36.3 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 27, 2021

[Análise] As soluções de Carpegiani no bom Bahia de 2017

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Depois de fazer bom trabalho no Bahia em 2017, Paulo César Carpegiani chega ao Flamengo após saída de Rueda. Veja o estudo que Rodrigo Coutinho fez sobre o comportamento coletivo da equipe baiana.

 
Novo técnico do Flamengo após o pedido de demissão de Reinaldo Rueda, Paulo César Carpegiani fez um bom trabalho no Bahia em 2017. Fiz um estudo sobre os comportamentos coletivos da equipe dirigida por ele e os trago aqui. Um time escalado na maioria das vezes no 4-1-4-1 e que buscava propor por jogo, apesar de levar mais perigo nas transições ofensivas em velocidade.

48% de posse de bola foi a média do Bahia sob o comando do novo técnico rubro-negro. Um time que tentava controlar o jogo através da pose e até apresentou alguns mecanismos interessantes ofensivos, mas defensivamente tinha dificuldades de intensidade na abordagem de marcação. Sob o comando de Carpegiani o Bahia seria o sexto time que mais trocou passes na Série A, mas o percentual de acerto não era tão alto(79%). 86% dos passes dados eram curtos e a presença no último terço do campo era alta. 1 de cada 3 passes lá.

Faltava uma coordenação maior em fase ofensiva. Apesar de ocupar bem os espaços, no terço final do campo não envolvia tanto. Por isso o grande número de passes trocados, um pouco incompatível com as 11 finalizações por jogo. O número baixo de passes chave(assistências para finalização) por jogo também é outro indicativo disso.

Não deixe de ler também: Ofensivo e com toques rápidos: como seria um Flamengo baseado no Bahia de Carpegiani

Defensivamente o Bahia de Carpegiani não tinha números relevantes. 24 desarmes por jogo e 14 interceptações de bola. Uma equipe que oscilava demais na intensidade em fase defensiva e com problemas no balanço defensivo. Atacava sem o número necessário de jogadores por trás da linha da bola para impedir contra-ataques perigosos. O alto número de faltas cometidas corrobora isso.

E o fato de ser a equipe que mais sofreu faltas mostra a capacidade do Bahia de Carpegiani com espaços. No gráfico da origem dos gols marcados sob o comando de Carpegiani vemos a quantidade de gols de pênalti. Quase todos eles sofridos em transições ofensivas. Edgar Junio foi o grande expoente dessa realidade. Vejam o alto percentual de gols em contra-ataques. A bola aérea ofensiva também era uma força.

Já no gráfico de gols sofridos, vemos que o lado direito da defesa, onde Eduardo atuava, era o mais frágil. Faltou proteger mais o setor. Alerta ligado para Trauco no Fla. A bola parada defensiva, com sistema de marcação individual, também foi um problema para o Bahia de Carpegiani. Com a bola rolando o Bahia marcava sob o sistema de encaixes no setor e perseguições curtas. O mesmo de Rueda no Flamengo e Zé Ricardo também. No Tricolor de Aço o problema era a intensidade, muito irregular, dava liberdade ao adversário que tinha a bola muitas vezes.

Um exemplo de algo que passou a funcionar defensivamente a medida que os jogos foram se desenvolvendo: os volantes preenchiam a última linha de defesa quando o lateral saía para dar combate e também fechavam o “funil”, a entrada da área.

Havia uma chegada muito forte pelo lado direito quando estava em fase ofensiva, mas não conseguiu nenhum gol pelo setor pelos muitos erros de cruzamento de Eduardo e tomadas de decisão equivocadas. Rodinei pode ser este jogador no Flamengo, mas assim como o atleta do Bahia, precisa melhorar na tomada de decisão final das jogadas.


 

O Bahia de Carpegiani

Um provável Flamengo de Carpegiani

 
Imagens do post: Rodrigo Coutinho. Foto destacada no post e redes sociais: Gilvan de Souza / Flamengo.
 


Rodrigo Coutinho é assessor de imprensa da Mocidade Independente. Colunista do site Linha Alta e comentarista na rádio Mais Esportes
 
 
Seja APOIADOR do Mundo Rubro Negro. Sua contribuição é toda destinada à equipe MRN Informação de jornalismo. ?

::NOVA CAMPANHA::

OBJETIVO: R$ 3.000 PARA O ALUGUEL DA NOSSA REDAÇÃO*
ATUAL: R$ 711

? R$ 5/mês
– Nome no quadro de agradecimentos fixado na página principal do site.
? R$ 10/mês
– Nome no quadro de agradecimentos fixado na página principal do site;
– Participação no grupo exclusivo de Whatsapp do MRN, que conta com a presença de outros apoiadores, nossos blogueiros e colaboradores.
? R$ 20/mês
– Nome no quadro de agradecimentos fixado na página principal do site;
– Participação no grupo exclusivo de Whatsapp do MRN, que conta com a presença de outros apoiadores, nossos blogueiros e colaboradores;
– Publicar textos no blog Cultura Rubro-Negra.
? R$ 50/mês
– Nome no quadro de agradecimentos fixado na página principal do site;
– Participação no grupo exclusivo de Whatsapp do MRN, que conta com a presença de outros apoiadores, nossos blogueiros e colaboradores;
– Publicar textos em um blog exclusivo, concebido pelo próprio apoiador;
– Participar de reuniões pautas online e offline com a equipe MRN Informação.
? R$ 200/mês*
– O apoiador pode anunciar sua empresa, produto ou serviço. Antes de aderir a esta modalidade de apoio, entre em contato com o nosso marketing. *À combinar

 
Acesse apoia.se/mrn ou entre contato diretamente pelo nosso email ([email protected]) ou Whatsapp: 21 99419-6540.
Leia na plataforma MRN Blogs: Pensando no futuro, Mengão revisita seu passado

Notícias do Flamengo

- Advertisement -

Blogs