26.6 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, novembro 30, 2020

O Fla de Ceni – Parte 1: As comparações com o Fortaleza

Téo Ferraz Benjamin
Escrevo as análises táticas do MRN porque futebol se estuda sim! De vez em quando peço licença para escrever sobre outros assuntos também.

Trazer o comandante da defesa menos vazada do Brasileirão parece fazer sentido… Mas será que dá para pensar assim?

Blog do Téo | Téo Benjamin – Twitter: @teofb

Rogério Ceni chega ao Flamengo com o respeito conquistado no seu bom trabalho no Fortaleza. Lá, ajudou a reestruturar o clube, chegou a mais de 150 jogos e se tornou ídolo.

O que essa passagem tem a nos dizer? A primeira conclusão parece óbvia. Afinal, o grande problema do Flamengo hoje é defensivo e ninguém nega.

Trazer o comandante da defesa menos vazada do Brasileirão parece fazer sentido… Mas será que dá para pensar assim? Algumas pessoas já não aguentam mais me ouvir falar a palavra “contexto”. Prometo repetir só mais uma vez: futebol é contexto!

Além disso, futebol é contexto. E não podemos esquecer que futebol é contexto! Nenhuma análise pode terminar no mapeamento do contexto. Se for assim, fica rasa e acaba virando muleta.

Do mesmo autor: Flamengo 1×4 São Paulo: falhas crônicas e gritantes

Toda boa análise, no entanto, precisa ter o contexto como ponto de partida, ou será incompleta, incoerente ou até mesmo desonesta. E os contextos de Flamengo e Fortaleza são muito diferentes, portanto não dá para simplesmente transpor os números de um lado para o outro.

Aliás, se fosse assim, seria bom alertar também que o Fortaleza tem o segundo ataque menos efetivo da competição até aqui… Vamos olhar um pouco mais profundamente para os números, então, e ver o que eles nos revelam.

Análise dos números

O número de gols sofridos nos diz pouco por si só, então podemos recorrer ao funil defensivo para entender o porquê por trás.

A comparação com os outros clubes é interessante. O Internacional, por exemplo, dá pouco a bola ao adversário, o mantém longe do gol, concede poucas finalizações e, por fim, quando o adversário chuta, é em condições ruins (de longe, marcado etc).

Funil defensivo do Internacional.

O Flamengo também dá pouco a bola e mantém o adversário longe do gol. Mas, quando deixa chegar, acaba deixando finalizar muito, ainda que em geral sejam finalizações em posições ruins. (Talvez seja uma releitura a um velho lema da torcida…).

Já o Fortaleza está bem na média em posse de bola, progressão permitida e volume de finalizações concedidas. A diferença é que a qualidade das chances concedidas é baixa (terceira menor) e a conversão é disparada a mais baixa de todas.

Ou seja, em média, os adversários não finalizam em condições muito boas. Estão distantes e/ou marcados. Mesmo assim, a bola está entrando muito menos que o esperado. Pode ter muita coisa envolvida aí: grande temporada de um goleiro, incompetência dos adversários ou mesmo sorte.

É mais ou menos o oposto do que acontecia com o Vasco no início do ano. Chegava pouquíssimo, mas a bola sempre sempre entrava. O Fortaleza se defende bem, é verdade, mas a bola simplesmente não está entrando lá.

Um dos maiores méritos do Fla de JJ e um dos maiores defeitos do Fla de Domenec era a marcação-pressão. A torcida se acostumou a ver o time sempre pressionando. Como solução, o Fla buscou o treinador do time que menos pressiona alto e que menos recupera bolas no campo de ataque.

Fortaleza de Rogério pouco pressiona na saída de bola do adversário.

O jogo em que o Fortaleza mais recuperou bolas no campo de ataque foi contra o Ceará: 9.

Mesmo com todos os problemas, o Flamengo roubou 22 contra o SPFC, 18 contra o Coritiba, 17 contra o Bragantino, 16 contra o Grêmio… Em apenas 6 dos 20 jogos o número foi menor que 9.

Comparação de roubadas de bola no campo adversário de Fortaleza e Flamengo

Além disso, o Fortaleza é o time que menos vezes quebra de posse de bola para cada minuto em que o adversário tem a bola, enquanto o Fla é o segundo que mais faz isso.

É um time que não morde, não incomoda tanto o adversário, não tem aquela intensidade sem bola.

Fortaleza é o time que menos vezes quebra de posse de bola para cada minuto em que o adversário tem a bola.

Mas é preciso entender a INTENÇÃO que leva a esses números

O Fortaleza joga, em muitos jogos, bastante recuado, deixando o adversário avançar com a bola até encontrar uma defesa bem montada protegendo a área.

A linha de quatro defensores tem um papel fundamental. Tem sempre movimentos coletivos muito bem coordenados e ensaiados. Com isso, mesmo jogando bem recuado, o Fortaleza é o sexto time que mais deixa os adversários impedidos. Uma arma que o rubro-negro conheceu bem com JJ.

Impedimentos dos adversários

Aliás, o comportamento coletivo é elogiável. Até lembra o Flamengo de 2019 nesse quesito. E quando o sistema funciona bem, os indivíduos também conseguem prosperar. Ceni transformou Paulão em um dos melhores zagueiros do campeonato, sem exageros.

Essa linha protege bem a boca do gol e está sempre montada (o que chamam de “linha sustentada”). Nos raros momentos que quebra, o time tem problemas no segundo pau. Quando os volantes perdem a conexão com a defesa, aparece um problema grave na entrada da área (o “funil”)

Linha sustentada defensiva do Fortaleza

É possível ver tudo isso claramente nos gols sofridos pelo Fortaleza no campeonato. De fato, não dá para simplesmente transpor os números.

Fortaleza diante do Athlético: quebra da linha sustentada

A marca dos grandes profissionais é a flexibilidade

Um trabalho não é igual ao outro porque as condições (eu prometi que não falaria mais “contexto”) são diferentes. Os jogadores do Flamengo são diferentes dos jogadores do Fortaleza e os objetivos dos clubes também. Mas não dá necessariamente para transpor as ideias também.

A maneira como Ceni jogava no Fortaleza foi a melhor solução que ele encontrou no Fortaleza! Com ferramentas diferentes, precisa encontrar soluções diferentes.

Leia também: Conheça o francês Charles Hembert: auxiliar de Rogério Ceni no Fla

Essa é a questão que pouca gente entende. A marca dos grandes profissionais é a flexibilidade. Eles SEMPRE precisam saber se adaptar. Não adianta dizer “Fulano JOGA assim e ponto!”

Esse tipo de fala foi feita com JJ, com Domenec, será feita com Ceni e com os próximos… Olhando de fora, com todas as limitações que isso impõe, podemos apenas tentar entender quais são as ideias mais importantes, os conceitos estruturantes, e como isso pode ser transportado ou adaptado às novas circunstâncias.

O próprio Rogério Ceni conhece bem esse processo dentro do próprio Fortaleza. Sendo um time de meio de tabela no Brasileirão, ele precisa jogar recuado em alguns jogos, mas precisa propor o jogo e amassar em outros.

Ele teve menos posse de bola que o adversário em exatamente metade dos jogos. No outra metade, claro, teve mais posse.

Suas menores posses foram contra o Atlético-MG (35%) e o Athletico-PR (37%), jogando no contra-ataque, e as maiores foram contra Ceará (72%) e Bragantino (61%).

Na Copa do Nordeste 2020, por outro lado, o Fortaleza foi o time com mais posse de bola, chegando a mais de 60% de média nos 10 jogos.

Conclusões finais

De fato, Rogério Ceni parece preferir controlar o jogo com a bola, mas se adapta às circunstâncias em que isso é difícil (ou impossível).
E ele vai bem controlando a posse, inclusive usando uma posse defensiva.

Nos jogos em que teve menos posse que o adversário (normalmente contra times mais fortes), tomou uma média de 1,22 gols por jogo. Quando teve mais posse, tomou uma média de 0,33.
Seu maior problema ainda parece ser furar defesas fechadas.

Nos cinco jogos em que teve mais posse no campeonato (Bragantino, Botafogo e Atlético-GO em casa, Coritiba fora e Ceará no Castelão), só tomou um gol (do Ceará), mas só conseguiu fazer gol em um jogo (3×0 no Bragantino).

Agora, ele terá em mãos o ataque mais poderoso do campeonato, capaz de oferecer muito mais alternativas para furar qualquer tipo de defesa. Resta saber como vai aproveitá-lo.

Ao mesmo tempo, encontrará uma defesa em escombros, cheia de problemas individuais e coletivos, com a necessidade de encontrar soluções rápidas no curto prazo e sem poder, pelo menos no longo prazo, montar um bloco lá atrás e esperar.


O Flamengo precisa atacar, o Flamengo precisa se impor. Pressionar, controlar, agredir.

O Flamengo é diferente do Fortaleza, então Rogério Ceni precisará ser diferente também. A disposição ele já mostrou mais cedo na coletiva. A capacidade? Só o campo dirá.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível falar sobre o Flamengo com qualidade. Seja nosso apoiador!

Leia também

Notícias do Flamengo

Os 7 jogadores que mais vestiram a camisa do Flamengo

O MRN traz abaixo uma lista com os atletas que mais entraram em campo vestindo a camisa do Flamengo. Todos os detalhes na matéria do site

A história do Flamengo contada em 366 capítulos: ‘Hoje é dia de Flamengo’ é leitura imprescindível

A história do Flamengo em mil registros e 366 capítulos: "Hoje é dia de Flamengo" é o novo livro licenciado pelo clube

Jorge Jesus detona FIFA em lista de melhores técnicos e revela para quem torcerá

Lembrando o Mundial de Clubes, o ex-técnico do Flamengo, Jorge Jesus, não fez média e detonou a FIFA por tê-lo deixado de fora

Tia Zezé se despede do Flamengo após 32 anos e recebe homenagem

Funcionária se despede do Flamengo após 32 anos e recebe homenagem

”O jogo contra o Flamengo começa hoje”, diz Barroca em apresentação

Flamengo e Botafogo irão se enfrentar no dia 5 de dezembro. Todos os detalhes você encontra na matéria do site Mundo Rubro Negro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -

Blogs

23 de Novembro de 2019. Lima. Peru. Um ano da Glória Eterna

O Flamengo é o que não se explica. Há um ano, a América voltava a ser pintada de vermelho e preto, em um roteiro digno de cinema

Voamos todos na parábola de Diego

Sempre temi o destino de ser um morto soprado de inveja nas bancadas da eternidade, ressentido por um auge tardio do Flamengo

23 de Novembro ficou marcado na história rubro-negra

Nem a vitória parcial do River tirou a certeza de que aquele dia seria abençoado, afinal foi no mesmo dia 23 de novembro

O Flamengo existe porque a vida não basta

Cada um viu um filme diferente. De alguma forma, porém, todos aqueles filmes eram o mesmo. O mosaico do que é ser Flamengo

Quatro marcados, cinco perdidos: o “Pênalti para o Flamengo!” assusta em 2020

Vitinho perde o 5º pênalti do Flamengo em 2020; na temporada, o aproveitamento do clube carioca em cobranças de pênalti é inferior a 50%