Flamengo recebe laudo de ofensa de Ramirez a Bruno Henrique; veja o que foi dito

Com o resultado da análise feita pelo Instituto de Educação dos Surdos, equipe rubro-negra vai encaminhar denúncia ao STJD

MRN Informação | Leandro Chagas – Twitter: @leandroxgs

O duelo entre Flamengo e Bahia, disputado no Maracanã no último domingo, ganhou mais um desdobramento envolvendo as acusações de injúria racial contra o atleta Juan Pablo Ramírez. A equipe rubro-negra solicitou uma análise ao Ines (Instituto de Educação de Surdos), da leitura labial do momento em que o atleta colombiano discutiu com Bruno Henrique. No laudo, foi constatado que o jogador da equipe baiana ofendeu o atacante do Fla. 

“O Flamengo encomendou a especialistas do INES – INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE SURDOS, uma leitura labial da situação do Ramirez com o Bruno Henrique momentos antes do que se passou com o Gerson. A prova revelou que teria havido a ofensa, vamos apresentar ao STJD e entregar a polícia”, publicou o vice-presidente jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee de Abranches, em suas redes sociais.

O que foi dito?

O site “GE” consultou Luis Felipe Ramos Barroso, Felipe Oliver e Mikel Vidal, três especialistas em leitura labial, sendo o último filho de colombianos e com experiência em análise da língua espanhola. Vale destacar também que Oliver e Vidal são tradutores do Ines.

- Advertisement -

LEIA TAMBÉM: Domènec Torrent presta apoio a Gerson sobre episódio de injúria racial

Gerson se pronuncia sobre caso de racismo direto da delegacia onde prestou depoimento; assista

De acordo com os especialistas, Ramirez diz a Bruno Henrique: “Está falando muito, seu negro”. Segundo Luis Felipe, no início da discussão, o jogador rubro-negro também xingou o atleta do Bahia: “Gringo de m…”. Veja o vídeo:

A discussão ocorreu aos 20 minutos da segunda etapa, 13 minutos depois do momento em que Gerson acusou o próprio Ramirez de injúria racial. A situação aconteceu quando o Flamengo perdia por 3 a 2, e Bruno Henrique se irritou com a cera feita pelo meia colombiano.

Ao ser procurado pelo GE, Bruno Henrique se manifestou. Através de sua assessoria, o camisa 27 disse que não ouviu Ramirez chamá-lo de negro.

O Bahia também se manifestou, e respondeu com a seguinte nota oficial:

“O Bahia informa que não teve acesso a nenhum laudo produzido sobre o tema e que contratou laudos próprios para fundamentar a sua decisão, que será firme e cuidadosa, fazendo jus ao trabalho de combate a todas as formas de preconceito realizado há três anos pelo clube. Além disso, lamenta que um jogo de futebol tenha transcorrido em clima tão agressivo de todas as partes, que, além da denúncia de racismo, protagonizaram desrespeitos mútuos, agressividades e xenofobia.”

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here