existem diversas oportunidades neste ambiente, muito por se tratar de uma variedade enorme de modalidades e estilos de jogos, que atendem desde crianças de 8 anos até adultos de todas as idades – destaca.

Confira a entrevista completa

O mundo dos e-sports tem crescido cada vez mais, os campeonatos atraem grandes públicos (de forma presencial e virtual) e alguns canais de TV estão até mesmo transmitindo as competições. Porém, é um mercado novo para as grandes equipes esportivas do Brasil. Como você vê essa entrada do Flamengo nos esportes eletrônicos? Quais devem ser os primeiros passos?

Desde que assumi, em meados de 2016, definimos como metas (entre outras) a ampliação dos ativos de marketing do clube, o incremento das receitas com parceiros e patrocinadores e o estabelecimento de uma maior aproximação com nosso público – o de hoje e o de amanhã. Para cumprirmos essa agenda, que chamei de “Além da Camisa”, observamos atentamente as inovações do mercado. E uma dessas tendências foi bastante analisada e estudada: as gerações Y e Z consomem futebol (e entretenimento esportivo) de forma muito diferente da forma como as gerações anteriores consumiam.

Por um lado, o Flamengo cresceu muito nos canais digitais nos últimos dois anos. Galgamos a liderança ou estamos perto dela em vários canais, como Facebook, Youtube, Instagram e Twitter. Por outro, mesmo assim, ainda existem muitas oportunidade de construir produtos especificamente para essas novas gerações no ambiente digital. Resolvemos, então, sair na frente e agarrar a oportunidade que se revelou aos nossos olhos quando conseguimos entender e reconhecer a importância dos jogos eletrônicos.

Já passamos por todas as instâncias de aprovações internas cabíveis. Só anunciamos quando tudo estava aprovado e sacramentado. Agora é mão na massa. Ou, melhor dizendo, no controle! Vamos trabalhar para o lançamento, formação de equipe e captação de patrocinadores.

Além do League of Legends, existe a expectativa do clube participar de torneios de outros jogos?

Estamos avaliando diversas oportunidades, mas posso adiantar que League of Legends e PES fazem parte da nossa estratégia.

Atualmente, o Flamengo possui um contrato de exclusividade com a KONAMI (desenvolvera do game PES) no gênero futebol.

 No Brasil, o Santos foi pioneiro e fechou uma parceria com Dexterity (equipe que já fazia parte do circuito  de esportes eletrônicos) e formou a Santos.Dex. O Flamengo pretende usar um modelo semelhante? Haverá investimento financeiro por parte do clube?

A Cursor e-Sports, formada por gamers profissionais, que conhecem muito desse mercado, é nossa parceira estratégica para este projeto, do desenho à implementação. Juntamos a força do Flamengo, os anseios de sua imensa torcida e sua capacidade de propulsão a um time de profissionais inovadores, atentos e com bastante vontade de vender.

O Flamengo possui hoje diferentes ativos, não apenas ativos financeiros. Temos uma torcida extremamente engajada, canais digitais que sofreram incrementos acelerados nos últimos anos, uma audiência que acompanha o clube por onde ele for, um CT ultra moderno, atletas com alto grau de aceitação do público e uma carteira de mais de 60 patrocinadores, só para citar alguns exemplos. Esses recursos certamente permitirão captações representativas para o projeto de e-Sportes, no médio e no longo prazo.

O departamento de e-Sports pode ser interessante para atrair um novo tipo de público para o Flamengo? 

O Flamengo enxerga no segmento de e-Sports a possibilidade de estar ainda mais em contato com as gerações mais novas, especialmente por elas estarem imersas no ambiente digital e serem consumidores ávidos de novas plataformas como Youtube e Twitch.TV.

Nossos objetivos são claros: expandir nossa área de atuação de forma alinhada às tendências de mercado, principalmente para os jovens; conquistar um público já cativo do Flamengo em futebol e outros esportes, mas carente de Flamengo em uma de suas paixões, os jogos eletrônicos; conquistar públicos que hoje não são Flamengo, mas podem vir a ser, principalmente por encontrarem, nos jogos eletrônicos, elementos de ligação com amigos e familiares. A internacionalização de marca também é um dos pilares do projeto. Através do League of Legends podemos conversar com jovens do mundo inteiro no ambiente eletrônico.

Acreditamos que existem diversas oportunidades neste ambiente, muito por se tratar de uma variedade enorme de modalidades e estilos de jogos, que atendem desde crianças de 8 anos até adultos de todas as idades. É um movimento natural do mercado e acredito que nos próximos anos, com a iniciativa do Flamengo, grande parte das marcas de futebol precisarão oferecer produtos no ambiente dos e-Sports.

Torneios de LOL atraem milhões de pessoas

Pretendem explorar esta nova modalidade de outras formas? 

O Flamengo não se vê como um produto de mídia, mas sim como uma plataforma estratégia de marketing, através de engajamento e entretenimento. Queremos ser a opção mais poderosa e confiável para lançamento de marcas, crescimento de market share, fidelização e aumento de mind share das empresas, por exemplo. Com isso, nossas estratégias de patrocínio vão muito além da tradicional camisa e direitos de naming. As marcas que abraçarem este projeto, além de todo o viés de vanguarda e pioneirismo, vão conseguir um caminho visceral para se relacionar com os millennials (geração Y), um público muito importante para aumento de consumo e futuro.

Além disso, a divisão de e-Sports tem o potencial de impulsionar toda a plataforma digital do Flamengo. As entregas digitais e interação no ambiente virtual vão ser cada vez mais valiosas para as marcas. O Flamengo sai na frente com relação a entregas para marcas que querem conversar com os millennials e os Z. Podemos dizer que a maior parte das entregas será direcionada para plataformas digitais e de live streaming. Além de poder oferecer ativações exclusivas para jovens torcedores.

 

Confira também: 5 motivos para o Flamengo investir em esportes eletrônicos.

 


O Mundo Rubro Negro precisa do seu apoio para não acabar, e melhorar ainda mais. Contribua mensalmente com nosso trabalho. Clique aqui: bit.ly/ApoiadorMRN

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs