31.6 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 26, 2021

Os problemas defensivos de mais uma eliminação rubro-negra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Erros defensivos do Flamengo se repetem sob comando de Ceni na eliminação do time da Libertadores nas oitavas de final

Blog Flamengo em Foco | Rafael Bizarelo – Twitter: @rafxzel

O Flamengo precisava de um empate por 0-0 para eliminar o Racing nas oitavas de final da Copa Libertadores da América e seguir o caminho rumo ao tricampeonato da competição.

A vantagem do Flamengo permaneceria caso não tomasse gols em casa, e o temor da torcida saía exatamente de uma defesa que viu a sua rede balançar em todos os jogos de Rogério Ceni. A média de 1,6 gols sofridos por partida (oito em cinco jogos) sob comando do novo treinador não era favorável, e os erros cruciais dos defensores eram motivo de preocupação.

Leia mais: ”Torcida pode ficar tranquila”, disse Braz semana passada sobre finanças

Com as expulsões de Thuler e Natan no empate por 1-1 no jogo de ida, o Flamengo tinha Gustavo Henrique, Léo Pereira e Gabriel Noga como opções com bom ritmo de jogo, enquanto Rodrigo Caio estava disponível mesmo sem jogar pelo rubro-negro desde o dia 22 de setembro, tendo apenas uma partida pela Seleção Brasileira no dia 13 de outubro, somando quase dois meses sem entrar em campo.

Naturalmente, manter a dupla Gustavo Henrique-Léo Pereira não era a melhor das opções. Tendo em vista que os dois zagueiros foram responsáveis por somar diversos erros que causaram derrotas importantes para o Flamengo, escalar os dois juntos era um risco. Rogério Ceni, então, optou por colocar um Rodrigo Caio sem ritmo para jogo.

A dupla GH-Léo não foi para jogo, mas um deles foi. Gustavo Henrique, que foi o responsável por erros capitais contra Internacional e São Paulo, entrou em campo para compor a zaga com Rodrigo Caio.

Veja também: Imprensa argentina destaca ‘noite heróica’ e falhas do Flamengo: ‘Libertadores é generosa com os corajosos’

Ainda que a escolha de Ceni fosse confusa (um zagueiro em má fase junto de outro sem ritmo), o Racing não gerou perigo na primeira etapa, chegando apenas duas vezes para chutar, acertando apenas uma na zona do gol. Curiosamente, mesmo tendo a bola e criando mais, o Flamengo finalizou mais, porém também com apenas uma certa no gol.

Pressionando o Racing durante todo o início de segundo tempo, parecia que o gol sairia a qualquer momento a favor do Flamengo, mas a defesa tratou de complicar a situação mais uma vez. Aos 62 minutos de partida, Rodrigo Caio, que já havia recebido um cartão amarelo no primeiro tempo, chegou em Lisandro López com força, atingindo apenas o seu tornozelo. O melhor zagueiro do Brasil em 2019 foi expulso, e Ceni colocou Willian Arão para fechar a zaga.

Em seguida, o que Téo José classificou como “apagão” continuou e piorou. Em apenas dois minutos, o Flamengo ficou sem o seu melhor zagueiro e levou um gol após um erro crasso de Gustavo Henrique, que perdeu o controle logo após a saída de Rodrigo Caio.

Leia também: Eliminado, Rogério Ceni defende jogadores e explica os próximos passos do Flamengo

Foto: Rafael Bizarelo

O erro no posicionamento de Gustavo Henrique é claro. Quando a bola ainda está no alto, o zagueiro dá as costas para ela, e mesmo sem ser puxado por Lisandro López, perde totalmente o controle do espaço. O camisa 2 passa a avançar na busca de frear o atacante do Racing, mas esquece que a bola está chegando em sua direção, e seus companheiros não partiram em sua direção para não atrapalhar a defesa do zagueiro.

Quando a bola chega ao chão, Gustavo Henrique não consegue enxergá-la, e perde a oportunidade de afastá-la. Com isso, Leonardo Sigali aparece sozinho para marcar após o posicionamento errado do zagueiro rubro-negro.

Gustavo Henrique tem 1.95 metros de altura, enquanto Lisandro López tem apenas 1.74 metros, ou seja, a vantagem pelo alto era claramente do zagueiro. Com isso, o corte poderia ser feito de forma tranquila se o camisa 2 não tivesse corrido até o fim e de costas para a bola.

Após o erro de posicionamento no cruzamento, lembrei de mais uma bola fora de Gustavo Henrique. Na vitória do São Paulo por 4-1 no Maracanã, GH foi o responsável por errar um corte que gerou a virada do time paulista em uma partida crucial do Brasileirão.

Veja mais: Eliminado, veja quais jogos restam para o Flamengo na temporada

Foto: Rafael Bizarelo

Em um cruzamento simples e sem desvio, Gustavo Henrique tinha espaço para cortar e afastar para o lado direito, mas isso se ele tivesse se posicionado de forma correta. Com o corpo virado para a esquerda da imagem, GH tinha a sua perna boa como a pior opção para o momento. Destro, o zagueiro deveria estar de frente para Reinaldo, que cruza para a área.

Foto: Rafael Bizarelo

O que acontece é surreal. Gustavo Henrique perde o equilíbrio, tenta o domínio com a esquerda, a sua perna ruim, e a bola passa para Brenner, que vira o placar para o São Paulo.

Contra o Racing, um lance bastou para o adversário marcar. O Flamengo continuou a pressionar, empatou a partida com um gol de Willian Arão nos acréscimos, mas o mesmo perdeu nos pênaltis. A classificação argentina causa a eliminação do atual campeão da Libertadores nas oitavas de final.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível falar sobre o Flamengo com qualidade. Seja nosso apoiador!

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs