Compartilhar:

O jornal espanhol As publicou hoje uma longa entrevista com Lázaro, apresentado na reportagem como “próximo Reinier e “dono da multa mais alta da história dessa fábrica de talentos que é o Flamengo”. Na entrevista, Lázaro diz que não se sente pressionado pela multa, revela que torce pelo Real Madrid na Europa e diz que seu objetivo para 2020 é fazer história no Flamengo. O atacante de 17 anos revela ainda que jogou o Mundial sub-17 do ano passado, no qual marcou o gol do título, já lesionado do menisco, mas só foi operado no fim do ano. Ontem, ele participou de uma atividade com o técnico Jorge Jesus, que pode estar de olho no garoto para o time principal na temporada. O MRN traduz abaixo a entrevista completa de Lazaro ao AS:

Você chegou ao Mundial sub-17 como substituto e saiu como o jogador mais decisivo. Pensou que seria assim?

Foi muito importante para a minha carreira porque eu não estava na primeira convocação, mas permaneci tranquilo. Continuei trabalhando no Flamengo e, quando me deram a notícia de que eu tinha sido chamado, a esperança era trabalhar pra isso. Potencializei o que sei fazer de melhor, finalizando muito nos treinamentos, e no Mundial me consagrei na semifiinal e na final, Trabalhei muito para isso.

Depois de marcar contra a França aos 44 minutos do segundo tempo pra virar um 2×0 contra, esperava ser titular na final?

Sim. Nós jogadores temos essa esperança quando trabalhamos muito. Fiz o o gol e claro que queria jogar, como todos. Quando o técnico deu a escalação da final, continuei tranquilo, com a mente positiva: sabia que teria oportunidade de jogar. Quando o professor me chamou para entrar, eu já estava com bastante confiança.

Ele falou com você entre a semi e a final para explicar a decisão dele?

Sim, me disse que ficasse tranquilo, que eu teria oportunidade, No treino antes do jogo, trabalhei a finalização, que é meu melhor recurso, e depois tive a oportunidade de marcar o gol do título.

O que passa pela cabeça do jogador em uma situação como essa?

É um momento de muita felicidade, não só pra mim, como para toda minha família e todos os brasileiros, porque o Brasil não ganhava há bastante tempo e além disso estava jogando em casa. Fazer o gol do título nessas circunstâncias, faltando um minuto e meio para acabar, foi muita felicidade e eu não sabia como comemorar. Quando cheguei no hotel e parei pra pensar, vi o vídeo do gol e me lembrei de tudo isso, foi uma sensação muito especial..

O que não se sabia então é que você estava lesionado. Imagina se estivesse 100%…

Sim, nem eu sabia. Me machuquei na final do Brasileiro sub-17. Foi em agosto, mas eu não sabia. [A matéria original fala na final da Supercopa sub-17, no Maracanã, mas este jogo foi em dezembro]. Pensei que era normal e continuei trabalhando normalmente, me tratando, mais um dia o departamento médico se deu conta e pediu uma ressonância. Viram que eu tinha um problema no menisco. Menos mal que foi aí e eu não perdi o Mundial, graças a Deus.

O que você conversou com Ronaldo na entrega das medalhas?

Ele me parabenizou pelo gol e pelo campeonato. É um dos melhores atacantes do mundo e todos, brasileiros e estrangeiros, sabem que ele foi um excelente centroavante. Eu jogo no ataque e me inspiro muito nele.

Nas redes sociais, com a imprensa, nas ruas… Você percebe que algo mudou no seu dia a dia?

Sim, sim. É que um Mundial todo mundo assiste, ainda mais em casa, onde mais se vive o futebol, Mas eu sempre fui um cara tranquilom, com os pés no chão e só querendo dar o meu melhor..

Como você lidou com isso?

Sou tranquilo e meus pais, como o resto das pessoas que me rodeiam, sempre me ajudam. Estou agradecido por não sair do meu caminho.

Quem é seu ídolo?

Cristiano Ronaldo e Neymar, mas mais o Cristiano, pela forma que ele trabalha.

E qual é seu time na Europa?

Tenho vários, como todos os jovens, mas sempre tive um carinho especial pelo Real Madrid. Quando tinha tempo e ficava em casa vendo jogos, sempre eram do Real com seus grandes jogadores, Mas na Europa tem muitos, é difícil ficar com um time só.

Sua multa, sem ter ainda estreado no time profissional do Flamengo, é de 80 milhões de euros. É um peso pra você?

Não me pressiona, estou tranquilo. É algo que foi falado, mas o que que eu quero é conseguir meus objetivos, realizar meus sonhos e os da minha família, A renovação do contrato me deixou feliz porque é uma recompensa ao meu trabalho.

No ano passado você treinou uma vez com o time de cima e nesta quinta-feira fez sua recuperação de lesão também com os novos reforços. Como foi isso?

Foram experiências muito boas, são jogadores muito importantes. Eu os vejo na televisão e treinar com eles me deixa muito feliz. Trabalharei cada vez mais para continuar subindo ao time profissional.

É seu grande objetivo em 2020?

Sim, claro, Subir e fazer história.

Como te afetou a tragédia do incêndio no Ninho do Urubu?

No dia da tragédia estava em casa, de férias. Minha mãe veio no meu quarto me dizer que estava pegando fogo, mas eu não consegui entender. Depois, quando eu coloquei de novo a cabeça no travesseiro porque eu não estava entendendo nada, me levantei para ver o que estava acontecendo. E então eu fiquei sabendo de toda a tragédia.. Só não conhecia um dos meninos, conhecia todos os outros, sempre falava com eles. Eu sempre os homenageio na comemoração dos meus gols.

Compartilhar: