Pressão, dificuldades no mercado e novos testes: os problemas nas laterais do Flamengo

Lucas Tinoco
Baiano, 22 anos e estudante de jornalismo. Sócio-Torcedor Off-Rio e acima de tudo rubro-negro! Twitter: @lucastinocof

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Maior alvo de críticas do torcedor flamenguista na temporada de 2017, as laterais do Mais Querido seguem sem reforços. A falta de solução por parte do clube na busca por reforços para o setor vem causando impaciência nos rubro-negros.

Na busca por nomes que caibam no cofre não tão recheado no início do ano, como destacou o VP de Finanças em entrevista para o MRN, o Flamengo até agora tem assumido uma posição calma perante a um mercado difícil, contratando até aqui Júlio César, Marlos Moreno e, mais recentemente, Henrique Dourado. Esta dificuldade parece ser ainda maior no que diz respeito às laterais, com poucas opções capazes de solucionar a constante exposição do time nos flancos defensivos.

Nova-velha solução

Percebendo que não será uma tarefa tão fácil, Paulo César Carpegiani tem testado uma nova-velha solução para o lado esquerdo. Durante esta semana, o comandante rubro-negro usou Éverton, originalmente ponta-esquerda, na função de lateral, mesmo com opções como Trauco, titular em 2017, e Renê, reserva do peruano. O camisa 22, no entanto, já está acostumado a ser usado na posição. Em 2009, ano do hexacampeonato do Flamengo, ele foi o substituto de Juan ao longo de boa parte do Brasileirão, ganhando muitos elogios e ajudando na arrancada vermelha-preta. No ano passado, principalmente com Reinaldo Rueda, o jogador de 29 anos passou para o setor em ocasiões nas quais o Maior do Rio se encontrava atrás no marcador, abrindo espaço para um ponta mais incisivo, como Vinícius Júnior.

Única tentativa

O nome mais clamado pela Nação é o do lateral Zeca, que briga na justiça para se desvencilhar do Santos. O Fla parecia ser o destino mais provável para o jovem atleta, mas a equipe repentinamente deu um passo atrás, preocupado com possíveis desdobramentos do caso no futuro que poderiam atrapalhar o negócio.

Nesta semana, no entanto, rumores voltaram a apontar para um possível desfecho positivo nas negociações entre Zeca e Flamengo. O grande trunfo do atleta, além da qualidade técnica, é a versatilidade, podendo atuar em qualquer uma das laterais.

Opções na direita

O elenco rubro-negro conta com quatro opções de laterais-direitos de origem. São eles: Pará, Rodinei, Klebinho e Wesley.

Pará é um atleta inconsistente. De bom físico, não costuma se lesionar e foi um dos que mais vezes entraram em campo em 2017. É, no entanto, um dos principais alvos da Nação, por marcar mal, ser um dos que mais cometem falhas cruciais e, no momentos ofensivos, ser pouco efetivo.

Rodinei é o nome que mais gera controvérsias entre os torcedores, havendo muito equilíbrio entre os que querem ele no time e os que querem a sua saída. Foi importante nos duelos decisivos contra o Fluminense na final do Campeonato Carioca e chegou a balançar as redes na Libertadores. É forte fisicamente, veloz, mas tem sido pouco preciso defensivamente e pouco efetivo ofensivamente.

Klebinho é uma promessa rubro-negra e torcedores também pedem que seja usado no time principal. Marca bem e é forte, tanto que chegou no clube como volante. No entanto, tem a velocidade e o apoio como características importantes em seu jogo e que o “empurraram” para a lateral. Além de tudo isso, foi o dono da bola parada no time sub-20.

Wesley é mais um lateral promessa do rubro-negro. Titular absoluto na Copinha deste ano, esteve ausente na final e o time acabou sofrendo naquele lado. Craque não só da base do Flamengo, foi o titular do Brasil na campanha que culminou no terceiro lugar do Mundial sub-17.

Opções na esquerda

Já os quatro laterais-esquerdos de origem são: Trauco, Renê e os jovens Michael e Ramon.

O peruano foi o titular em 2017, encantou logo no início, mas caiu drasticamente de rendimento. Com constantes falhas de cobertura e marcação, Trauco despertou a ira dos rubro-negros. Apesar de fraco defensivamente, o camisa 13 tem qualidades ofensivas, como cruzamento, passe e finalização. Ainda assim, foi mal em todos os três quesitos, dando ênfase a sua temporada abaixo do esperado.

Renê chegou para ser a opção defensiva para a lateral-esquerda. No Sport, seu time anterior, chamou atenção pelo bom posicionamento, por ser um marcador “carrapato” e de forte finalização. Ao longo de 2017 caiu em desgraça, não ajudando a corrigir o problema para o qual foi contratado.

Michael (18 anos) e Ramon (16) são as jovens peças da posição. O primeiro é considerado uma das maiores joias rubro-negras e um dos melhores laterais que já passaram pela base do clube. Foi titular no início da campanha que culminou no tetra da Copinha, mas teve problemas com uma lesão na coluna. O segundo assumiu a vaga no torneio, foi bem e até estreou pelos principais no Campeonato Carioca.

Michael é, para parte dos especialistas em base, melhor que Jorge. Não fossem as lesões, poderia já ter ganhado chances no time principal. Bem fisicamente pode ser a melhor das soluções: cria da casa, jovem e barato.

Estatísticas no Brasileirão 2017:
  • Mais jogos: Pará (29) e Trauco (23);
  • Mais assistências: Rodinei (3) e Pará (1);
  • Mais cartões: Trauco (5 amarelos e 1 vermelho) e Rodinei (4 amarelos e 1 vermelho);
  • Menos cartões: Pará (2 amarelos) e Renê (3 amarelos);
  • Mais cruzamentos certos: Pará (30) e Renê (16);
  • Mais cruzamentos errados: Pará (111) e Trauco (68);
  • Maior precisão em cruzamentos: Renê (25%) e Pará (21,3%);
  • Mais desarmes certos: Trauco (45) e Renê (41);
  • Mais desarmes errados: Trauco (6) e Renê (5);
  • Maior precisão em desarmes: Rodinei (95,7%) e Renê (89,1%);
  • Mais faltas recebidas: Pará (26) e Rodinei (15);
  • Mais faltas cometidas: Trauco (36) e Renê (27);
  • Mais finalizações certas: Trauco (6) e Rodinei (6);
  • Mais finalizações erradas: Trauco (12) e Pará (12);
  • Maior precisão em finalizações: Rodinei (50%), Trauco e Renê (33,3%);
  • Mais gols: Rodinei (2), Pará e Trauco (1);
  • Mais interceptações certas: Pará e Renê (5);
  • Maior precisão nas interceptações: Pará e Trauco (100%);
  • Mais lançamentos certos: Trauco (46) e Renê (27);
  • Mais lançamentos errados: Trauco (65) e Pará (57);
  • Maior precisão em lançamentos: Renê (42,2%) e Trauco (41,4%);
  • Mais passes certos: Pará (1308) e Trauco (1055);
  • Mais passes errados: Trauco (100) e Pará (98);
  • Maior precisão nos passes: Pará (93%), Trauco e Rodinei (91,3%);
  • Mais pênaltis cometidos: Trauco (1);
  • Mais posses de bola perdidas: Pará (54) e Trauco (44);
  • Mais rebatidas: Pará (82) e Trauco (64);
  • Mais viradas de jogos certas: Pará (9) e Trauco (4);
  • Maior precisão em viradas de jogo: Trauco (100%) e Pará (90%).

*Créditos da imagem destacada: Gilvan de Souza/Flamengo

*Pauta sugerida pelo torcedor Péricles Cabral

Notícias do Flamengo

Blogs