Compartilhar:

Em entrevista à FlaTV, Braz garante que o Rubro-Negro fará o possível para manter o técnico português e afirma que agora não é “tão no escuro como lá atrás”, ao lembrar do esforço para trazer Jorge Jesus

O vice-presidente de futebol do Flamengo, Marcos Braz, comentou neste sábado (25) sobre as negociações com Jorge Jesus, o esforço do Flamengo para trazê-lo e a possível renovação do treinador português, em entrevista à FlaTV. Além disso, Braz também fez comparativos ao futebol de dez anos atrás com o de hoje.

“O Flamengo fez um esforço enorme financeiro para trazer ele. Eu tinha muita segurança nele, mas precisávamos analisar a parte financeira. O presidente Landim foi fundamental porque ele acreditou nesta situação de trazer um técnico estrangeiro. O Flamengo fez o possível. Ok, o Jorge veio. Aconteceu o que aconteceu em relação aos títulos. Tem essa situação de renovação, mas não é tanto no escuro como lá atrás”, pontuou o vice-presidente de futebol.

Braz lembrou sobre o início de Jesus no Flamengo: “Quando o Jorge veio, o Flamengo empatou um jogo aqui, na Copa do Brasil, e foi desclassificado. Fomos jogar contra o Emelec e perdemos o jogo. O que a gente apanhou naquele período… se o Jorge não desse certo, seria uma chacota. Mas nós acreditamos. Aí nós tiramos uma responsabilidade enorme das nossas costas.”

Sobre a renovação, Braz frisou: “Todos os esforços serão feitos de novo. O presidente Landim já autorizou. Mas aconteceu essa situação que está no mundo. O euro vai pra mais de 6, isso é um fator ruim. O Flamengo está analisando várias situações porque um ou outro recebível pediu um tempo para o Flamengo. Então o Flamengo está aí que nem todos os outros clubes, outras empresas. O Flamengo vai fazer a parte dele, mas não depende só do Flamengo, depende do Jorge entender o momento que nós vivemos hoje. Vai dar tudo certo, vai acontecer o melhor pro Flamengo.”

Retorno ao Flamengo

Braz explicou como foi o seu retorno ao Rubro-Negro: “Eu conheci o presidente ainda no período eleitoral, muito antes do fechamento das chapas. Eu tinha certeza que era o candidato mais preparado para a continuidade desse novo mundo que o Flamengo entrou. De 10 anos pra cá mudou tudo, não só no Flamengo. O mundo mudou, o futebol mudou. E eu achava que o Landim era o mais preparado. E por isso, eu fiz essa opção.”

Em alguns momentos, o vice-presidente de futebol fez comparações de 2009 com o momento atual: “A quantidade de notícias na imprensa [mudou]. Hoje a gente tem a figura da mídia alternativa (youtubers, blogueiros). Você tem várias empresas de comunicação. Acabando o treino, uma vez ao mês eu fico ali com a imprensa tomando um café. Eu preservo isso até hoje. Antigamente, quando eu ia para a sala de imprensa, eu via dez pessoas no máximo. Hoje, você vê um mundo de gente. É muito diferente.”

Braz também lembrou de um fator tecnológico importante em relação à exposição midiática e possíveis polêmicas: a câmera de celular. “O grupo de 2009 me deu trabalho, mas a gente não tinha celular com câmera. Não tinha tanta exposição.”

Sobre fazer parte da história do clube, Braz pregou humildade: “Eu contribuí para o clube, como outros contribuíram. Tenho a sensação de dever cumprido. Eu ainda não tenho essa percepção de ‘entrei na história’. Eu trato isso com muita naturalidade.”

Papo Virtual

O Papo Virtual é transmitido pelo canal do Flamengo no YouTube, a FlaTV. A atração foi criada devido à paralisação dos esportes por causa da pandemia de coronavírus.

Crédito da foto destacada: Arte/Flamengo

Compartilhar: