Compartilhar:

O Mundo Rubro Negro traz um levantamento dos últimos dez goleiros que por um longo período de tempo foram titulares do Flamengo

MRN Informação | Yago Martins – Twitter: @Yago_Martins23

Em nossa primeira matéria do MRN +10, trazemos os últimos dez goleiros que foram titulares da meta do Flamengo nos últimos anos. Prepare-se para viajar no tempo e descobrir várias curiosidades.

Veja também: Jornalista diz que Dome é melhor que Jesus: ‘Mister era técnico regional’

2017 até 2020: Diego Alves

Após em 2016 se tornar o recordista de pênaltis defendidos na história do Campeonato Espanhol, no ano seguinte Diego Alves acertou sua ida para o Flamengo. Para contratá-lo, o clube pagou 300 mil euros (R$ 1,09 milhão) parcelados ao Valencia.

Em sua chegada no segundo semestre de 2017, logo se tornou titular da posição no rubro-negro, no entanto na semifinal da Copa Sul-Americana contra o Júnior Barranquilla, se lesionou ao evitar sofrer um gol e perdeu os meses de novembro e dezembro. Recuperado, no ano de 2018 voltou a ser titular nas mãos de Paulo César Carpegiani, que logo depois foi demitido e substituído por Maurício Barbieri.

Após a saída de Barbieri, Dorival foi contratado e o goleiro foi afastado por problemas disciplinares. Em 2019, com a chegada de Abel, foi reintegrado ao grupo e se consolidou como um dos grandes goleiros da história do clube, sendo campeão Brasileiro, Libertadores, Carioca, Recopa Sul-Americana e Supercopa do Brasil. Teve momentos como titular em 2017, 2018, 2019 e 2020.

2017/18: Cesar

Campeão da Copa São Paulo de futebol Júnior pelo Flamengo em 2011, César foi integrado aos profissionais em 2013. Na última rodada do Brasileirão substituiu Felipe na meta rubro-negra e foi muito bem, ganhando o prêmio de “O Cara da Rodada”, do jornal Lance. Porém, entre empréstimos para Ponte Preta e Ferroviária, só voltou a ser utilizado com frequência pelo rubro-negro nas temporadas de 2017 e 2018.

Após Diego Alves se lesionar na semifinal da Sul-Americana de 2017, Cesar foi titular na reta final daquela temporada. No ano seguinte voltou ao banco de reservas, porém quando o clube afastou Diego Alves por problemas disciplinares, o atleta foi novamente titular no segundo semestre inteiro de 2018. Atualmente continua no clube, sendo reserva imediato da posição. Teve momentos como titular em 2017 e 2018.

2017/16: Alex Muralha

Em 2016, o Flamengo chegou a um acordo com o Figueirense e contratou Alex Muralha (um dos destaques da temporada de 2015). O Rubro-Negro adquiriu 60% dos direitos econômicos de Muralha, que assinou por 4 anos.

Passou o primeiro semestre de 2016 na reserva de Paulo Victor. Ganhou a titularidade após Paulo se lesionar (dores lombares) dias antes da partida contra a Ponte Preta, válida pelo Brasileirão-2016. Desde então, fez boas partidas e não foi mais sacado do time.

Seu desempenho no primeiro ano de Flamengo foi tão positivo, que chegou a ser convocado para a seleção Brasileira de Tite, porém em 2017 fez um ano para se esquecer. Com a eliminação na Libertadores e a equipe caindo de posição no Brasileiro, Muralha foi duramente criticado pelos torcedores por suas frequentes falhas. A gota d’água foi na decisão do Brasil contra o Cruzeiro, em que o goleiro pulava apenas para um canto para tentar defender os pênaltis nas penalidades máximas. Os jogadores da equipe mineira em pouco tempo perceberam que Muralha só caía para a direita, e não perderam nenhum pênalti. O atleta teve momentos como titular em 2016 e 2017.

2014/15/16: Paulo Victor

Oriundo das categorias de base do Flamengo, Paulo chegou a ser titular nas mãos de Joel Santana em algumas partidas do Brasileiro de 2012, mas só emplacou uma sequência no rubro-negro a partir de 2014. O goleiro assumiu a meta do Mais Querido no segundo semestre desta temporada, e continuou sendo absoluto na opção no ano de 2015 e primeiro semestre de 2016.

Sendo assim, teve momentos na equipe titular nas temporadas de 2014, 2015 e 2016.

2011 até 2014: Felipe

Após a curta passagem pelo Braga, onde foi titular mas acabou não agradando, acertou a sua volta ao Brasil em dezembro de 2010, para jogar pelo Flamengo.

Caiu nas graças da torcida rubro-negra ao ser o herói da classificação do time para a final da Taça Guanabara, ao defender duas cobranças de pênaltis diante do Botafogo. Ao término do Estadual de 2011 e com o Mais Querido campeão, foi eleito o goleiro do torneio.

Entre alguns problemas e outros, seguiu como titular nos anos seguintes e conquistou uma Copa do Brasil em 2013 pelo Flamengo.

Sendo assim, teve momentos na equipe titular nas temporadas de 2011 até 2014.

2010: Marcelo Lomba

Com a saída de Diego para o Ceará, Lomba se tornou em 2010 o reserva imediato de Bruno, e após o problema judicial do titular, se tornou o dono da posição no segundo semestre daquela temporada. Com o Flamengo brigando para fugir da zona de rebaixamento, o goleiro foi duramente criticado pela torcida e ano seguinte foi emprestado para o Bahia.

Lomba teve momentos de titular apenas em 2010.

2006 até 2010: Bruno

Após uma rápida passagem pelo Corinthians, Bruno chegou ao Flamengo em 2006 cercado de desconfiança. Após a lesão do titular Diego, o goleiro assumiu a posição de titularidade em setembro e seguiu como principal jogador da posição do rubro-negro até 2010.

Nas temporadas de 2007, 2008 e 2009, Bruno colocou seu nome na história do clube ao conquistar títulos Estaduais defendendo diversos pênaltis e sendo o capitão da equipe que foi campeã do Campeonato Brasileiro. Sendo apontado como o melhor goleiro do Brasil e recebendo sondagens do Milan e do Zenit-RUS, o atleta estava prestes a acertar sua ida para o futebol europeu, quando ocorreu um problema judicial que determinou sua prisão em 2010. O atleta foi demitido por justa causa em julho daquele ano. Sua multa era fixada em R$ 20 milhões (€ 9 milhões aproximadamente). Sendo assim, teve momentos na equipe titular nas temporadas de 2006 até 2010.

2005 até 2006: Diego

Diego subiu ao time profissional do Flamengo em 2001 e estreou no ano seguinte. Porém, somente assumiu a vaga de titular em 2005, após a saída de Júlio César, que havia sido negociado com a Inter de Milão. Desta forma, ele foi o goleiro na conquista da Copa do Brasil de 2006; contudo, mais tarde, naquele mesmo ano, Diego acabou sofrendo uma contusão e, graças as boas atuações do recém-contratado goleiro Bruno, retornou ao banco de reservas.

Em 2007, chegou a ser titular em duas ocasiões, em virtude da complicada renovação do contrato de Bruno, todavia, voltou à reserva, uma vez que a permanência de Bruno foi confirmada. Sendo assim, teve momentos na equipe titular nas temporadas de 2015 e 2016.

2000 até 2004: Julio César

Aos 17 anos foi promovido pro time profissional e conquistou quatro Campeonatos Cariocas (1999, 2000, 2001 e 2004), uma Copa dos Campeões Mundiais (1997), uma Copas dos Campeões (2001) e uma Copa Mercosul (1999). De 1997 a 2000, foi reserva de Clemer. Em 2000, assumiu a titularidade da meta do Flamengo durante a Copa João Havelange

As boas atuações com a camisa do Flamengo renderam a primeira convocação para a Seleção Brasileira, em 2002. Suas defesas foram determinantes para que o rubro-negro não fosse rebaixado em 2001, 2002 e 2004. Então, veio o reconhecimento internacional, que o levou a transferir-se para a Inter de Milão em 2005.

Sendo assim, teve momentos na equipe titular nas temporadas de 2000 até 2004.

1997 até 2000: Clemer

Após se destacar na temporada de 1996 com a Portuguesa, Clemer foi contratado pelo Flamengo e ficou no clube de 1997 até 2002. Porém apenas até 2000 foi titular. Apesar de sofrer com alguma instabilidade, levantou pelo menos sete taças pelo time rubro-negro. Porém, a profissionalização de Júlio César acabou ofuscando o potencial de Clemer, e quando saiu da Gávea, o ex-goleiro já houvera sido relegado à condição de reserva. Sendo assim, teve momentos na equipe titular nas temporadas de 1997 até 2000.

Ajude a divulgação rubro-negra de qualidade: Seja apoiador do MRN e participe do nosso grupo de Whatsapp.

Créditos de imagem destacada: Reprodução

Compartilhar: