Sugestões para o Flamengo eSports não ficar às cegas

No primeiro post sobre eSports, trouxe aqui alguns pontos com necessidades de mudança no Flamengo eSports. Um desses pontos é a comunicação nas redes sociais, que nos deixa às cegas nas competições que disputamos.

Para contextualizar, é importante entender que nos eSports, especialmente nas modalidades mobile, temos uma descentralização das competições.

- Advertisement -

O time de Free Fire joga duas ou três competições, sendo uma organizada pela Garena (LBFF B) e as demais organizadas por grupos independentes que utilizam as mais diversas plataformas – e ainda temos a equipe academy.

Leia também: A necessidade de uma reformulação no Fla Esports

- Advertisement -

O Wild Rift, que está em um estágio embrionário, começou a ter uma competição oficial organizada e transmitida pela Riot há poucos meses. Porém, a maioria das competições são organizadas por criadores independentes. Atualmente temos três equipes nessa modalidade, sendo a principal, a academy e a feminina.

Imaginem agora como é acompanhar o Flamengo no League of Legends, PUBG Mobile, PES, Wild Rift, Free Fire e Brawl Stars, tendo que abrir diversas plataformas e seguir diversos organizadores. Sinceramente, não me parece nada prático. Além disso, atualmente só sabemos que terá jogo quando o Flamengo tuíta, e o faz somente uma hora antes da partida, onde sequer avisa o resultado.

Para resolver, é necessário ter uma reformulação das redes sociais. O primeiro passo é fazer o tempo real no Twitter e os principais destaques nos stories do Instagram. Cabe aqui exaltar a grande evolução vista durante a final do CBLOL Academy, onde foram feitas threads para cada jogo, o que mantém os torcedores informados e a timeline organizada. Agora precisamos replicar o modelo para outras modalidades.

Outro ponto importante para destacar é como o Flamengo utiliza mal seus influenciadores. Muitas vezes parece que só foram contratados para fazer um post anunciando que são influenciadores do Flamengo, usando uma moldura simples em suas transmissões. Precisamos utilizar a força deles para divulgar os jogos e chamar a torcida.

Então, para resolvermos diversos desses problemas, venho aqui sugerir a criação de um site e/ou um app, onde serão centralizadas as informações.

Organização do site

  • História: é fundamental ter uma página com a história da organização e todos os títulos ganhos – uma espécie de museu virtual.
  • Modalidades: cada modalidade deve ter uma página específica com o perfil de cada jogador ou profissional da comissão técnica, vídeos/lives da modalidade, classificação, notícias e qualquer tipo de conteúdo relevante.
  • Calendário: aqui seriam organizadas as datas, horários e locais de transmissão de cada partida, podendo inclusive levar o usuário à página da modalidade com o link da transmissão embedado. Em um possível app, seria importante notificar o usuário sobre o início das partidas.
  • Influenciadores: assim como os jogadores, cada influenciador deve conter um perfil contando sobre o tipo de conteúdo criado, as redes sociais usadas, vídeos feitos no canal do Flamengo, etc.
  • Patrocinadores: aqueles que apoiam o projeto devem ser valorizados, por isso precisam estar destacados logo na entrada do site, podendo ter alguma página específica para divulgar ações e/ou produtos.
  • Loja: por fim, é imprescindível que tenhamos uma loja com produtos exclusivos e personalizados, além de oferecer os produtos dos patrocinadores.

Claro que aqui são sugestões pessoais e provavelmente esqueci algum ponto importante, então fica o convite para comentar em nossas redes sociais o que mais deveria ter em um projeto desse tipo.

Precisamos do seu apoio para fazer o melhor site de jornalismo sobre o Flamengo. Clique AQUI e saiba como se tornar nosso apoiador!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here