Compartilhar:

Levamos o clube a outro patamar. Estamos em um momento chave e somos, sim, agentes desse destino. Depende de nós. O que será do Flamengo?

Blog do Téo | Téo Benjamin – Twitter: @teofb

O Flamengo não chegou onde chegou por acaso. Não foi sorte. Não cavaram um poço e saiu petróleo. Se hoje almejamos um time campeão, falamos em outro patamar e os adversários temem uma hegemonia, há uma longa história por trás. Alguns momentos são chave. Estamos vivendo um deles.

Há quase oito anos o Flamengo se reimaginou. Torcedores, dirigentes, conselheiros, todos aqueles que constroem o clube se uniram em torno de um projeto de longo prazo que vai contra todos os mecanismos de incentivo que vemos por aí. É muito difícil ser eleito para qualquer coisa no Brasil (e no mundo, aliás) declarando: “Eu não vou ganhar. Pelo menos não agora. Vou criar as condições para que possamos ganhar.”

Do mesmo autor: Um jogo cheio de nuances: análise de Flamengo 0 x 1 Atlético Mineiro

O Flamengo conseguiu acreditar em um projeto assim. Tanto acreditou, que reelegeu essa ideia depois de três anos ruins dentro de campo. Por incrível que pareça, foi logo o Flamengo, o maior e mais caótico clube do Brasil, que conseguiu dar esse passo tão difícil. Conseguiu se repensar profundamente.

Mesmo com diferenças importantes, Landim e Lomba representavam, nas eleições rubro-negras em 2018, a continuidade daquela ideia nascida em 2012. Juntos, tiveram 98% dos votos. Essa ideia se tornou o próprio Flamengo. Com ela, alcançamos outro patamar.

Não foi por acaso. “Projeto” é uma palavra jogada ao vento no futebol. Tão solta que já até perdeu o seu significado. Mas, nesse contexto, é a palavra correta. O Flamengo confiou em um projeto de longo prazo, em uma ideia para si. Se transformou a partir daí. Mas o Flamengo ferve. O Flamengo sempre ferve. Todo mundo sabe que ele ferve.

Nesses momentos, sempre surge uma encruzilhada. O clube pode jogar o projeto pela janela e dar uma guinada ou pode respeitar os processos e esperar o amadurecimento desse projeto. Não estou falando aqui de morrer acorrentado a ideias quaisquer. Se ficar claro que as ideias são ruins, que as decisões foram erradas, é preciso mudar!

Leia também: Flamengo e Isla encaminham acerto. Guga também pode ser contratado mas Atlético dificulta

Mas o Flamengo se reinventou justamente quando teve paciência para ver um projeto desabrochar. Jorge Jesus se foi. Por maior que seja a saudade, ele não voltará. Um novo ciclo se inicia com a tarefa árdua de ser comparado com o projeto mais vencedor das últimas décadas. Repito aqui: o mais interessante da chegada de Domènec Torrent ao Brasil é que ela foi fruto de um processo meticulosamente pensado. Não foi um nome que surgiu do nada, uma preferência vaidosa de um dirigente. Foi parte de um projeto maior. Porém, é claro, o Flamengo ferve.

Depois de duas derrotas, muita gente já queria explodir o projeto. Choveram conclusões definitivas.

Esse é o momento chave. A encruzilhada. Qual Flamengo queremos ser?

Só nós podemos decidir. Afinal, nós somos o Flamengo. Antes de mais nada, precisamos entender que esse projeto se inicia durante o campeonato mais atípico de todos os tempos.

É o campeonato com duas janelas de transferências europeias no meio, é o campeonato com uma maratona insana de jogos. É o campeonato em que um time pode perder dezenas de jogadores de uma hora para outra pelas infecções do vírus. É o campeonato que vai varar o verão, com jogos em dezembro, janeiro e fevereiro durante o pico de performance.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível criar conteúdo de qualidade sobre o Flamengo. Se você também acredita, clique aqui e torne-se apoiador do MRN.

Um campeonato absolutamente imprevisível! Muita gente reclamou quando eu afirmei, depois da derrota para o Atlético-MG, que a condição do gramado do Maracanã era o que realmente me preocupava.

Mas o raciocínio é simples…O Flamengo fez um jogo perfeito na estreia? Não. Havia coisas a melhorar? Muitas.

Mas todas elas eram possíveis de melhorar – até rapidamente. A única coisa que tende a piorar com o tempo é o gramado, que já não está bom. Afinal, teremos uma maratona de jogos no estádio. Contra o Atlético-GO, o time fez uma partida muito ruim. Jogou muito abaixo do que pode em todos os aspectos. Foi mal tecnicamente, taticamente, fisicamente e psicologicamente.

Um desses fatores realmente preocupa… É possível melhorar a parte técnica, conversar para ajustar a parte tática, trabalhar para evoluir na parte física. Tudo isso rapidamente. No entanto, se houver uma ruptura na parte psicológica, é muito difícil recuperar. No ano passado, uma das principais características do time era justamente o controle mental. A consciência que o Flamengo demonstrou em partidas importantes era impressionante. Um time absolutamente seguro, inabalável.

O elenco já mostrou que é forte nesse aspecto. Nos dois primeiros jogos do Brasileiro, por outro lado, vimos um time afoito, desconfortável, apressado… Um time que perdeu o controle do jogo. Isso também dá para melhorar – e até já melhorou bastante no terceiro jogo em Curitiba. Porém, se nós, torcedores, criarmos um ambiente de pressão insustentável dentro do clube, será muito difícil evoluir.

Leia também: Um jogo cheio de nuances: análise de Flamengo 0 x 1 Atlético Mineiro

Se o time perder a confiança em si, ou no trabalho do treinador, ou na diretoria, já era. Seria muito difícil recuperar. Seria jogar o projeto pela janela. O time é muito bom. Sabemos disso. O campeonato está só no começo e é completamente atípico. Muitas reviravoltas virão. A única coisa que podemos controlar é o nosso próprio comportamento diante dos altos e baixos. O nosso pensamento de longo prazo.

Cabe a nós, portanto, a manutenção das condições que nos trouxeram até aqui. Levamos o clube a outro patamar quando repensamos profundamente o caminho. Estamos em um momento chave e somos, sim, agentes desse destino. Depende de nós. O que será do Flamengo?

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / Flamengo

Compartilhar: