Não só a Estácio de Sá: Relembre desfiles que homenagearam o Flamengo

Bruno Guedes
Jornalista e Historiador, é apaixonado por futebol bem jogado. Já atuou na Rádio Roquette Pinto e como colunista no Goal.com. Siga no Twitter: @EuBrguedes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Flamengo teve seu centenário celebrado em 1995 pela Estácio de Sá, mas diversos outros desfiles nas cores rubro-negras deram o tom na Sapucaí

Blog Ninho do Urubu | Bruno Guedes – Twitter: @eubrguedes

A Estácio de Sá divulgou no dia 19 de outubro que vai reeditar o enredo de 1995, em homenagem ao centenário do Flamengo, para o próximo carnaval. Entretanto, a vermelho e branco não foi a única escola que celebrou o Rubro-Negro na Marquês de Sapucaí. Com a temática futebolística sempre em alta no Carnaval Carioca, diversas foram as vezes em que o clube da Gávea deu o tom.

Já abrindo as comemorações pelos 125 anos do Flamengo, o Mundo Rubro Negro preparou uma lista de desfiles que tiveram o vermelho e preto em suas alas e também aproveitaram o Mais Querido como tema ou parte dele no seu Carnaval.

LEIA MAIS: Estácio de Sá vai reeditar homenagem ao Flamengo, mas com alterações; entenda e ouça o novo samba

“O Mundo É Uma Bola” – Beija-Flor 1986

“O meu Rio de Janeiro
O ano inteiro é samba e Maracanã”

(Betinho e Jorge Canuto)

Um dos desfiles mais marcantes da História, o lendário carnavalesco Joãozinho 30 levou para o Sambódromo o enredo que homenageava o esporte mais popular do mundo. Justamente num ano de Copa do Mundo, a escola da Baixada Fluminense apostava na temática para conquistar seu sexto título.

Debaixo de um temporal, a apresentação da azul e branca se tornou histórica. Os desfilantes rubro-negros, com água literalmente nas canelas, tinham um setor inteiro dedicado ao Baile do Vermelho e Preto. Até os anos 90, o evento oficial do Flamengo, realizado no Scala, era uma das datas carnavalescas mais concorridas do Brasil!

No trecho que falava sobre o Maracanã e a paixão carioca pelo esporte, uma ala e um carro alegórico totalmente nas cores do Mais Querido davam o tom. Um enorme urubu, símbolo do Mengão, lembrava a origem do mascote no estádio. Os demais clubes também receberam menções.

A Beija-Flor terminou com o vice-campeonato, mas o desfile se tornou o mais bem sucedido, até hoje, com temática futebolística.

“Aquarilha do Brasil” – União da Ilha 1988

A gaitinha tocando… é gol
A galera vibrando… Mengo!

(Robertinho Devagar e Marcio André)

Escola mais querida por todas as torcidas, a União da Ilha decidiu levar para a Avenida, em 1988, Ary Barroso. O famoso narrador, que fazia questão de falar que torcia para o Flamengo, teve sua vida narrada pelo carnavalesco Max Lopes através da sua paixão pelo clube. O samba, um dos mais famosos da História do Carnaval, citava diretamente o Rubro-Negro.

“Aquarilha do Brasil” é um trocadilho com a música “Aquarela do Brasil”, composta por Barroso e uma espécie de hino informal do país, com a palavra “Ilha”.

À época tetracampeão brasileiro, a equipe teve diversos de seus jogadores na Sapucaí. Renato Gaúcho, um dos principais craques do time que venceu a Copa União no ano anterior, foi quem mais se divertiu. Uma famosa foto ao lado da modelo Enoli Lara ganhou as páginas de todas as revistas e jornais. Enoli, no ano seguinte, seria a primeira foliã a desfilar completamente nua no Sambódromo e um dos motivos para a proibição da chamada “genitália desnuda”.

A Ilha, muito aclamada no dia, terminou em sexto lugar. E o samba ganhou as arquibancadas antes e durante, sendo um dos hinos mais famosos do Maracanã até meados dos anos 90. Além de usar o apelido popular, os versos lembravam a gaita usada por Ary a cada gol do Flamengo, que durante décadas foi marca do rádio e transmissões do jornalista.

Ajude a divulgação rubro-negra de qualidade: Seja apoiador do MRN e participe do nosso grupo de Whatsapp

“O Rio de Janeiro Continua Sendo…” – Salgueiro 2008

“Maravilhosa cidade
O suburbano improvisando muito bem
Vai batucando na lotada ou no trem”

(Dudu Botelho, Marcelo Motta, Josemar Manfredini, João Conga e Luiz Pião)

É impossível falar do Rio de Janeiro sem falar do Flamengo. E os carnavalescos Renato Lage e Márcia Lávia não deixaram de lembrar do Rubro-Negro no enredo que exaltava os encantos da Cidade Maravilhosa. Usando os versos de “Aquele Abraço”, do baiano Gilberto Gil, o desfile teve como narrativa os cartões postais e o orgulho carioca.

No setor que falava do futebol e tinha como destaque o Maracanã, diversos componentes salgueirenses vestiam as cores rubro-negras e carregavam bandeiras do Mengão. No topo da alegoria que trazia o Maior do Mundo, destaques com a camisa do Flamengo e outros simulando a torcida faziam parte da composição.

O Salgueiro foi vice-campeão.

“Eu Vou de Mocidade com Samba e Rock in Rio – Por um Mundo Melhor” – Mocidade Independente de Padre Miguel 2013

“A vida é um show, maraca é vibração
É o samba – rock meu irmão”

(Jefinho Rodrigues, Jorginho Medeiros, Marquinho Indio, Domingos PS, Moleque Silveira e Gustavo Henrique)

Aí você se pergunta: ué, mas como um enredo sobre o Rock in Rio teria o Flamengo? A resposta é: de novo o Maracanã. A segunda edição do festival, em 1991, aconteceu no estádio. Um dos destaques à época foi o coro que as torcidas, durante a espera pelas apresentações, faziam em referência aos times.

Lembrando-se desse fato e em alusão ao futebol, o carnavalesco Alexandre Louzada criou a ala “Urubu Metaleiro” homenageando o Rubro-Negro. Segundo pessoas da escola, foi uma das primeiras a terem as fantasias esgotadas no pré-carnaval. Apesar do desfile não ter sido um dos melhores, o Mais Querido esteve presente e levantou as arquibancadas na passagem pela Sapucaí.

A Mocidade Independente de Padre Miguel foi a 13ª colocada.

“Arthur X – O reino do Galinho de Ouro na corte da Imperatriz” – Imperatriz Leopoldinense 2014

“Fardado nas cores da nação,
Armado de raça e paixão,
Nos pés, o poder!
Vencer, vencer, vencer!”

(Elymar Santos, Guga, Tião Pinheiro, Gil Branco e Me Leva)

Certamente este é o enredo que cita o Flamengo mais famoso depois da Estácio de Sá de 1995. Com uma homenagem ao Zico, o carnavalesco Cahê Rodrigues, de quebra, também levou o Rubro-Negro e seus ídolos para a Sapucaí. E o fio condutor foi muito bem idealizado, ao comparar o Rei Arthur da Idade Média com o Arthur Antunes Coimbra e sua “nação”. É até hoje considerado uma das melhores apresentações que usaram o futebol como tema.

A grande curiosidade do desfile é que ele aconteceu exatamente no dia do aniversário do Zico, 3 de março. O que foi lembrado nos versos do bom samba-enredo, que dizia: “Hoje, mais do que nunca é o seu dia / Vamos brindar com alegria”. A obra, aliás, ficou muito popular por usar um dos cânticos que embalaram a torcida do Flamengo no título da Copa do Brasil em 2013, o famoso “Da-lhe, Da-lhe, Da-lhe Ô / Mengão do meu coração”.

Diversos trechos faziam referências ao Rubro-Negro, o que imediatamente fez com que o público que assistia se comunicasse com a Rainha de Ramos. Passagens como o refrão do meio, “Com seus cavaleiros, Arthur se tornava / O “Rei do Templo Sagrado”!”, ganharam a voz dos espectadores.

O carro “Tesouros do Rei” levou os troféus conquistados por Zico com o Flamengo e lembrava até mesmo o Mundial de 1981. Já no “Templo sagrado”, o Maracanã e os 333 gols do maior artilheiro do estádio eram os destaques. O ex-jogador, declaradamente torcedor da Beija-Flor, passou a fazer parte da Imperatriz nos anos seguintes. Uma gratidão com o perfil do maior ídolo da Nação.

Diversos craques do passado e do presente estiveram na Avenida. Zico, humilde como ele, se recusou a colocar a coroa de rei na cabeça. Mas estava pertinho da sua nação, aquela que o coroou durante duas décadas.

A Imperatriz foi a quinta colocada.


*Créditos da imagem destacada no post e nas redes sociais: Alexandre Durão / G1 e Reprodução TV Globo

flamengo

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs