26.6 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, novembro 30, 2020

Domènec estava perdido

Ricardo Moura
Ricardo Moura é jornalista e apaixonado pelo Flamengo. Não debate finanças e reluta em usar termos da moda, como terço final e mapa de calor. Acredita que o futebol e o Flamengo trabalham com a paixão e por isso esquece números e se apega ao lúdico do esporte.

De um 2019 mágico e um começo de 2020 promissor, o torcedor Rubro Negro passou a se questionar se o que viveu foi um sonho ou realidade

Blog Resenha Rubro Negra | Por Ricardo Moura – Twitter: @ricardomouraCRF

Algumas coisas são básicas e de conhecimento geral de quem acompanha futebol.

Um time sem confiança não anda.

Um jogador bom, em esquema ruim, vira pereba.

Um jogador ruim, em esquema bom, vira craque.

O Flamengo 2019 tinha muito disso.

Arão virou um pilar defensivo do time de Jorge Jesus. Roubava bolas, aparecia em vários lugares do campo e tinha uma entrega absurda.

Leia também: Torcida do Flamengo cria hashtag #ForaJJ no Twitter

Quem entrava em campo sabia que tinha seu papel. E ele não se resumia em ser salvador da pátria, mas sim ajudar o time a manter algo já feito.

A confiança não existia apenas pelas vitórias. Ver o trabalho e a conversa da semana darem resultado em campo, até em casos de derrotas, ajuda o elenco a entender que ao seu lado existe um líder que sabe o que faz e fala.

O Flamengo 2020, comandando até então por Domènec, não tinha nada disso.

Arão voltou a ser um jogador comum. Perdido em campo, sem saber se marca ou arma. Muitas vezes enfiado entre os zagueiros, não para iniciar a jogada, mas sim para ser mais um a protagonizar lambanças não frente da área do time.

Quem entrava, quase sempre Michael, Vitinho e Lincoln, sabem que estão com a cruz de milagreiro nas costas. A pressão se torna enorme e as coisas não fluem. Afinal, até nas vitórias, o time estava sofrendo. 

Leia também: De aposta a influenciador tático, a versatilidade de Bruno Henrique permite ao Flamengo jogar de diferentes formas

A falta de tempo para treinar existe e vai seguir. Impossível negar. Mas o cenário está apresentado para os 20 clubes que disputam a série A. O Flamengo não é o único a viver uma pandemia. 

A muleta até então apresentada, essa, da falta de tempo, também pode ser usada para confrontar o trabalho. Se não existia tempo, qual o motivo de tantas mudanças? Se não havia tempo para treinar a linha defensiva, o que levava a mudar tanto os atletas que a compõe? 

Gustavo Henrique e Léo Pereira estão longe de serem Pablo Mari. Mas o retrospecto de ambos em seus antigos times os credenciam a serem mais do que são. Como explicar tantos erros?

Outro fator assustava. De um time que entrava em campo sabendo tudo do adversário, o Flamengo de Domènec parecia  se surpreender a cada apito do juiz. 

Precisamos viver do futebol para saber que o Keno é veloz e vai jogar no um contra um? O atacante atleticano está em destaque tem 3 ou 4 anos. Foi campeão jogando assim. Todos conhecem. Como ser surpreendido?

Leia mais: Domenec deixa Flamengo com pior média de gols sofridos desde 2014

Outra questão que pauta a partida do domingo é a presença de Gabriel. Que fique claro, não tenho informação se ele estava 100%. Mas veja bem, quando você leva para o banco um jogador do tamanho de Gabigol, com a vaca indo para o brejo, ele precisa ser a primeira opção para reverter o cenário. Se ele não puder ser essa opção, não o leve. Colocar o camisa 9 sentado e usar ele por 10 minutos é mais um erro de leitura, digno de amador.

O cenário é de tristeza e desmotivação. De um 2019 mágico e um começo de 2020 promissor, o torcedor Rubro Negro passou a se questionar se o que viveu foi um sonho ou realidade.

A saída do treinador se dá por um motivo simples. O Flamengo que se desenhou não pode virar saco de pancadas de rivais direto. A goleada de ontem, junto com a sofrida para o São Paulo, precisa ser contabilizada e gerar algum efeito. O efeito gerado foi a queda do comandante.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível falar sobre o Flamengo com qualidade. Seja nosso apoiador!

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / Flamengo

Leia também

Notícias do Flamengo

Os 7 jogadores que mais vestiram a camisa do Flamengo

O MRN traz abaixo uma lista com os atletas que mais entraram em campo vestindo a camisa do Flamengo. Todos os detalhes na matéria do site

A história do Flamengo contada em 366 capítulos: ‘Hoje é dia de Flamengo’ é leitura imprescindível

A história do Flamengo em mil registros e 366 capítulos: "Hoje é dia de Flamengo" é o novo livro licenciado pelo clube

Jorge Jesus detona FIFA em lista de melhores técnicos e revela para quem torcerá

Lembrando o Mundial de Clubes, o ex-técnico do Flamengo, Jorge Jesus, não fez média e detonou a FIFA por tê-lo deixado de fora

Tia Zezé se despede do Flamengo após 32 anos e recebe homenagem

Funcionária se despede do Flamengo após 32 anos e recebe homenagem

”O jogo contra o Flamengo começa hoje”, diz Barroca em apresentação

Flamengo e Botafogo irão se enfrentar no dia 5 de dezembro. Todos os detalhes você encontra na matéria do site Mundo Rubro Negro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -

Blogs

23 de Novembro de 2019. Lima. Peru. Um ano da Glória Eterna

O Flamengo é o que não se explica. Há um ano, a América voltava a ser pintada de vermelho e preto, em um roteiro digno de cinema

Voamos todos na parábola de Diego

Sempre temi o destino de ser um morto soprado de inveja nas bancadas da eternidade, ressentido por um auge tardio do Flamengo

23 de Novembro ficou marcado na história rubro-negra

Nem a vitória parcial do River tirou a certeza de que aquele dia seria abençoado, afinal foi no mesmo dia 23 de novembro

O Flamengo existe porque a vida não basta

Cada um viu um filme diferente. De alguma forma, porém, todos aqueles filmes eram o mesmo. O mosaico do que é ser Flamengo

Quatro marcados, cinco perdidos: o “Pênalti para o Flamengo!” assusta em 2020

Vitinho perde o 5º pênalti do Flamengo em 2020; na temporada, o aproveitamento do clube carioca em cobranças de pênalti é inferior a 50%