Compartilhar:

Único jogador não formado na base a integrar o elenco profissional do Flamengo desde o início de 2016, o volante Willian Arão estendeu pela terceira vez seu contrato com o Flamengo. Após uma temporada em que, nas mãos do técnico Jorge Jesus, trocou de posição e se redimiu com a torcida, Arão estendeu seu vínculo até o fim de 2023.

O volante chegou ao Flamengo em litígio com o Botafogo que ainda se arrasta até hoje na Justiça. A excelente temporada que fez em 2016 – integrou a seleção da Bola de Prata do Campeonato Brasileiro – fez o clube estender seu vínculo inicial, que ia até o fim de 2018, para o fim de 2019, com o primeiro aumento salarial.

A partir de 2017, porém, Arão caiu de rendimento até que perdeu a vaga de titular durante a era Mauricio Barbieri, no ano seguinte. Ele voltou ao time com Dorival Júnior, portanto, e Abel Braga, que o considerava indispensável, pediu uma nova renovação de contrato no fim de 2018. O vínculo do jogador foi estendido até 2021. Na época, a notícia não foi bem recebida por boa parte da torcida.

Pouco mais de um ano depois, porém, a história é bem diferente. O agora primeiro volante foi um dos principais jogadores nas conquistas do Brasileiro e da Libertadores e voltou a ganhar a Bola de Prata. Com isso, fez jus a uma nova extensão de contrato e um novo aumento, agora se encerrando no fim de 2023.

Aos 27 anos, Willian Arão já disputou 231 partidas e marcou 24 gols pelo Flamengo. Além do Brasileiro e da Libertadores, ele ganhou dois Campeonatos Cariocas pelo clube.

Desde o fim do ano passado, o Flamengo já estendeu os contratos de Everton Ribeiro e Bruno Henrique, também até o fim de 2023, além do lateral reserva Renê, até o fim de 2022. O próximo da fila deve ser o goleiro Diego Alves, cujo contrato vence no fim deste ano.

Compartilhar: