Compartilhar:

Há muito a ser dito…Como normalmente acontece nessas goleadas, há dois jogos dentro de um. Duas derrotas em uma

Blog do Téo | Téo Benjamin – Twitter: @teofb

Um show de horrores. Deu tudo errado em para o Flamengo em Quito. O resultado assusta, mas o desempenho é o mais importante e, infelizmente, talvez assuste ainda mais.

O ótimo Del Valle se preparou para uma partida histórica e conseguiu seu objetivo. Há muito a ser dito… Como normalmente acontece nessas goleadas, há dois jogos dentro de um. Duas derrotas em uma. Até o segundo gol, foi uma derrota futebolística. Depois do segundo gol, veio a derrota anímica: a vaca foi pro brejo e o time simplesmente desligou.

A segunda normalmente ganha mais destaque, até pelas circunstâncias e pelo placar final, mas a primeira é mais importante.

Quem vê os melhores momentos pode até achar que o IDV achou dois gols soltos e matou o jogo. Não é verdade. O Fla foi superado desde o primeiro minuto. A grande questão tática que Domenec precisaria resolver era em relação à saída de bola do Independiente Del Valle. Às vezes, o primeiro passe é o mais importante: quando a bola sai limpa lá de trás, desorganiza o adversário e chega limpa na frente. 

Aí surge um dilema: na altitude, contra um adversário forte e bem preparado, valeria mais a pena usar uma marcação-pressão para tentar quebrar esse primeiro passe ou recuar para defender as zonas mais perigosas do campo? Ainda com Jorge Jesus, o Flamengo sofreu com esse dilema na Recopa. Sem Gabigol, suspenso, JJ tentou neutralizar a saída com BH, Gerson e Diego marcando forte e em cima. Deu certo por 20 minutos, mas depois o time cansou e o jogo foi bastante complicado. 

Veja também: Goleada para Del Valle incendeia ambiente político do Flamengo e abre crise

Domenec também optou por Diego ao lado de Everton Ribeiro, Arrascaeta, Gerson e Arão no meio. Mas, diferente do 4-2-3-1 usado nos últimos jogos, o time voltou ao 4-3-3 com um volante mais recuado e dois homens à sua frente.

Assim, espelhou a formação do Independiente Del Valle, que também vinha no seu 4-3-3 mais tradicional, com Pellerano, o capitão de 38 anos, descendo entre os zagueiros e organizando o time desde lá de trás.

Para neutralizar a saída de bola, então, Domenec defendia em 4-1-4-1 e usava Gabigol colado em Pellerano, Arrascaeta e Everton nos laterais, Arão cobrindo uma área no meio-campo e deixava uma função dupla para Diego e Gerson: pressionar o zagueiro e cobrir o meia.

Com isso, quando a bola chegava a Schuncke, o zagueiro pela direita, Gerson saía para dar combate. Quando passava a Segovia, Diego saía. E assim os dois iam revezando na pressão, indo e voltando como um iô-iô, cumprindo duas funções em uma só. 

O problema óbvio dessa escolha tática é que, durante um curto tempo, abre-se uma janela de oportunidade boa demais para o adversário: o zagueiro livre com a bola e dois-contra-um entre as linhas.

E com o goleiro e um zagueiro livres, havia SEMPRE tinha uma opção fácil de passe.

Veja este lance: Diego sobe na pressão, a bola volta para o goleiro, ele recua. Percebe um adversário livre as linhas, avisa Gerson, que recua… Mas os dois continuam no meio do caminho e o problema persiste. Tem alguém livre no meio.

Isso aconteceu desde o primeiro minuto. O espaço estava lá. O Independiente Del Valle, no entanto, preferia forçar o jogo pelas pontas e pegava seus jogadores de lado marcados ou errava os lançamentos.

A escolha tática do Flamengo ainda tinha outro problema: piorava com o tempo. Na altitude, conforme Diego e Gerson cansavam, essa pressão ficava ainda mais lenta e descoordenada, acaba ficando frouxa e dando mais espaço por dentro. Aos 11 minutos, o IDV encontrou o espaço por dentro, entre as linhas de marcação, pela primeira vez. A senha do jogo estava dada.

Isso aconteceu desde o primeiro minuto. O espaço estava lá. O Independiente Del Valle, no entanto, preferia forçar o jogo pelas pontas e pegava seus jogadores de lado marcados ou errava os lançamentos.

Veja também: Em um mês de Flamengo, Dome iguala marca de Jesus: quatro derrotas

Mas, nesse caso, dá pra afirmar categoricamente: a maneira como o Flamengo tentou marcar a saída do Del Valle foi um erro grave. O Flamengo ficou com o pior dos dois mundos: não pressionava os zagueiros de maneira efetiva, filtrando o primeiro passe, e ainda deixava muito espaço nas costas do meio-campo.

Se o IDV conseguisse aproveitar aquele espaço, já era. Enquanto isso, o IDV dificultava a saída de bola do Fla. Quando conseguia sair por baixo, o time até ia bem, mas o tempo foi passando, o ar foi faltando e todo mundo começou a simplesmente errar. O Flamengo não saía.

Com isso, o jogo assumiu um ciclo que todo rubro-negro conhece, mas do lado do avesso. De certa forma, o Flamengo acabou provando do próprio veneno. O jogo tinha uma “seta”, e ela apontava para o gol de César.

Aos poucos, o IDV foi deixando de buscar os pontas e passou a explorar seguidamente o espaço pelo meio, entre as linhas do Flamengo. O espaço que sempre esteve lá.

Até o finalzinho do primeiro tempo, o IDV não ameaçou de maneira contundente. Deu apenas dois chutes perigosos de fora da área. Mas o caminho estava aberto. O Flamengo já era amplamente dominado. Com o cansaço da altitude, ia se tornando presa fácil.

Até que um lance junta tudo isso: dificuldade para sair, chutão, recomposição ruim, espaço entre as linhas, jogadores acelerando na hora certa e, pela primeira vez, finalização dentro da área. Receita completa. Gol.

Domenec disse na entrevista que o primeiro tempo foi equilibrado. É natural que ele queira “defender” o grupo e o trabalho, mas não houve nenhum equilíbrio ali. Antes do gol, o Flamengo passava aperto. Depois, deixou de existir um Flamengo em campo.

No segundo tempo, Domenec mudou a maneira de marcar a saída de bola. Passou a defender em 4-4-2, com Gabigol e Arrascaeta atrapalhando os três iniciadores das jogadas. Aparentemente piorou, mas é até difícil fazer um julgamento porque logo aos 3 minutos saiu o segundo gol. 

Um gol bonito, mas completamente bizarro. Depois de Preciado fatiar o meio-campo, eram 5-contra-5, mas o IDV tinha todo tipo de superioridade possível. O Flamengo nem conseguiu pressionar a bola, tentar cobrir o chute. Nada…

E aí acabou o primeiro jogo dentro do jogo. Iniciou-se o segundo: um Flamengo já derrotado, fazendo força para se manter de pé.

Se existisse a opção “jogar a toalha” no futebol, ela seria usada ali.

Aliás, quem me dera… 

Os artigos assinadas não refletem necessariamente a opinião do MRN, sendo de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível falar sobre o Flamengo com qualidade. Se você também acredita, clique aqui e torne-se apoiador do MRN.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / Flamengo

Compartilhar: