Téo Benjamin: o pênalti do Diego, tomada de decisão e a teoria dos jogos

Téo Ferraz Benjamin
Escrevo as análises táticas do MRN porque futebol se estuda sim! De vez em quando peço licença para escrever sobre outros assuntos também.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Queria falar um pouquinho sobre o pênalti do Diego, tomada de decisão, estudo e teoria dos jogos. Não quero defender o Diego. Acho que ele errou em muitos níveis. Só quero tentar entender os motivos que levaram ao erro. O post é longo, mas cheio de histórias.

Toda disputa de pênaltis é basicamente uma disputa emocional. Todo jogador profissional consegue chutar a bola de forma indefensável a 11 metros do gol. A questão é que a perna pesa, a visão borra e o gol fica pequeno. Alguns sentem mais que outros.

Ouça o podcast Conexão MRN: Conexão MRN #02 – Análise e perspectivas para o Flamengo de Jorge Jesus

A prova disso é a minha estatística preferida sobre pênaltis: em média, 76% das cobranças em disputas de pênalti são convertidas, mas quando a situação é “se fizer, ganha”, o aproveitamento sobe para 92% e quando é “se não fizer, perde”, cai para 60%.

Isso tem a ver com um conceito chamado “aversão à perda”, uma das ideias que levou o psicólogo israelense Daniel Kahneman a receber o prêmio Nobel de Economia em 2002.

No futebol atual, todo mundo precisa fazer o dever de casa. Goleiros estudam batedores e criam estratégias de todos os tipos. Uma das histórias mais famosas é a do goleiro Lehman nas quartas de final da Copa de 2006, entre Alemanha e Argentina.

Dos sete nomes que Lehman havia anotado, apenas dois bateram – os dois como ele previu – e ele defendeu a cobrança de Ayala.

Reprodução / Autor desconhecido

Outra história interessante aconteceu na final da Champions League em 2008, entre Chelsea e Manchester United. O treinador do Chelsea, Avram Grant, conheceu o economista basco Ignacio Palacios-Huerta que estudava cobranças de pênaltis. Juntos, os dois desenvolveram uma estratégia.

Eles viram que Edwin van der Sar escolhia o canto do chute cruzado. Quando o cobrador era destro, ele saltava para a direita e vice-versa. O plano era que todos os jogadores batessem no lado oposto, no chute aberto: destros no canto esquerdo do gol e canhotos no canto direito.

Os três primeiros destros marcaram. Cristiano Ronaldo perdeu para o Man U e o Chelsea estava em vantagem. Até que Ashley Cole mandou um foda-se e decidiu bater do seu jeito preferido: chute cruzado. Van der Sar acertou o canto e quase defendeu, mas a bola entrou.

Na última cobrança, Terry chutou como planejado, deslocou o goleiro, mas escorregou e a bola saiu. Jogo empatado. Cobranças alternadas. Kalou, destro, bateu como combinado e deslocou o goleiro.

Leia: Pep Guardiola: A evolução

Veio Anelka, destro, e Van der Sar teve uma epifania: todos haviam chutado no seu canto esquerdo. Ele então para na linha e começa a apontar para a esquerda. Ele entra na cabeça de Anelka, que não sabe o que fazer.

O francês muda, chuta cruzado, e o goleiro pega. Man United campeão.

Reprodução

Agora historinha do Flamengo. Bruno era um exímio pegador de pênaltis. Até 2010, ele defendeu 17 e outros 5 caras chutaram para fora. Na semi-final da Taça Guanabara daquele ano, defendeu duas cobranças de Dodô. No dia seguinte O Globo faz uma matéria sobre sua estratégia.

Na sequência, o Globoesporte.com faz um vídeo com todas as cobranças defendidas por Bruno e logo dias antes da final da Taça Rio sai um infográfico n’O Globo indicando todos os comportamentos do goleiro rubro-negro.

Uma coisa ficava clara nesses estudos. Bruno era excelente em tudo, mas tinha um único padrão: NUNCA ficava parado no meio. Vem a final contra o Botafogo e Marcelo de Lima Henrique marca duas penalidades para eles durante o jogo.

Na primeira Herrera dá uma porrada no meio do gol. O goleiro cai antes e nem vê a bola. Na segunda, o Botafogo muda de batedor. Loco Abreu dá a famosa cavadinha e marca. Não foi coincidência. Até eu sabia e gritava desesperado na arquibancada para que Bruno ficasse parado.

Por falar em Loco Abreu e cavadinha, uma última história, sobre a disputa contra Gana na Copa de 2010. Loco estava tão nervoso que não viu a primeira cobrança. Ele se vira e pergunta para Fucile: “Fuci, o goleiro pulou antes?”. “Sim, Loco”, ouviu a resposta.

Na segunda cobrança, a mesma coisa. Loco não consegue ver nada e confirma com o companheiro. Na terceira, ele puxa Fucile, que puto da vida responde: “Sim, ele está caindo antes! Dá logo a sua cavadinha e para de me encher o saco!” Dito e feito.

Há um levantamento que diz o seguinte: 15% dos pênaltis são batidos no meio do gol, mas em apenas 2% das cobranças os goleiros ficam parados. A questão aí é o “viés da ação”. Goleiros preferem tomar o gol fazendo algo do que tomar o mesmo gol sem fazer nada.

Isso significa que a cobrança no meio é, em geral, uma cobrança segura. O problema é que os batedores também preferem perder no canto “batendo bem”, do que correr o risco de bater no meio e perder, o que configura uma batida ridícula.

Diego sentiu uma pressão enorme em 2017 contra o Vitória. O pênalti aos 50 do segundo tempo classificaria o Flamengo para a Libertadores do ano seguinte. Ele decidiu bater no meio, de forma segura, e fez. Agora, contra o CAP, fez a mesma escolha. Não é coincidência.

Mas há dois erros importantes na escolha de Diego. Antes de mais nada, aquela era a primeira cobrança. É importante entender o comportamento do goleiro antes de arriscar. O primeiro batedor não tem informação. Aprendemos isso com Loco Abreu e Van Der Saar.

O segundo ponto é mais sutil. Na hora de autorizar a cobrança de Diego, o árbitro percebeu que havia um fotógrafo na bandeira de escanteio, lugar proibido. Ele então paralisou o lance e ficou dois minutos tentando tirar o fotógrafo dali.

Dois longos minutos em que Diego ficou olhando a bola e o goleiro, o goleiro e a bola. Acontece que pênalti é psicológico. Cada segundo que passa o gol fica menor, o goleiro consegue ler melhor o atacante, o batedor duvida de si mesmo, pensa em mudar de ideia.

Diego deveria ter colocado a bola debaixo do braço e virado de costas para o gol. Só deveria ajeitá-la de novo quando o juiz autorizasse. Deveria tirar a pressão de si e jogar para Santos, parado sobre a linha.

Mas o 10 do Flamengo não fez nada disso. Decidiu bater no meio sem saber como o goleiro se comportaria, depois de uma longuíssima encarada entre os dois. Perdeu e ficou marcado. Pênalti não é loteria, é detalhe.

Leia no Blog do Téo:
Como os clubes de Jorge Jesus atuam no mercado de transferências de jogadores
Palmeiras 4×0 Santos – e onde está o Flamengo?
Grêmio 1×1 Flamengo – Futebol e justiça
Flamengo 0x1 Fluminense – O poder de uma ideia
Quantos volantes? Não importa

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs