31.7 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, dezembro 4, 2020

O foco

Pedro Henrique Neschling
Pedro Henrique Neschling nasceu no Rio de Janeiro, em 1982, já com uma camisa do Flamengo pendurada na porta do quarto na maternidade. Desde que estreou profissionalmente em 2001, alterna-se com sucesso nas funções de ator, diretor, roteirista e dramaturgo em peças, filmes, novelas e seriados. É autor do romance “Gigantes” (Editora Paralela/Companhia das Letras - 2015).

 

Tenho em mim todas as dúvidas do mundo, mas uma certeza absoluta: a Copa Sul-Americana deveria ser a nossa prioridade. Já pensava isso mesmo antes de mais uma semana previsivelmente catastrófica que soterrou qualquer esperança maluca de sobrevida no Campeonato Brasileiro que o fato de sermos torcedores, e com isso acreditarmos em arrancadas épicas até quando nosso time sofre para bater o lanterna com um jogador a menos, poderia nos dar.

Sim, pessoal, (infelizmente) estou afirmando com todas as letras: a real é que o Brasileirão desse ano para nós se resume a garantir lugar no G6 e, se muito, tentar recuperar uma vaga no G4, algo que com a bola que estamos jogando hoje já estaria de bom tamanho.
Mas 2017 não acabou. Nossa Síndrome de Estocolmo com o Flamengo nos mantém com uma esperança ignóbil e incontrolável de ganhar os torneios em que ainda estamos de fato vivos. No caso, as Copas do Brasil e Sul-Americana.

Claro que está mais “fácil” ganhar a Copa do Brasil. Já estamos na semi-final e vamos encarar o Botafogo, e, em se tratando de encarar o Botafogo, é natural que tenhamos uma irresistível certeza que passaremos para a final. Que provavelmente será contra o Grêmio já que o Cruzeiro, adversário deles, é treinado pelo Mano Menezes e, bom, o Mano Menezes tem mais é que… Perdão, me descontrolei.

Mesmo assim, insisto, nossa prioridade e foco absolutos deveriam ser a Sul-Americana, onde na próxima quarta-feira nos classificaremos para as oitavas despachando, se não quebrarmos o recorde mundial de vacilagem, o tão simpático quanto nanico Palestino, nessa doce oportunidade que a vida está nos dando de consertar a cagada colossal que fizemos no ano passado numa trágica noite em Cariacica.

O motivo da minha predileção por essa competição, a “Série B” das copas continentais, é muito simples. Entra ano e sai ano e nós temos nos mantido obcecados com a Libertadores, onde invariavelmente passamos vergonha. Admitir isso é duro, dói, mas é a mais pura verdade e um primeiro passo para mudar. Nossa última campanha decente por lá foi, vejamos… Humm… Não lembro.

O Flamengo tem por obrigação e DNA ser protagonista. Carioca e brasileiro. Continental e mundial. Intergaláctico. Somos mais de 30 milhões de torcedores. Isso é mais que dois terços da população da Espanha, então, porra, Barcelona e Real Madrid que nos respeitem.

O fundamental processo de recuperação estrutural que o clube vem passando nos últimos anos tem que ter isso como Norte e, assim sendo, a Sul-Americana nos serve brilhantemente como estágio para voltarmos a encarar compromissos internacionais decisivos com responsabilidade e competência que não demonstramos nas últimas vezes que tivemos oportunidade.

Precisamos encarar a Sul-Americana não como um campeonato de consolo que entrou no nosso calendário depois de mais uma decepção na Libertadores desse ano, mas como uma chance de avisar para a América do Sul: nos respeitem, estamos voltando.

Não faz sentido chegar na Libertadores 2018 — se tudo der certo e o Zé Ricardo Crew não nos fizer enfartar — sem a confiança que vai ser diferente. Que vamos conseguir brigar para ganhar de verdade.
Acreditem em mim: vencer a Sul-Americana é fundamental para enterrarmos esse Complexo de Guanabaristas que insiste em tentar se apossar de nós.

***

O problema de querer vencer copas, e isso serve tanto para a do Brasil quanto para a Sul-Americana, é que time que vence copa é time que se supera. Que tem brio, sangue nos olhos e coração na ponta da chuteira, algo que deveria ser natural para qualquer equipe vestindo o manto sagrado, mas… Zé Ricardo vem se revelando um tremendo especialista em acabar com o pouco dessas características que ainda sobrou no nosso elenco.

Foto: Conmebol / Divulgação

Resta rezar para que a Magia Flamenga, aquela que transforma sapos em príncipes, garotos em guerreiros, beija-flores em urubus, faça nosso esquadrão despertar do coma.

Será imenso o desafio.

Ainda mais sem o Maracanã como catalizador para assombrar os outros, afinal não somos um time que tem torcida, mas uma torcida que tem um time.

O Flamengo precisa voltar a ser Flamengo. Apesar do Zé Ricardo no comando.

 


Pedro Henrique Neschling nasceu no Rio de Janeiro, em 1982, já com uma camisa do Flamengo pendurada na porta do quarto na maternidade. Desde que estreou profissionalmente em 2001, alterna-se com sucesso nas funções de ator, diretor, roteirista e dramaturgo em peças, filmes, novelas e seriados. É autor do romance “Gigantes” (Editora Paralela/Companhia das Letras – 2015).

 


O Mundo Rubro Negro precisa do seu apoio. Contribua mensalmente com nosso trabalho. Clique aqui e conheça nossa campanha crowdfunding: bit.ly/ApoiadorMRN


Este texto faz parte da plataforma de opinião MRN Blogs, portanto o conteúdo acima é de responsabilidade expressa de seu autor, assim como o uso de fontes e imagens de terceiros. O Mundo Rubro Negro respeita todas as opiniões contrárias. Email: [email protected]

Leia também

Notícias do Flamengo

SBT liga sinal de alerta após queda do Flamengo na Libertadores

Eliminação rubro-negra preocupa questão financeira do SBT. Todos os detalhes você encontra na matéria do site Mundo Rubro Negro

Aos 45 anos, ex-Flamengo volta a jogar profissionalmente

Marcelinho Paraíba voltou a atuar profissionalmente após sete meses de aposentadoria Na partida entre São Paulo e Ponte Preta, pelo Campeonato Brasileiro de 1999, ele...

Bruno Henrique nega informação de jornal sobre Jesus: ”Seus mentirosos”

Atacante do Flamengo, Bruno Henrique desmentiu que existisse problemas com Jorge Jesus. Todos os detalhes na matéria do site Mundo RN

Botafogo x Flamengo: onde assistir, prováveis escalações e tudo sobre a partida

Flamengo x Coritiba jogam no Maracanã pela 22ª rodada do Brasileirão. Rogério Ceni segue com muitos desfalques.

O motivo que pode manter Diego Alves no Flamengo

Rubro-Negro tem até dia 31 de dezembro para renovar o contrato de Diego Alves. Todos os detalhes na matéria do site Mundo Rubro Negro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -

Blogs

Os problemas defensivos de mais uma eliminação rubro-negra

Erros defensivos do Flamengo se repetem sob comando de Ceni na eliminação do time da Libertadores nas oitavas de final

Bruno Henrique chega a cem jogos pelo Flamengo; confira os números

Contratado pelo Flamengo no início de 2019, Bruno Henrique atinge marca centenária; confira os números do camisa 27 no clube carioca

23 de Novembro de 2019. Lima. Peru. Um ano da Glória Eterna

O Flamengo é o que não se explica. Há um ano, a América voltava a ser pintada de vermelho e preto, em um roteiro digno de cinema

Voamos todos na parábola de Diego

Sempre temi o destino de ser um morto soprado de inveja nas bancadas da eternidade, ressentido por um auge tardio do Flamengo

23 de Novembro ficou marcado na história rubro-negra

Nem a vitória parcial do River tirou a certeza de que aquele dia seria abençoado, afinal foi no mesmo dia 23 de novembro