Compartilhar:

De Gustavo de Carvalho e Píndaro em 1912 ao de Gabigol e Everton Ribeiro de 2019: Almanaque do Flamengo terá ficha de todos os jogos

Blog Fla Pra Valer | Mauricio Neves – Twitter: @flapravaler

Eu me apaixonei pela história do CRF quando tinha de 5 para 6 anos. Foi logo depois do gol do Rondinelli. A PLACAR publicou uma capa com Rondi e Valido juntos e meu pai leu para mim em voz alta a reportagem que unia 78 a 44. Eu mergulhei na história do Flamengo e nunca mais saí. 

Passei a colecionar tudo o que eu tinha acesso que se referia à história do Fla, e não era muito. A PLACAR, os jornais do Rio que chegavam com 2 dias de atraso no interior de SC e o que eu ouvia das rádios e anotava precariamente. E, em 1979, os sensacionais CARDS PING PONG.

Em 80, foi lançada a “História do Futebol Brasileiro – Vol. 1 – Flamengo“, recortes de jornais de 1895 a 1980. Foi quando olhei a história pela fresta. Píndaro. Faustino Esposel. Biguá. Índio. Benítez. Dida. Conheci nesse livro, que foi relançado em 81 após o Mundial.

Veja também: Outro Patamar: Análises sobre o Flamengo de 2019 e as lições para o futebol brasileiro

Tenham em conta que eu era criança, longe do Rio, num mundo sem Internet. Quando tive idade para viajar, cada vez que ia ao Rio para ver jogos, afundava na Biblioteca Nacional. Milhares de horas lendo e fazendo anotações, preenchendo as lacunas e entendo o tamanho do Flamengo. Foi quando achei essa história sobre Newton Canegal, que eu já conhecia da Placar em uma matéria com Rondinelli (sempre ele), como se fosse um ancestral rubro-negro passando adiante os valores, uma alma antiga cheia de histórias e História. Me disperso, perdão.

Nos primórdios da Internet o conteúdo rubro-negro era pouco em quantidade e confiabilidade. Em 2000 conheci Eduardo Vinicius, que tem um MUSEU do Flamengo em sua casa na Tijuca. Eduardo, para mim, o maior rubro-negro vivo. Na foto, ele está com Celso Garcia. Se você não conhece o Eduardo, aqui tem um pouco sobre ele.

E foi ele, Eduardo, que me disse pouco depois: “O Assaf e o Clóvis Martins vão lançar um almanaque com as fichas de todos os jogos do Flamengo”. Eu conhecia a dupla de outros livros. Quando finalmente tive acesso ao livro, em Congonhas, voltando de um jogo do Flamengo em Taguatinga, quase perdi o voo. Estava hipnotizado. Ali estavam todos os jogos do Flamengo de 1912 à final da Copa dos Campeões de 2001.

Leia do mesmo autor: De Flamengo em Flamengo, 108 anos

Tenho um exemplar que coloquei espiral e mais SETE.  Finalmente, o Almanaque será relançado. Ficha de todos os jogos, do Flamengo de Gustavo de Carvalho e Píndaro em 1912 ao de Gabigol e Everton Ribeiro de 2019. Fichas dos jogadores também. Será produto licenciado do clube, pela Livros de Futebol, resistente guardiã da história. 

A letra é crowdfunding

A editora precisa de 300 colaborações de 100 reais. Você receberá DOIS exemplares impressos, seu nome numa página especial de agradecimento por sua doação, acesso irrestrito ao e-book na versão Kindle®, que será lançado seis meses após o livro impresso.  

Além disso, garante acesso gratuito por três meses ao site do Almanaque do Flamengo, quando ele estiver disponibilizado, na versão “Sócio”, em que você terá acesso irrestrito ao banco de dados dos jogos, podendo pesquisar o que quiser e como quiser.  

Para contribuir com a impressão do Almanaque do Flamengo, basta clicar AQUI. Precisamos conhecer a nossa história para impedir que tentem deturpá-la. Apoie o Almanaque, é um dos atos mais rubro-negros ao seu alcance. 

Os artigos assinadas não refletem necessariamente a opinião do MRN, sendo de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível falar sobre o Flamengo com qualidade. Se você também acredita, clique aqui e torne-se apoiador do MRN.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / Flamengo

Compartilhar: