Compartilhar:

A partir de agora chega de críticas, chega de procurar culpados, chega de perseguir jogador, técnico ou quem quer que seja

Blog Resenha Rubro-Negra | Marcelo Neves – Twitter: @PMarceloneves

Uma semana complicada que começou com uma goleada acachapante. Surto de Covid. Jogo da Libertadores em risco e cheio de desfalques. Briga nos tribunais e jogo no domingo com um time remendado e cheio de garotos que faziam sua primeira partida entre os profissionais.

Após a goleada a torcida queria matar pelo menos uns 30 do elenco e mandar o técnico de volta para a Espanha a base de pontapés, (eu inclusive). Veio o jogo contra o Barcelona com improvisações e desfalques, e junto dela uma atuação que trouxe alívio com um misto de esperança de que o time poderia jogar melhor.

Veja também: Craque o Flamengo faz em casa

Jogo a base da técnica, mas com muita entrega, raça e disposição. O vídeo da preleção com o Torrent inflamando o time deu uma pequena amostra de que o espanhol começou a entender o que é o Flamengo e como ele funciona.

A partida contra o Palmeiras, com todo o histórico de liminares e negativas do STJD, a forma que trataram o Flamengo e a imprensa ensandecida por sangue e torcendo pelo pior dos jogadores fizeram uma coisa: UNIR O TIME E A TORCIDA NOVAMENTE.

Foram batalhas nas redes sociais contra falsos moralistas, contra os bairristas, contra os arco-íris, contra torcedores transvestidos de jornalistas e nossa torcida usando de todas as formas para defender aquilo que mais ama: o Flamengo.

Não vi nenhum membro da imprensa em geral perguntar sobre o estado de saúde dos jogadores e funcionários contaminados pela Covid. Não vi ninguém questionar o tratamento que o clube teve enquanto esteve no Equador. Pelo contrário, vi jornalistas e formadores de opinião comemorar o surto dentro do Flamengo, quase que torcendo por alguma morte para poderem tripudiar e dançar sobre o corpo que estivesse dentro de um caixão.

Veja também: Independiente del Valle divulga quatro casos de Covid-19 no elenco antes de encarar o Flamengo

Esperavam uma goleada palmeirense ontem e o que viram foi a força do Manto Sagrado, viram nossos Garotos do Ninho liderados por um Arrascaeta inspirado mostrar a raça pela qual são forjados. Viram uma dupla de zaga de 18 anos anular o Luís Adriano que já fez estragos em defesas da Champions League. Viram surgir um lateral esquerdo de 18 anos que engoliu qualquer atacante que caiu pelo seu lado. Viram uma Bala bagunçar a “defesa imponente”. Viram o tão criticado Lincoln fazer um certo “pitbull” virar Lassie. E principalmente, viram um gigante chamado Hugo assustar todos os jogadores de ataque.

O que os “defensores da saúde” viram foi ressurgir uma relação que estava desgastada pelos últimos resultados, conseguiram justamente aquilo que é o temor de todos que enfrentam o Flamengo. A União entre Torcida e Time, e quando isso acontece meus amigos, sabemos muito bem como é o final.

A partir de agora chega de críticas, chega de procurar culpados, chega de perseguir jogador, técnico ou quem quer que seja. Agora é a união sinistra que assusta muita gente, somos nós contra o resto, somos a Nação como nossa bastilha em punho e o Manto como segunda pele. SOMOS O FLAMENGO, E UNIDOS SOMOS MAIS FORTES!

Saudações Rubro-Negras.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível falar sobre o Flamengo com qualidade. Se você também acredita, clique aqui e torne-se apoiador do MRN.

*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Vidal / Flamengo

Compartilhar: