Compartilhar:

Um arremedo ainda que insipiente  do Flamengo de Jesus foi visto apenas no primeiro tempo contra o Atlético-MG

Blog Pedrada Rubro-Negra | Por Flávio H. Souza – Twitter: @PedradaRN

A troca de comando ainda não fez bem ao Flamengo. São poucos dias de Dome Torrent mas a confusão no time do Flamengo está instalada. O ataque previsível, Bruno Henrique e Gabigol desfizeram o casamento, cada um “posicionado” demais, e a inteligência mútua de Everton Ribeiro e Arrascaeta desfeita. Dome é partidário do famigerado 4 3 3, posicionado, e para isto a inversão alucinante de posições no ataque, com meias avançando e trocando posições com atacantes deixando a defesa adversária confusa e sem saber a quem marcar não existe mais. Junte a isto a defesa do Flamengo extremamente frágil, com contratações até aqui erradas de zagueiros, combinada com a falta de reserva do Rafinha na lateral-direita, e temos um Flamengo confuso e inoperante contra o Atlético GO.

Dome não cumpriu o combinado, ao menos o que foi dito em sua contratação. De manter o trabalho de Jorge Jesus. Pode ser que isto seja extremamente difícil de ser feito. Jorge Jesus e sua comissão técnica trabalham como música. Antecipavam movimentos do adversário e treinavam o Flamengo para atacar suas falhas, com aproximações e deslocamentos de meias, volantes, laterais e atacantes. Pode ser que a comissão técnica do Dome não tenha esta excelência técnica, ou mesmo os dados que dispõe sejam insuficientes, pois devido a pandemia não há muitos jogos a se observar dos adversários. Mas o preocupante, ao meu ver, é a tentativa do Dome de impor sua visão tática de início. 

Leia também: Bastidores de uma derrota: elenco incomodado com mais um revés e boatos externos

Um Flamengo frágil e confuso é o que vemos. Um arremedo ainda que insipiente  do Flamengo de Jesus foi visto apenas no primeiro tempo contra o Atlético MG, depois foi só ladeira abaixo. Finalizações sofríveis, erros de passe primários. Os jogadores estão literalmente perdidos. A perda de Jesus certamente os abalou. Dada a aproximação pessoal que tinham. E esta parece ter afetado mais o Gabigol.

O jogo contra o Atlético-GO foi difícil de se ver. Flamengo dominado, cercado, inseguro. Atlético-GO, muito bem organizado, teve o jogo sempre em suas mãos. No segundo tempo com a entrada do Arrascaeta, que nunca deveria ficar fora do time, o Flamengo melhorou. Começou a dominar, até sofrer o terceiro gol em um golaço a meia distância do atacante do Atlético-GO. Pouco depois Diego Alves perdeu a cabeça e agrediu o atacante adversário, sendo merecidamente expulso. Os nervos do time estão em frangalhos. 

Mas agora é hora de se recuperar. O tempo é uma máquina de moer ossos. Temos um novo técnico contratado com concepção tática diferente, mas temos talentos suficientes para atender quaisquer que sejam. Mas precisamos de reforços. Zagueiros e lateral-direito reserva. Para ontem.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível criar conteúdo de qualidade sobre o Flamengo. Se você também acredita, clique aqui e torne-se apoiador do MRN.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / Flamengo

Compartilhar: