Compartilhar:

A liderança importante é aquela conquistada na 38º rodada, até lá, ainda tem muita bola pra rolar e muitos jogos para vencer

Blog Resenha Rubro Negra | Jean Carlos Santos – Twitter: @JeanSantosCRF

Há 44 dias, quando Domènec Torrent foi anunciado como o novo comandante do nosso querido Mengão, fui instigado a dar uma pequena investigada no passado do catalão mais carioca do momento. Depois de ler alguns textos, fui parar no bom documentário sobre a temporada 2017/2018 do Manchester City.

Entre abraços e conversas ao pé do ouvido com Guardiola, uma cena chama atenção: a preparação de bolas paradas para o jogo contra o Manchester United, rival histórico do City, fica por conta de Domènec. Algumas explicações, algumas pausas no vídeo e assim vai passando a cena do catalão dando os adequados bizus para a rapaziada do City.

Veja também: Os segredos do Del Valle: forte no ataque, time sofre na bola aérea. Entenda o rival do Flamengo

De Manchester direto para Fortaleza, o que vimos foi o time comandado por Domènec sofrer dois gols em cima de uma das suas especialidades. O futebol tem dessas ironias. Sofremos dois gols em cinco minutos após jogadas de escanteio, o que prova que para pleno entendimento de suas ideias de jogo é necessário mais do que algumas semanas de trabalho. O resto do jogo foi composto por inúmeras trocas de passes sem resultado eficaz e um aqui outro acolá contra-ataque dos caras para nos deixar devidamente tensos. Antes disso, ainda no primeiro tempo, o (quase) sempre fatal Gabigol desperdiçou duas grandes chances que provaram fazer falta no decorrer dos 90 minutos.

No tão comentado rodízio de Dome, entramos com Vitinho e Michael de titulares, Gustavo Henrique no lugar de Rodrigo Caio que, merecidamente, ganhou um descanso para os próximos jogos. Pequeno Victor segue jogando com a mesma vitalidade e energia de um jovem anêmico, foi o que mais teve a atenção chamada por Dome durante o jogo. Certamente “Viti” é a palavra mais falada por Dome em dias de jogos que ele está em campo. Além disso, o grande Michael ainda precisa provar a que veio. Os dois seguem devendo.

Porém, os destaques negativos não ficam apenas por conta deles, o time num geral não foi bem, totalmente diferente do bom jogo que fizemos na quarta. Leo Pereira hoje, mais do que qualquer outro dia, fez sentirmos falta de Pablo Marí. O espanhol com seus sempre precisos passes longos nos proporcionava uma excelente saída de bola, facilitando assim a transição entre defesa e ataque. Hoje com o time do Ceará marcando em cima, Leo Pereira provou que ainda tem o que aprender para se tornar um zagueiro titular absoluto no atual campeão brasileiro e da América. Miteiro e Thiago Maia também passaram longe de fazer uma partida como vinham fazendo. Hoje definitivamente não foi um dia ideal para o time do Flamengo.

Em um exercício otimista de tentar ver o copo meio cheio vou acreditar (me enganar) que o time poupou energia para o importante jogo de quinta. Obviamente nunca é bom perder e isso também não faz parte de nossa realidade flamenguista, porém ainda temos muito campeonato pela frente e nossos rivais hão de tropeçar em seus respectivos jogos, assim espero. A liderança importante é aquela conquistada na 38º rodada. Até lá, ainda tem muita bola pra rolar e muitos jogos para vencer.

Os artigos assinadas não refletem necessariamente a opinião do MRN, sendo de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível criar conteúdo de qualidade sobre o Flamengo. Se você também acredita, clique aqui e torne-se apoiador do MRN.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / Flamengo

Compartilhar: