Compartilhar:

Soberba ou planejamento, o fato é que um Flamengo ainda mais inovador vem se formando, em elenco e em pensamento institucional.

Uma semana de 2020 e pelo burburinho no Twitter e na imprensa, o Flamengo foi do inferno ao céu (ou estacionou no purgatório, dada algumas incertezas de permanência).

Vimos o Mister colhendo os merecidos frutos de seu ano mágico nos holofotes lusitanos, seguimos acompanhando a novela Gabigol, que parece ter uma tensão até superficial em uma nítida e compreensível estratégia de valorização do atleta, e a confirmação de novos atores para o palco desse ano.

Pedro Rocha, Gustavo Henrique e Thiago já foram confirmados, com a espera da conclusão de Thiago Maia, Pedro e a muito falada contratação de Michael.

A crise interna gerada pela saída de Pelaipe teve os ânimos acalmados não só pelo apaziguamento de Marcos Braz, mas também pela informação de que tal ato foi decisão direta de Landim.

Leia também do mesmo autor: O sentimento de orgulho atravessou o continente

Todavia, o contratempo político que ainda pode gerar novos desdobramentos não atrapalhou a contínua atuação da diretoria para renovação do elenco para a temporada. Porém, demonstrou que definitivamente um dos maiores adversários do Flamengo é ele próprio.

Vale ressaltar que é nítido a modelização da Flamengo, não só em preocupação financeira mas em direção estrangeira, com clubes da nossa elite contratando técnicos de fora, o que faz desse ano de 2020 uma incógnita ainda maior para os demais times que pouco estão se mexendo no mercado.

É um início de ano acalorado e que ainda vai dar o que falar nessa etapa, visto a conduta inédita do time em não utilizar o time principal, a princípio, no campeonato carioca. Soberba ou planejamento, o fato é que um Flamengo ainda mais inovador vem se formando, em elenco e em pensamento institucional.

SRN

Gugu Queirós é cearense, historiador e mestrando em Comunicação. Twitter: @guguqueiros

Compartilhar: