Lucas Tinôco, do MRN Informação

O “Maestro” Júnior, ex-jogador e ídolo do Flamengo, se pronunciou pela primeira vez sobre a tragédia no Ninho do Urubu, que completou 1 ano no último dia 8, durante participação no programa “Redação SporTV” desta segunda (10).

O agora comentarista do Grupo Globo se mostrou indignado com a demora da atual diretoria em selar acordos com as famílias atingidas pelo incêndio no CT que vitimou 10 jovens atletas das categorias de base do clube:

“Eu acho um absurdo que até hoje isso não tenha sido resolvido. É muita falta de sensibilidade. E vou falar uma coisa: isso não é a cara dos grandes dirigentes do Flamengo. Os grandes dirigentes do Flamengo sempre tiveram um lado humano muito grande. Eu vi e presenciei durante toda minha carreira, que foi de 1973 a 1993”, afirmou.

Além das críticas acerca da demora em conseguir acordos, Júnior questionou a forma como o Flamengo tem negociado. Segundo ele, parece uma “grande negociação” mas não existe valor para a perda de uma vida:

“Quando você vê as grandes contratações que foram feitas, o Flamengo está lidando com o problema de uma forma que parece uma grande negociação. E não é uma grande negociação, não existe valor. O processo natural é o quê? Os filhos enterrarem os pais. Os pais enterrarem os filhos é uma coisa que você não pode desejar nem para o seu pior inimigo. Muitos desses garotos eram também uma forma que as famílias tinham para poder ter uma vida melhor, de dar uma condição melhor para todo mundo”, disse.

No dia em que a tragédia completou 1 ano, aconteceu uma nova polêmica. Alguns familiares foram barrados de entrar no Ninho do Urubu para prestarem homenagens aos jovens, o que gerou resposta de Jorge Jesus ao fim da partida. O treinador português não falou exatamente sobre assunto mas pediu para não usarem a tragédia como “arma política”.

*Créditos da imagem destacada no site e redes sociais: Reprodução / Redação SporTV