Compartilhar:

Prefiro um presidente impiedoso que empilhe títulos do que um benevolente que não ganhe nada além de palmas da imprensa

Por José Peralta, do Blog CRFlamenguismo

1- O título é polêmico só para que você clique. Aprendi essa com a Fofox.
2- Vasco da Gama;
3- Esse texto não reflete a opinião do MRN. O Diogo (editor-chefe do MRN) me deixa escrever certas barbaridades porque é legal e sempre me disse que esse blog tem liberdade total.

Dito isso, vamos lá.

Em Hoolingans (2005), Frodo é expulso da universidade de Harvard, onde cursava jornalismo e resolve ir pra Inglaterra passar um tempo com a irmã. Lá ele se envolve com uma torcida organizada liderada por seu concunhado.

Aos poucos ele aprende a trocar socos, fazer bolinhas de sabão e cantar as músicas do West Ham. Com o tempo, ganha a confiança do grupo e tudo vai bem até que descobrem que ele é um jornalista (ou quase isso).

Veja: Landim no Bem, Amigos defende protocolo e retorno do futebol

Aí o pau quebra. Longe de mim defender torcida organizada, mas por que aquela gente não tolera jornalista? Tenho uma certa ideia:

Talvez o jornalista médio seja hipócrita, corporativista e pense ser infalível. Quiçá suponha ter a régua da razão. Possivelmente imagine ser o rei da justiça, o bastião da moralidade.

Ultimamente tem sido impossível acompanhar qualquer programa esportivo – até porque praticamente não tem esporte ao vivo na TV, mas nesta segunda (8) dei uma chance e suportei algumas horas de “Bem, Amigos” para ver o presidente do Flamengo.

Foi ultrajante. Landim foi constrangido de todos os lados. A galerinha prafrentex, que se acha especialista em saúde, economia, política (e futebol, claro) seguiu com seu discursinho raso e presunçoso mesmo na frente do representante do clube.

Leia também: Não precisava entrar no holofote assim

Mas já era esperado. A turminha, movida por pautas ideológicas, vem seguidamente atacando o clube seja pelo motivo que for. O Flamengo não pode treinar com todas as condições de segurança, mas aglomerações pela causa que militam estão permitidas.

Segunda foi a gota d’água. Querem que o Flamengo cuide da saúde, educação, segurança pública, infraestrutura… Ah se tivessem a mesma disposição para cobrar os clubes que operam há anos no vermelho, devem meses de salários e mesmo assim buscam reforços com a cara mais lavada do mundo!

Em 2018 eu não apoiei o Landim, mas graças a Deus ele ganhou. Landim é o Harvey Specter do clube. Ele caga para a opinião pública e faz exatamente o que se espera de quem foi eleito: ganhar e defender a “firma”, não importa a situação.

O clube até tem realizado ações de responsabilidade social, mas a imprensa parece não importar muito. Se não seguir a agenda dos jornalistas, nada feito. Então, com todo respeito, foda-se!

Se for para o bem do clube, quero ver o Landim almoçando com o Bolsonaro e jantando com o Xi Jinping. Se precisar lanchar com o Rodrigo “Botafogo” Maia, que assim o faça.

Eu quero o Flamengo vencedor, sem misericórdia de rivais e pensando apenas em seus interesses. Enquanto Landim agir assim terá meu apoio. A imprensa que se dane. Ela precisa muito mais do Flamengo do que o contrário.

Ajude a divulgação rubro-negra de qualidade: Seja apoiador do MRN e participe do nosso grupo de Whatsapp.

Não sou a favor da volta do Campeonato Carioca porque, para início de conversa, não sou a favor do Campeonato Carioca, mas o futebol eventualmente tem que continuar. Temos o melhor técnico, o melhor elenco, as finanças mais equilibradas e a melhor estrutura para proteger nossos atletas.

Se os outros não têm o azar é deles. Os rivais que parem de gastar com uma folha que não podem arcar e se virem. 1987 nos ensinou que a união e o bem comum duram até a página 3.

Que Landim siga sendo implacável. Prefiro um presidente impiedoso que empilhe títulos do que um benevolente que não ganhe nada além de palmas da imprensa.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Reprodução / SporTV

Não deixe de ler também

Compartilhar: