Landim na veia, imprensa na cadeia (aprendi essa com a Fofox: título polêmico só para que você clique)

1 COMENTÁRIO

  1. As comparações foram interessantes, mas pecam no centro do argumento. Quando se fala em relação ao Harvey Specter e a defesa da firma, há uma enorme confusão sobre o que seria essa defesa.
    A defesa de um clube de futebol vai muito além da manutenção de uma carteira de clientes. A defesa de um clube de futebol é unir o campo e bola a um respeito pela história do clube.
    O que o Landim defende é o dinheiro do clube e a sua ideologia pessoa. É sempre interessante olhar para os outros e apontar a defesa de qualquer pauta como defesa ideológica e ignorar que qualquer decisão é embasada na bagagem e na ideologia daquela pessoa que a tomou. Landim tem as suas convicções e isso fica bem claro em algumas escolhas e em seu discurso, o problema é que quando a gente concorda com essas convicções a gente tende a desassociar o caráter ideológico delas.
    O cerne de todo o problema da comparação entre as posturas do personagem de Suits com a do presidente do Clube de Regatas do Flamengo é que do lado de fora da Gávea não há, como em um escritório de advocacia, uma enorme placa com os nomes de seus associados. Não é “Landim & Dunshee & Baptista” que marca a fachada da sede da Gávea.
    Quando Landim decide se colocar a frente de um movimento anticientífico (distorcendo bizarramente as informações pra passar uma falsa segurança) ele está sujeitando o nome do Flamengo à uma mácula histórica.
    A verdadeira “defesa da firma”, na realidade em que vivemos, seria o Flamengo se colocar a disposição para ouvir os órgãos especialistas e tomar as devidas medidas para apoiar seus funcionários e suas famílias para que passem por esse desafio sem riscos.
    SRN

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Prefiro um presidente impiedoso que empilhe títulos do que um benevolente que não ganhe nada além de palmas da imprensa

Por José Peralta, do Blog CRFlamenguismo

1- O título é polêmico só para que você clique. Aprendi essa com a Fofox.
2- Vasco da Gama;
3- Esse texto não reflete a opinião do MRN. O Diogo (editor-chefe do MRN) me deixa escrever certas barbaridades porque é legal e sempre me disse que esse blog tem liberdade total.

Dito isso, vamos lá.

Em Hoolingans (2005), Frodo é expulso da universidade de Harvard, onde cursava jornalismo e resolve ir pra Inglaterra passar um tempo com a irmã. Lá ele se envolve com uma torcida organizada liderada por seu concunhado.

Aos poucos ele aprende a trocar socos, fazer bolinhas de sabão e cantar as músicas do West Ham. Com o tempo, ganha a confiança do grupo e tudo vai bem até que descobrem que ele é um jornalista (ou quase isso).

Veja: Landim no Bem, Amigos defende protocolo e retorno do futebol

Aí o pau quebra. Longe de mim defender torcida organizada, mas por que aquela gente não tolera jornalista? Tenho uma certa ideia:

Talvez o jornalista médio seja hipócrita, corporativista e pense ser infalível. Quiçá suponha ter a régua da razão. Possivelmente imagine ser o rei da justiça, o bastião da moralidade.

Ultimamente tem sido impossível acompanhar qualquer programa esportivo – até porque praticamente não tem esporte ao vivo na TV, mas nesta segunda (8) dei uma chance e suportei algumas horas de “Bem, Amigos” para ver o presidente do Flamengo.

Foi ultrajante. Landim foi constrangido de todos os lados. A galerinha prafrentex, que se acha especialista em saúde, economia, política (e futebol, claro) seguiu com seu discursinho raso e presunçoso mesmo na frente do representante do clube.

Leia também: Não precisava entrar no holofote assim

Mas já era esperado. A turminha, movida por pautas ideológicas, vem seguidamente atacando o clube seja pelo motivo que for. O Flamengo não pode treinar com todas as condições de segurança, mas aglomerações pela causa que militam estão permitidas.

Segunda foi a gota d’água. Querem que o Flamengo cuide da saúde, educação, segurança pública, infraestrutura… Ah se tivessem a mesma disposição para cobrar os clubes que operam há anos no vermelho, devem meses de salários e mesmo assim buscam reforços com a cara mais lavada do mundo!

Em 2018 eu não apoiei o Landim, mas graças a Deus ele ganhou. Landim é o Harvey Specter do clube. Ele caga para a opinião pública e faz exatamente o que se espera de quem foi eleito: ganhar e defender a “firma”, não importa a situação.

O clube até tem realizado ações de responsabilidade social, mas a imprensa parece não importar muito. Se não seguir a agenda dos jornalistas, nada feito. Então, com todo respeito, foda-se!

Se for para o bem do clube, quero ver o Landim almoçando com o Bolsonaro e jantando com o Xi Jinping. Se precisar lanchar com o Rodrigo “Botafogo” Maia, que assim o faça.

Eu quero o Flamengo vencedor, sem misericórdia de rivais e pensando apenas em seus interesses. Enquanto Landim agir assim terá meu apoio. A imprensa que se dane. Ela precisa muito mais do Flamengo do que o contrário.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível falar sobre o Flamengo com qualidade. Seja nosso apoiador!

Não sou a favor da volta do Campeonato Carioca porque, para início de conversa, não sou a favor do Campeonato Carioca, mas o futebol eventualmente tem que continuar. Temos o melhor técnico, o melhor elenco, as finanças mais equilibradas e a melhor estrutura para proteger nossos atletas.

Se os outros não têm o azar é deles. Os rivais que parem de gastar com uma folha que não podem arcar e se virem. 1987 nos ensinou que a união e o bem comum duram até a página 3.

Que Landim siga sendo implacável. Prefiro um presidente impiedoso que empilhe títulos do que um benevolente que não ganhe nada além de palmas da imprensa.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Reprodução / SporTV

Não deixe de ler também

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs