Compartilhar:

Veja as notas e análises do Flamengo da final da Supercopa do Brasil, primeira conquista do Flamengo em 2020.

Neste domingo, o Flamengo ergueu seu primeiro troféu em 2020 e empilhou mais uma conquista nacional na Gávea. Com gols do trio de ataque formado por Gabriel Barbosa, Bruno Henrique e Giorgian De Arrascaeta, o time comandado por Jorge Jesus não deu chances ao Athletico Paranaense, que havia desclassificado o próprio Flamengo na Copa do Brasil do ano passado.

Artillero lança camiseta comemorativa da conquista da Supercopa

A vingança rubro-negro veio com mais uma atuação de gala. As notas e análises de nossos comentaristas refletiram esta performance. Confira:

Diego Alves: Partida perfeita. Apareceu bem em todos os lances que foi exigido. Salvou o Flamengo em tiro a queima roupa de Marquinhos Gabriel. Nota: 9,0. Por Diogo Almeida – Twitter: @DidaZico

Rafinha: A palavra que define a atuação do lateral é segurança. Mais uma vez teve pela frente o atrevido Rony e novamente não deixou o atrevido ponta do time paranaense se criar pelo seu lado. Perdeu apenas um duelo, mas de resto deu aula de técnica e experiência que nos acostumamos. Outra característica que Rafinha mostrou foi como tem cabeça para lidar com um jogo mais pegado. O lateral rubro-negro apanha, bate, provoca, da olé, faz a saída de bola e ainda arruma cartão para o adversário. Aula. Nota: 8. Por Edson Lira – Twitter: @Edsonjslira

Rodrigo Caio: Que segurança traz a zaga, fundamental nesse esquema, bela partida, bem nas antecipações e no combate direto. Que zagueiro de condomínio!! Nota – 9,0. Por Marcio Marcondes – Twitter: @mjmarcondes

Gustavo Henrique: Atuação correta do zagueiro, embora tenha apresentado alguns erros de posicionamento na cobertura. Nesse primeiro momento deve ser reserva de Léo Pereira, que apresenta um estilo de jogo mais parecido com o antigo dono da posição Pablo Marí. Nota: 7,5. Por Rafael Albuquerque – Twitter: @R_Albuquerque01

Filipe Luís: Por vezes questionei a presença dele na seleção, hoje o assistindo mais de perto e por mais vezes vejo a importância tática e inteligência desse grande jogador! Subidas corretas e na medida certa, excelente posicionamento defensivo e coberturas! Uma pena já está com 33 anos. Nota: 8,0.

Renê: Ele é aquele jogador médio, não vai ser excepcional e nem errar tudo! O pouco que ficou em campo fez o que sabe, errou passes fáceis e desarmou com a categoria que sabe. Nota: 6,0. Por Ricardo Bitencourt – Instagram: @drbitenco

William Arão: Dono e proprietário do meio campo. Dominou todas ações na cancha rubro-negra, foi o jogador que mais desarmou e interceptou bolas no time. A evolução deste homem é inacreditável, se chegasse um ET na terra hoje, não entenderia por que ela era tão criticado. TÁ BEM ARÃO!! Nota: 8,5. Por Sérgio Ribeiro – Twitter: @sergioribeiro04

Gerson: Após a brilhante live feita por sua irmã que salvou muitas vidas dos rubro-negros espalhados pelo país, Gerson voltou a jogar futebol, escondido, silencioso e mortal, também fazendo aquela função muitas vezes ingrata de cobertura e tomando conta do meio campo. Nota: 8,0. Por Willian Sian Herzog – Twitter: @willian_sian

Everton Ribeiro: Não foi uma boa apresentação do meia. Poucas vezes conseguiu se desvencilhar da marcação, produzindo muito pouco. Precisa encontrar um espaço para ocupar quando Gabriel cai pelo seu setor. Nota: 6,0.

Diego: O camisa 10 ficou oito minutos em campo, com o jogo já resolvido, e cumpriu a missão de mostrar que novo uniforme é bonito. Sem nota. Por Edson Lira – Twitter: @Edsonjslira

Arrascaeta: Logo aos 4 min de jogo após receber uma falta já deu um empurrão no jogador adversário pra mostrar o quão tímido é. No jogo em si foi discreto, cumprindo seu papel mas sem ser tão participativo quanto BH e Gabigol, porém a estrela sempre brilha, fez nosso terceiro gol ao ocupar seu espaço na área chegando de trás mandando pra rede após rebote do goleiro adversário, logo após saiu pra entrada de Michael. Nota: 7,0.

Michael: Entrou já no final, tentou algumas jogadas, algumas com bastante efeito, o que mostra sua habilidade, mas sem muito sucesso, partiu pra cima, por enquanto é isso que importa. Já ganhou seu primeiro título com a camisa do mengão, agradeceu a Deus ao final do jogo, de joelhos no gramado, isso mostra o quanto queria estar aqui. Nota: 6,0. Por Caroline Menezes @kaka_menezes07

Bruno Henrique: Como sempre decisivo mais uma vez, ainda está recuperando a forma, mas já mostrou que continua rápido e letal no ataque. Nota: 7,0. Por Marcio Marcondes – Twitter: @mjmarcondes

Gabriel Barbosa: Repetiu o nível de atuação que costumamos a ver em 2019. No primeiro jogo com transmissão na temporada, fez a alegria da nação ao dar um show em campo. No segundo tempo foi mais discreto, até pela parte física que não se encontra 100% ainda. Melhor em campo junto com Bruno Henrique. Nota: 9,0. Por Rafael Albuquerque – Twitter: @R_Albuquerque01

🕶 Jorge Jesus: Sereno, Obstinado, Urubu, Sagaz, Organizador, Boêmio, Encantador, Realista, Bruxo, Oxalá. Meus Experientes Senhores, Me Ouçam: Agora Que Urge Iemanjá E Outrora Trabalhada Ofuscada, Precedida, Antes Tempestiva, Agora Modesta, Autêntica, Real.

Pode parecer não fazer sentido, não é ? E assim que nos sentimos ao ver a grande maioria da mídia paulista ao falar do nosso mister e do nosso time. Agora, vamos ler o que aparentemente não faz sentido da maneira correta, só considerando as iniciais de cada palavra.

No jogo, o time continua encantando, jogadas ensaiadas, movimentações sincronizadas, nosso time joga por música. Nota: 10,0. Por Willian Sian Herzog – Twitter: @willian_sian

Compartilhar: