Compartilhar:

Além da perda de rendimentos em sua receita, o Flamengo perde mais patrocinadores durante a paralisação do futebol.

o Azeite Royal já havia quebrado o contrato com o rubro negro em março, pouco depois do início do isolamento social. A quebra fez o Flamengo se mobilizar na justiça em ação contra a empresa. Além disso, o banco BS2 também deve sair antes do fim do contrato, que finalizava em dezembro de 2020. O banco já oficialmente se retirou do patrocínio do futebol feminino da Gávea. As conversas entre as partes continuam para que seja feito o pagamento da multa rescisória, no valor de R$2 milhões.

Veja também: Flamengo volta a carga por Fabricio Bustos, lateral do Independiente; clube argentino enfrenta crise financeira

A Tim, empresa que patrocina o Flamengo desde 2017, comunicou o clube que está em revisão estratégica de seus patrocínios no futebol por conta da crise financeira causada pela pandemia do Covid-19 e que o contrato com a equipe será válido até o final desse mês de maio,

Com as tratativas com a Amazon ainda não foram finalizadas, o Flamengo ainda busca conversa com o Banco BRB e outras empresas. O clube objetiva um contrato Master na casa dos 35 à 40 milhões de reais.

ATUALIZAÇÃO – às 16h39

De acordo com atualização do jornalista Lauro Jardim, em seu próprio blog, a assessoria da TIM em nota afirmou:

“A TIM está em negociação com o Flamengo para renovação do patrocínio e não enviou qualquer comunicado ao clube informando sobre um possível fim da parceria.”. E Jardim explica: “A informação publicada foi dada por um diretor do clube, que confirma ter visto a correspondência”.

LEIA MAIS:

Depois de fechar com a Amazon, o Fla busca outro banco

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / Flamengo

Compartilhar: