Compartilhar:

Lucas Tinôco, do MRN Informação

Rodrigo Caio voltou a treinar junto com o elenco principal no final de janeiro, mas sofreu um corte no joelho e desfalcou o clube na primeira partida pós-férias. Nesta segunda (10), porém, o zagueiro voltou a treinar no campo e pode reforçar a equipe na Supercopa.

Nas últimas partidas o Flamengo atuou com Gustavo Henrique e Matheus Thuler (vs. Resende) e Gustavo Henrique e Léo Pereira (vs. Madureira). Vale lembrar que, nesta última, a zaga foi formada por dois recém-contratados do rubro-negro.

Rodrigo Caio é o único zagueiro titular remanescente, já que Léo Duarte deixou o time já no meio do ano e Pablo Marí foi emprestado para o Arsenal no último mês. O Fla teve que correr atrás para se reforçar e garantiu Gustavo Henrique a custo-zero além de comprar Léo Pereira junto ao Athletico Paranaense.

A expectativa é que o camisa 3 volte a atuar no próximo domingo, às 11h00, diante do Furacão, pela decisão da Supercopa do Brasil, que retorna ao calendário brasileiro após 18 anos e com premiação de R$ 5 milhões para o campeão.

Histórico da competição

Pouca gente se lembra, mas esta será a terceira edição da competição, criada em 1990. Naquele ano, o Grêmio bateu o Vasco e levou o título.

No ano seguinte, houve a primeira participação do Flamengo no torneio. Campeão da Copa do Brasil de 1990, o time que tinha Júnior e cia acabou derrotado pelo Corinthians.

Há quem diga, no entanto, que a decisão de 2020 será a quarta edição. Isso pelo fato de, em 1992, Flamengo e Paraná, campeões da primeira e segunda divisão do Campeonato Brasileiro, terem feito um amistoso, vencido nos pênaltis pelo Mais Querido.

O Flamengo, contudo, não reconhecia aquele jogo como título até colocá-lo em sua lista de troféus como “Taça dos Campeões Brasileiros”.

Compartilhar: