Compartilhar:

Dome depende da entrega e da convicção de que só o trabalho e a repetição dos conceitos farão alcançar o sucesso

Blog Ficou Marcado na História | Allan Titonelli – Twitter: @AllanTitonelli

Albert Einstein dizia que “Viver é como andar de bicicleta: É preciso estar em constante movimento para manter o equilíbrio.” Assim também acontece no futebol. Para construir um bom time precisa-se de treinamento constante e passar por todos os tipos de desafios para se manter coeso. É óbvio que o Flamengo de Dome ainda não superou essas barreiras, ante o pouco tempo de treinos, em face do calendário sufocante provocado pela pandemia.

E tem outro fator que impacta essa dinâmica, a necessidade de promover um rodízio de jogadores, em razão de uma sequência de jogos extenuante, objetivando evitar lesões musculares. Logo, a derrota para o Ceará, após quatro vitórias consecutivas, traz novamente uma pressão sobre o técnico Catalão.

Do mesmo autor: O Fla de Dome no divã de um bar

Afinal, o que falta para o Flamengo manter um padrão durante toda uma partida? Por que o time se desorganiza completamente após sair atrás no placar? Como aconteceu nos jogos com o Atlético Mineiro, Atlético Goianiense, Grêmio, Botafogo e Ceará. Parece que o time perde a concentração e organização e ataca a lá “bumba meu boi”, o que até permitiu empatar com o Grêmio e o Botafogo, “na bacia das almas”, mas sem qualquer consistência. O triângulo invertido de Dome nem sempre vai ser a melhor solução.

Como tudo na vida, superar uma dificuldade exige foco e “poder mental”, conforme já abordado nos textos “O Flamengo precisa de um novo coach mental” e “O desafio de Torrent”. E vamos precisar dessas qualidades para enfrentar os dois próximos desafios na Libertadores. Primeiro o Independiente Del Valle na altitude de Quito, depois o Barcelona em Guayaquil, onde precisaremos, mais do que nunca, de paciência, atenção e sobretudo foco.

Com todos os jogadores à disposição o Flamengo de Dome tem tudo para superar esse desafio, mas vai depender da entrega e da convicção de que só o trabalho e a repetição dos conceitos farão alcançar o sucesso. Como diria Michael Jordan: “Eu errei mais de 9.000 arremessos na minha carreira. Perdi quase 300 jogos. Em 26 oportunidades, confiaram em mim para fazer o arremesso da vitória e eu errei. Eu falhei muitas e muitas vezes na minha vida. E é por isso que tenho sucesso”.

Os artigos assinadas não refletem necessariamente a opinião do MRN, sendo de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Ajude a divulgação rubro-negra de qualidade: Seja apoiador do MRN e participe do nosso grupo de Whatsapp.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / Flamengo

Compartilhar: