Compartilhar:

Em 15 de janeiro de 2017, Rômulo chegava no Flamengo nos braços da torcida, com festa no aeroporto e nas redes sociais. Pouco menos de três anos depois, Rômulo encerra o ciclo no clube saindo pela porta dos fundos, em meio a uma mistura de indiferença e alívio. O Flamengo anunciou ontem à noite a rescisão amigável do contrato do volante, que ia até o fim deste ano, e poucas horas depois ele foi anunciado como reforço do clube chinês Shijiazhuang Ever Bright, recém-promovido para a Primeira Divisão local.

Rômulo chegou ao Flamengo cercado de grande expectativa. Revelado pelo Vasco, ele se destacou e chegou à seleção brasileira antes de se transferir para o Spartak Moscou, onde sofreu uma grave lesão no joelho. Aos 26 anos, chegou à Gávea com um contrato de quatro anos para ser titular no meio-campo, substituindo Márcio Araújo, que não contava com a simpatia da torcida — o que reforçou o entusiasmo da torcida com a contratação. A expectativa aumentou ainda quando em um de seus primeiros jogos, Rômulo marcou um dos gols na goleada contra o San Lorenzo, por 4×0, na estreia da Libertadores de 2017.

O cartão de visitas, porém, nunca se confirmou. Rômulo nunca recuperou a melhor forma física e técnica e jamais se firmou como titular do Flamengo. Aos poucos, com a ascensão de Cuéllar, foi saindo até da rotação, tendo raras oportunidades. Os 26 jogos – 17 como titular – em 2017 caíram pela metade no ano seguinte – apenas 6 começando a partida. O gol marcado contra o San Lorenzo acabou sendo o único do volante no clube.

Fora dos planos, foi emprestado para o Grêmio em 2018, como uma das apostas do técnico Renato Gaúcho com sua tradição de recuperar bons jogadores em má fase. Também não deu certo. Apesar de ter feito mais partidas – 30 – graças ao rodízio implantado por Renato, que usou muito o time reserva ao longo da temporada, e ter vivido o ponto alto de marcar o gol no Gre-Nal, também nunca virou titular e, embora o clube gaúcho tenha manifestado certo interesse em mantê-lo, no fim considerou que não havia o investimento.

A rescisão amigável evita que o Flamengo tenha que arcar com os salários de Rômulo — ou parte deles, em caso de novo empréstimo — por mais um ano. Na época da contratação, o valor mensal ventilado era de cerca de R$ 300 mil, mas é provável que esse valor tenha sofrido reajustes, ao menos de correção da inflação, ao longo deste período. De todas as maneiras, são cerca de R$ 4 milhões de economia para o Flamengo ao longo da temporada.

Compartilhar: