Compartilhar:

Afirmando que tem uma relação “excelente” com o Flamengo, o presidente da Ferj, Rubens Lopes, adotou, em entrevista à Fox Sports, um discurso apaziguador sobre duas decisões do clube que diminuem o já reduzido interesse na competição: a de disputar a Taça Guanabara com um time formado por jovens oriundos da base e que ainda fazem parte do sub-20 e de não assinar um novo contrato com a Globo para o televisionamento da competição.

— Isso é uma consequência do calendário, que não permite outra história. O Flamengo entrou de férias no dia 22, tem que cumprir 30 dias de férias, depois uma pré-temporada, não há alternativa. Ele tem que jogar com o que tem. Mas é um elenco forte. Todos esses atletas têm condições de jogar no time titular do Flamengo, alguns deles já deram demonstrações disso. Eu não vejo nenhum problema, e nenhum risco para o Flamengo, nenhum risco para o campeonato — afirmou Rubinho sobre o grupo com o qual o rubro-negro iniciará o campeonato.

Em campeonatos recentes, porém, a Ferj chegou a incluir no regulamento limites para a inscrição de atletas sub-20 para impedir que o Flamengo escalasse times reservas no campeonato.

Sobre a não renovação do Flamengo com a Globo para a transmissão do campeonato, Rubinho afirmou que os demais clubes devem estar preparados, já que esse era um cenário possível desde 2017, quando o Flamengo assinou um contrato de duração menor do que o dos demais clubes.

— O que é tratado tá certo. Isso é uma situação que foi prevista de acontecer desde 2016. Todos quando assinaram o contrato, e o Flamengo assinou a posteriori, sabiam que em determinado momento isso poderia acontecer. Não é surpresa pra ninguém e todos têm que ter se preparado para esse tipo de acontecimento. Em relação a Fluminense, Botafogo e Vasco, não há alteração nenhuma, porque isso não altera nas cotas que eles vão receber, com Flamengo ou sem Flamengo. Os demais evidentemente vão sofrer uma redução das suas cotas, mas mesmo com essa redução o que resta vai ser muito mais do que o dobro do que eles recebiam antes desse contrato — afirmou o presidente da Ferj.

O Flamengo é o único clube que assinou contrato individualmente com a Globo para o triênio 2017-2019, enquanto as demais equipes delegaram à Ferj o acerto que vai até 2024. O contrato da Ferj com a Globo prevê a perda de R$ 18 milhões no pagamento. A Ferj decidiu não mexer nas cotas dos outros três grandes, aumentando a redução das cotas de televisionamento dos pequenos.

Rubinho, disse, porém, ter a expectativa de que Globo e Flamengo chegarão a um acordo.

— A expectativa que nós temos é que esse assunto Flamengo e televisão se resolva. Evidentemente que vai se resolver. Ambas as partes têm sua razão. A televisão querendo manter um resultado com menor custo, é claro, e o Flamengo com toda justiça e eu acho que lógica querendo receber pela importância que ele tem e pelo que ele significa para aquela competição nesse momento. Os dois têm sua razão, mas eu acredito que isso venha a se resolver. Em não se resolvendo, eu não vejo grande problema para o campeonato. O Maracanã vai encher.

Rompidos na era Eduardo Bandeira de Mello depois de um episódio em que houve uma ríspida discussão entre o então presidente do Flamengo e o presidente da Ferj em uma reunião durante o Carioca de 2015, Flamengo e Ferj se enfrentaram em várias batalhas jurídicas nos últimos anos, como a disputa pela exploração dos direitos das placas comerciais nos estádios nos jogos do Carioca. Com a eleição de Rodolfo Landim, porém, o Flamengo decidiu se reaproximar institucionalmente da Ferj. Em setembro, o presidente da Ferj foi convidado pelo clube para ser chefe da delegação na viagem para enfrentar o Grêmio em Porto Alegre pelas semifinais da Libertadores.

Compartilhar: