Compartilhar:

O maior ídolo rubro-negro alegou desconforto muscular para entrar em campo por apenas cinco minutos contra o seu clube do coração

Por Mauricio Neves – Twitter: @flapravaler

Há um jogo perdido na história do CRF, como aquele assunto de família mal resolvido, sobre o qual se evita falar na esperança de que morra de inanição. Mas a dor faz parte de quem somos, não? Vem no fio até 83. Resgato o jogo perdido: Zico contra o Flamengo. Contra Ele próprio. 

Acesse agora useartillero.com e concorra a uma camisa irada na promoção de lançamento do site!

O primeiro jogo pós venda de Zico foi um triste amistoso contra o Uberlândia, no Parque do Sabiá, em 19/6/83. Houve uma falta na entrada da área, e no rádio disseram: “Já dói a saudade do Zico”. Junior mostrou que havia vida: bateu na gaveta e fez 1×0. Mas perdemos de virada… 

No dia seguinte, a delegação se apresentou no Galeão. Jogadores: Raul, Cantarelli, Leandro, Carlos Alberto, Marinho, Figueiredo, Mozer, Junior, Vitor, Andrade, Ademar, Élder, Adílio, Júlio César, Robertinho, Peu, Vinícius e Baltazar. 18 jogadores e uma ausência imensa: Zico. 

Zico já estava em Udine. dois dias depois, pela cota de 50 mil dólares, o Fla enfrentaria a Udinese e Ele entraria em campo por 5 minutos, alegando que só conseguiria isso porque estava com desconforto muscular. Não aliviava a dor que sentíamos: sem Zico e, meu Deus, CONTRA Zico. 

Leia mais no blog Fla Pra Valer: É preciso ver o Flamengo jogar

Na fila do embarque, perguntado se estava pronto para enfrentar Zico, Mozer nem levantou a cabeça para responder: “Nunca vou estar pronto para isso.” Foi triste o voo de 11 horas para Milão, foi silenciosa a viagem de ônibus de 6 horas para Udine pela Autostrada A4. 

De Udine o Flamengo seguiria para o Mundialito de Milão, que seria o marco da vida nova sem seu 10 maior. O jogo de Udine era um desconforto deselegante, a crueldade desnecessária. Só um repórter acompanhou o time: Fernando Luís, da Tupi, convidado pelo clube como era praxe. 

Para saber do resultado de Udine, ouvi o amistoso que acontecia ao mesmo tempo, em homenagem aos 25 anos do 1º mundial do Brasil. Sem linha, não houve nenhuma intervenção de Fernando Luís. A gente não sabia o que ocorria na Itália enquanto ouvia os 6 gols de Suécia 3×3 Brasil. 

22 de junho de 1983, 18h. As notícias começaram a chegar em pílulas. Em Údine, também havia saído 6 gols: 4 da Udinese, 2 do Flamengo. Primeiro e único alívio: nenhum deles de Zico. Nunca vi imagens do jogo na TV brasileira. A reconstituição a seguir fiz com o passar dos anos. 

Para a Udinese, era a estreia de Zico e o adeus do iugoslavo (croata) Ivica Šurjak, ídolo recente do clube, grandalhão, canhoto, camisa 10 e cobrador de faltas, negociado com o Real Zaragoza para fazer caixa e abrir uma vaga de estrangeiro para Zico, que começaria no banco.

O Flamengo começou atordoado. A bola queimava os pés. Aos 6, Šurjak recebeu de Causio, passou por Marinho e Leandro e soltou a canhota: 1×0. A resposta imediata teve uma dose de justiça poética: Baltazar roubou de Edinho e tocou para Adílio fazer 1×1. Adílio, camisa… DEZ.

A Udinese seguiu dominando. Perdeu 4 chances e aos 27 Edinho tocou para Massimo Mauro fazer 2×1. Zico sofria com o Flamengo desnorteado e sabia que entraria em instantes em campo… pelo adversário. Aos 35, Ele levantou para aquecer. Os fotógrafos viraram de costas para o jogo.

Da beira do campo Zico viu Šurjak driblar três e chutar da entrada da área. A bola saiu lambendo o travessão de Raul. O jogo parou. Šurjak deu uma volta se despedindo dos torcedores. Zico começou a tirar o agasalho. A cara fechada denunciava o absurdo: Zico contra ele mesmo.

Šurjak se aproxima de Zico. O estádio aplaude. Os jogadores do Flamengo olham incrédulos. Zico abraça Šurjak e Causio vem na corrida para entregar-lhe a faixa de capitão. O iugoslavo sai e o Stadio Friuli vem abaixo. Está consumado: Zico, Zicão, Zicaço, camisa 10… da Udinese.

E Ele parece se esconder da bola, mas ela sempre o encontra. Domina pela primeira vez. O estádio urra. Faz o lançamento longo, a bola viaja, viaja e cai mansamente… no peito de Junior. O primeiro passe de Zico na Udinese foi para o velho companheiro de quarto e conquistas. 

Quando mostrei esse frame ao Junior, Zico em primeiro plano e ele em segundo, Junior perguntou: – É montagem? Ante a reposta negativa, disse: – Rapaz, apaguei da memória que tinha jogado contra o Galo, que loucura! Sim, uma loucura. Junior chegou a postar a imagem no Instagram.

Zico tentou mais uma jogada, sem sucesso. Foram seus dois únicos toques na bola, mas aos 43 ele viu Pietro Paolo Virdis driblar Leandro e marcar 3×1. Não comemorou. Aos 45 minutos o juiz botou fim no primeiro tempo e também à participação de Zico na partida.

No intervalo, ainda dentro de campo, os fotógrafos promoveram o encontro de Zico e Junior, então na mira da Lazio. Para os giornali, pauta cotidiana que se perde no tempo. Para a história do Flamengo, na feição dos dois ídolos o retrato mais bem acabado daquele dia triste.

No segundo tempo, já sem Zico do outro lado, o Flamengo criou as melhores chances, mas viu Edinho bater uma falta no ângulo e fazer 4×1. Marinho diminuiu com um golaço, chutando da intermediária para encobrir o goleiro Fausto Borin. O jogo que não devia ter existido acabou 4×2. 

Mozer disse como se sentiu quando Zico entrou em campo: “Foi como se um dia de sol, de repente, virasse noite”. O Globo registrou o choro de Moraes, presente em Udine: “Tive até uma tremedeira quando ele entrou em campo. Não me conformo de vê-lo sem a camisa vermelha e preta”. 

Zico falou: “O pior foi a espera pelos 5 minutos, sentado no banco do meu novo clube, aguardando a hora de fazer uma coisa que jamais imaginei: jogar contra a camisa que foi minha metade da vida. Uma sensação muito desagradável, porque eu via que o Flamengo não estava bem.” 

Só vi os gols muitos anos depois, em uma matéria da RAI sobre o boom de contratações na Itália em 1983. Foi um dia tão pesado que Junior o apagou da memória. Na época, criança, eu demorei muito para dormir. Sabia que o mundo tinha mudado e não era para melhor. 

Ao lembrar daquele dia, lembro de Drummond: “Vamos, não chores. A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua.” E assim foi. O Flamengo sempre continua. 

Não deixe de ler também

Compartilhar: