Compartilhar:

O lateral-direito Rafinha abriu um processo contra o jornal “O Globo” e os jornalistas Bruno Marinho e Diogo Dantas por conta da reportagem que apontava um suposto conflito de interesses entre a presença do jogador no elenco do Flamengo e a representação de outros jogadores do clube pela R13 Fussball empresa da qual, segundo a matéria, Rafinha seria sócio.

Na ação, Rafinha diz que é apenas cliente da empresa, que pertence a seu amigo Ricardo Scheidt, e que os outros jogadores do Flamengo que assinaram com a empresa após sua chegada – Rodinei, hoje emprestado ao Internacional, e Matheus Dantas – o fizeram por conta própria, Os advogados ainda ressaltam que Rafinha não teve qualquer participação na transferência de Léo Pereira, outro jogador representado pela R13 Fussball, já que o zagueiro já era agenciado pela empresa antes da contratação do lateral e o Flamengo já havia tentado trazer o ex-athleticano em janeiro de 2019, meses antes de contratar Rafinha.

A ação pede que o jornal publique um direito de resposta de Rafinha e que seja condenado, junto com os autores da matéria, a uma indenização de R$ 60 mil por danos morais.

Eis a íntegra do texto de direito de resposta que a ação pede que seja publicado:

“O atleta Rafinha, lateral-direito do Clube de Regatas do Flamengo, vem a público repudiar as matérias elaboradas pelos jornalistas Bruno Marinho e Diogo Dantas e publicadas pelo jornal O Globo, as quais afirmam de forma irresponsável que o lateral Rafinha seria empresário de jogadores e estaria agindo em conflito de interesses perante o Flamengo.

Em seus quase 20 (vinte) anos de carreira profissional, Rafinha sempre foi reconhecido por seu profissionalismo e dedicação, se tornando um dos mais vitoriosos jogadores em atividade no futebol mundial.

Em razão de seu sucesso como jogador e de seu perfil carismático, Rafinha conquistou um enorme número de fãs e admiradores, sendo hoje jogador do Clube de maior torcida do do Mundo.

Em razão de sua relevância no cenário esportivo, Rafinha tornou-se um exemplo de pessoa e profissional para muitos, não podendo, assim, silenciar-se diante de acusações falsas que lhe maculam a honra, ética e dignidade.

É público e notório que o futebol se tornou um mercado que envolve grandes negociações comerciais e que os jogadores, na maioria dos casos, não possuem conhecimento ou tempo para gerir as próprias carreiras, transferindo esse encargo para outras pessoas, os chamados agentes.

Para que pudesse focar apenas em seu desempenho esportivo, Rafinha confiou a gestão de sua carreira ao ex-jogador (com quem atuou no Coritiba Football Club), e seu amigo, Ricardo Scheidt, para que esse pudesse lhe auxiliar nas questões comerciais de sua carreira de jogador, permitindo que o atleta pudesse se dedicar, exclusivamente, aos treinos, jogos e demais atividades relacionadas ao Club de Regatas do Flamengo.

Rafinha esclarece que não é e nunca foi sócio da empresa R13 Fussball, a qual pertence a Ricardo Scheidt. Rafinha é, como outros vários jogadores, apenas um cliente dessa empresa.

De igual maneira, não há qualquer prova que demonstre que Rafinha obteve vantagem financeira ou exerceu qualquer influência na transferência do zagueiro Leo Pereira para o FLAMENGO ou em qualquer outra transação intermediada pela empresa R13 Fussball.

É importante destacar que o zagueiro Leo Pereira é agenciado pela R13 Fussball desde outubro de 2018 e que em janeiro de 2019 já havia rumores na imprensa do interesse do Flamengo no jogador. Ou seja, muito antes de Rafinha se transferir para o Flamengo, o que ocorreu apenas em junho de 2019.

De igual maneira, não houve qualquer influência de Rafinha para que os jogadores Rodinei e Matheus Dantas tenham procurado e contratado os serviços de agenciamento da R13 Fussball. Foram os próprios jogadores que, por sua própria vontade, procuraram o Sr. Ricardo Scheidt, sem qualquer intermediação por parte de Rafinha.

É mais do que normal que agentes sejam responsáveis pela gestão da carreira de mais de um jogador, e assim, invariavelmente, ocorrerá de um time ter dois ou mais jogadores representados pelo mesmo agente. No entanto, nunca houve qualquer ato praticado por Rafinha para aliciar, induzir, captar qualquer jogador para a empresa R13 Fussball ou qualquer outra empresa. Assim, Rafinha reitera seu imenso respeito e apreço pelos jogadores do Clube de Regatas do Flamengo e seus empresários, bem como pelo Clube, comprometendo-se a continuar agindo com a mesma transparência, ética, profissionalismo e dedicação que pautou toda a sua vitoriosa carreira.

Por fim, Rafinha informa que, em respeito ao Flamengo, sua torcida, seus jogadores e a todos que de alguma forma lhe admiram como jogador e como pessoa, não irá tolerar acusações falsas e agressões a sua honra e dignidade, tomando todas as medidas cabíveis para a defesa de seus direitos.”

Compartilhar: