30.8 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 26, 2021

O Flamengo existe porque a vida não basta

Téo Ferraz Benjamin
Escrevo as análises táticas do MRN porque futebol se estuda sim! De vez em quando peço licença para escrever sobre outros assuntos também.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Cada um viu um filme diferente. De alguma forma, porém, todos aqueles filmes eram o mesmo. O mosaico do que é ser Flamengo

Quem já pisou no Maracanã conhece a magia do momento em que milhares de corações passam a bater no mesmo ritmo. Desfazer-se na multidão, deixar de ser um e passar a ser muitos. Talvez essa seja a experiência mais transcendental — e ao mesmo tempo mais humana — que existe.

Há exatamente um ano, vivemos a versão mais radical dessa experiência. Por um segundo, quarenta milhões de corações não apenas bateram em sintonia: simplesmente pararam de bater.

Do mesmo autor: Há uma longa história por trás deste Flamengo em outro patamar

O tempo congelou. Por um segundo, a Terra ficou em silêncio. Meu livro começa neste exato momento.

Trecho do livro "Outro Patamar", de Téo Benjamin
Trecho do livro “Outro Patamar”, de Téo Benjamin. Compre aqui: https://amzn.to/3lZupgP

Dizem que a vida passa como um filme na nossa frente quando vivemos experiências extremas.

Quando a bola quicou, cada rubro-negro vivo viu o filme de uma vida. A experiência flamenga é essencialmente individual, mas profundamente coletiva. Cada um tem as suas histórias e referências, seus ídolos e lembranças…

Cada um viu um filme diferente. De alguma forma, porém, todos aqueles filmes eram o mesmo. O mosaico do que é ser Flamengo. Essa experiência visceral, única, complexa, difusa, louca, caótica, profunda e enorme que nos faz ser quem somos. Nos faz amar como amamos. Ver o mundo como vemos, nos relacionar como fazemos, ser feliz como somos.

Leia também: 12 meses inimagináveis

Em um texto maravilhoso chamado “Two ways of seeing a river” (“Duas formas de ver um rio“), Mark Twain narra sua experiência pilotando barcos no grande rio Mississippi.

Ele fala sobre um paradoxo sutil: quanto mais desvendava o rio, menos conseguia se encantar por ele. “Agora que eu conhecia cada detalhe do grande rio com a mesma familiaridade com a qual conhecia as letras do alfabeto, havia ganho algo muito valioso. Mas perdi algo também. Perdi algo que nunca poderia recuperar. Toda a graça, beleza e poesia havia desaparecido do majestoso rio” 

Não sou ninguém para discordar de Mark Twain, mas argumentaria que a experiência futebolística — e especialmente a rubro-negra — se constrói exatamente no caminho oposto. Quanto mais a gente, vive, quanto mais a gente conhece, se conecta, troca e desvenda, mais a gente ama, se encanta, se conhece e tem vontade de mergulhar.

Cada um vive o futebol à sua maneira, mas é justamente por isso que ele nos prende e nos encanta tanto. Cada um tem a sua onda. A minha onda é entender o jogo. Estudar, desvendar, enxergar, esmiuçar… Conhecer cada detalhe.

Mas nada disso existe sem o sentimento. Quando a gente deixa de sentir o futebol, a gente se desconecta daquilo que é mais precioso nele.

“Cada um vive o futebol à sua maneira, mas é justamente por isso que ele nos prende e nos encanta tanto”. Foto: Divulgação

No fundo, o futebol é essa representação crua da experiência humana. É estar com os outros, mas também sobre conhecer a si mesmo. Olhar para dentro, respirar, e saber de onde vem aquela força que nos leva a fazer história. A construir a nossa história.

Estamos aqui, juntos, um ano depois (e, coincidentemente, também 39 anos depois) relembrando as nossas histórias. Construindo a memória coletiva de quem somos.

Naquele momento, quando nossos corações pararam, fomos um só. E nunca mais seremos os mesmos. “Quando o Flamengo vence, há mais amor nos morros, mais doçura nos lares, mais vibração nas ruas, a vida canta, os ânimos se roboram, o homem trabalha mais e melhor, os filhos ganham presentes. Há beijos nas praças e nos jardins, porque a alma está em paz, está feliz. (…) 

(…) O Flamengo não pode perder, não deve perder. Sua derrota frustra, entristece, humilha e abate. A saúde pública, a higiene nacional exigem que o Flamengo vença, para bem de todos , para felicidade geral, para o bem-estar nacional.”

Há quem não entenda nada disso. Olhando de fora, com o coração batendo em outra sintonia, realmente nada faz sentido. Hoje é só mais um dia qualquer. Aquele foi só mais um chute qualquer. Peço licença para usar, mais uma vez, uma passagem de Nick Horny no genial “Febre de bola”: 

“Sejam tolerantes com aqueles que reputam um momento esportivo como o melhor da vida. Não é que nos falte imaginação, nem que nossas vidas tenham sido tristes; é só que a vida real tem menos cor, é mais chata e tem potencial menor para um delírio inesperado.” Dizem por aí que a arte existe porque a vida não basta.

Eu digo sem o menor medo de errar: o Flamengo existe porque a vida não basta.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível falar sobre o Flamengo com qualidade. Seja nosso apoiador!

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs