Deficiências na marcação e na criação no setor causam problemas ao Rubro-Negro

MRN Informação | Thiago Porto – Twitter: @ThiagoPortin

O Flamengo segue em boa fase. Apesar das atuações não muito convincentes nas últimas partidas, a equipe rubro-negra superou os desfalques e a maratona de jogos para vencer Vasco e Goiás, por 2 a 1, com duas viradas, mostrando que não falta vontade aos jogadores. Domenéc Torrent chegou a dizer que o “espírito rubro-negro voltou”.

Chamou a atenção, no entanto, como o lado direito da equipe sofreu, tanto defensiva quanto ofensivamente, com as ausências do lateral chileno Isla e de Éverton Ribeiro, que estavam com suas seleções.

Contra o Vasco, é fato que o gol sofrido foi originado após Bruno Henrique perder uma bola na esquerda, mas chama a atenção como Matheuzinho desistiu de acompanhar Talles Magno, que entrou por trás de Gustavo Henrique e recebeu sozinho. No lance do gol corretamente anulado pelo VAR, que daria o empate ao Vasco, Matheuzinho, de novo, deixou Guilherme Parede sozinho e o atacante vascaíno entrou nas costas da defesa para dar o passe para Cano.

Ofensivamente, Gerson atuou no setor e, mesmo deslocado, tentou criar bons lances com a ajuda de Diego. Porém, era nítido que o time era mais perigoso em infiltrações pelo meio ou nas jogadas pela esquerda com Bruno Henrique, como no lance do gol da virada.

Já contra o Goiás, a deficiência do lado direito ficou ainda mais evidente. O time goiano surpreendeu o Flamengo e abriu o placar no início do jogo, em lançamento de Keko nas costas de Matheuzinho, que encontrou Vinícius Lopes sozinho para marcar.

Depois, o Esmeraldino se fechou e o Flamengo promoveu um verdadeiro bombardeio em finalizações: 31 contra 6 do Goiás. Mas o time era muito dependente das jogadas de Bruno Henrique pela esquerda. O primeiro gol saiu de assistência do camisa 27. O segundo saiu após um chute frontal de Arão, que parou nos pés de Pedro.

Gerson atuou centralizado e, cansado da intensa sequência de partidas, não rendeu como nos últimos jogos. Michael, escalado como extremo pela direita, se esforçou e até acertou dois cruzamentos para Bruno Henrique, mas não conseguiu render bem, errou muitos passe e finalizações e irritou a torcida. Até Dome chegou a perder a paciência com o camisa 19, mas mesmo assim decidiu mantê-lo até o fim do jogo.

Nesta quinta-feira o Flamengo continua sua maratona contra o Red Bull Bragantino, às 20h, no Maracanã, pela 16ª rodada do Brasileirão. O técnico catalão ainda não sabe se vai poder contar com Isla, Éverton Ribeiro e Rodrigo Caio, mas deve mandar a campo um time bem diferente do que atuou nas últimas partidas.

Gostou desse conteúdo? Nós acreditamos ser possível falar sobre o Flamengo com qualidade. Se você também acredita, clique aqui e torne-se apoiador do MRN.