Compartilhar:

Após a vitória sobre o Fortaleza na última rodada, o tema que ficou nas redes e na imprensa foi o rodízio de elenco praticado por Domènec no Flamengo

MRN Informação | Rafael Sacharny – Twitter: @RSacharny

Apesar da terceira vitória consecutiva no Brasileirão, o assunto em relação ao Flamengo ficou em cima da suposta insatisfação do elenco com a rodagem de jogadores. Baseado em pesquisas e estudos, há o entendimento de que esse conceito auxilia na recuperação física dos atletas, dessa forma evitando lesões e quedas de rendimentos.

Ao ser entrevistado pelos canais ESPN, o zagueiro Gustavo Henrique disse entender o modo de gestão do treinador espanhol e que os jogadores já estão se motivando, pois sabem que terão oportunidades durante a temporada. Apesar de não ser algo tão habitual no futebol do Brasil, o jogador acredita que a ideia está compreendida pelo elenco:

“Realmente a cultura brasileira não está acostumada a esse tipo de treinadores que fazem bastante rodízio. Mas eu acredito que o elenco está assimilando bem, a gente sabe que quem entrar vai dar conta do recado então isso também, querendo ou não, nos motiva mais a querer estar cada vez melhor para buscar a nossa vaga e a nossa oportunidade de jogar também.”

Ajustes defensivos

Além disso, a torcida do Flamengo também se preocupa com a atual defesa rubro-negra, que já sofreu dez gols em apenas oito partidas no campeonato. O defensor disse que será outro ajuste necessário a ser feito. De fato, a linha de quatro defensores mudou de peças e da mesma forma teve que incorporar novas características com pouco tempo para treinamento.

“Na defesa muda bastante coisa. O Jesus trabalhava muito a linha defensiva, não que o Domènec não trabalhe, mas eram conceitos diferentes né. Então eu acho que o grande diferencial do Jesus realmente era na linha defensiva, uma linha muito alta, muito entrosada, um cobrando o outro ali atrás sabendo o que deveria ser feito. E como eu falei, o Domènec chegou e não teve muito tempo de trabalho para a linha defensiva. Ele foi conhecendo um pouquinho mais a nossa nossa equipe, a característica de cada um. Consequentemente ele começou a trabalhar a última linha, que aí nosso time começou a se posicionar melhor.

Mas realmente é um estilo de jogo diferente que Jesus tinha, que era a linha muito alta e muito compacta. Mas a gente continua tentando fazer isso nos jogos, porque coisas boas a gente tem que sempre levar para a vida, para nossa carreira. E o que o professor (Dome) tentar introduzir vai nos ajudar mais ainda“, completou o zagueiro.

A fim de diminuir a quantidade de gols sofridos e aumentar sua pontuação, o Flamengo enfrenta o Fluminense, nesta quarta-feira, às 21h30, no Maracanã.

Ajude a divulgação rubro-negra de qualidade: Seja apoiador do MRN e participe do nosso grupo de Whatsapp.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / C.R. Flamengo

Compartilhar: