Compartilhar:

O diário de um torcedor que leva na bagagem muito mais do que apenas a vontade de estar ao lado do seu clube em uma final de Libertadores

Por Raphael Costa e Diogo Almeida.

Após 38 anos de espera, o Flamengo volta a decidir uma Copa Libertadores da América. O jogo acontecerá neste sábado, dia 23 de novembro, às 17h no horário de Brasília, no estádio Monumental U, em Lima.

Milhares de rubro-negros estarão na capital peruana. Eles chegarão por todos os meios possíveis. Santiago era o destino inicial da primeira edição decidida em jogo único. Com a explosão de protestos populares contra o governo chileno, a Conmebol se viu obrigada a levar o jogo para outra cidade. 

Acesse agora useartillero.com e concorra a uma camisa irada na promoção de lançamento do site!

A mudança no local do jogo dificultou a vida de muitos torcedores que organizaram suas logísticas com boa antecedência. Muitos tiveram consideráveis perdas financeiras com a troca. Entretanto, ver o Mengão na final da Libertadores in loco é levar a sério o lema “onde estiver estarei”. Nada vai demover o esforço dessa gente de apoiar Fuderoso em sua partida internacional mais importante após aquela vitória contra o Cobreloa no mesmo 23 de novembro, há 38 anos.

Tarcísio Torres é um estudante de Design de 25 anos que mora no Rio de Janeiro. Do seu avô, ex-conselheiro do Flamengo na Era Zico, herdou o nome Tarcísio, o amor pelo Flamengo e uma faixa de campeão mundial confeccionada pelo clube e ofertada apenas para seus conselheiros após o 3×0 no Liverpool. O nome, o amor, a faixa. 38 anos depois. Ele precisa ir a Lima.

E ainda há sua própria trajetória como torcedor. Sua história de amargar torcer para tantos e tantos times do Flamengo ruins ao longo deste século. Ver esse Flamengo de certa forma é homenagear sua lealdade nos anos difíceis. Seria uma injustiça com ele mesmo não ver esse time ser bicampeão. 

Sua viagem para Santiago estava planejada junto a uma operadora de turismo. A mudança do local forçou o cancelamento do pacote comprado após as quartas de final, quando o Flamengo despachou o Internacional. Ficou sem grana para a passagem e a hospedagem em Lima. Mas ele ainda tinha fé em uma possibilidade. 

A ação da Buser. A Buser é uma empresa que tem o mesmo modelo de negócios da Uber. Mas o foco são as viagens longas de ônibus. Há alguns meses fechou uma parceria com o Flamengo e mais recentemente estampa sua marca no uniforme do finalista. A oportunidade de ativação do patrocínio era óbvia demais para passar batida. 

A Buser então organizou excursões para levar os torcedores que foram pegos de surpresa com a alteração do local. E Tarcísio foi um dos que conseguiu comprar o pacote. Com sua poltrona garantida, o torcedor já está a caminho de sua Meca. 

Com o apoio incondicional de Dona Andréa (tricolor, diga-se de passagem), nosso viajante percorrerá os cinco dias de viagem para chegar ao palco da grande decisão. Ao longo desse caminho ele estará em contato direto conosco, contando curiosidades e causos do percurso e as reminiscências e expectativas de alguém que está a cada segundo mais longe de casa e mais perto do Flamengo.

O passageiro clandestino

O primeiro dia da viagem transcorreu sem maiores incidentes no começo, até que um passageiro clandestino foi descoberto na primeira parada, cinco horas depois da caravana partir do Rio de Janeiro. O torcedor tinha ingresso mas não estava na lista do ônibus.

Aproveitando-se da grande comoção no embarque, que contou com diversos veículos de imprensa cobrindo a aventura e com a tradicional festa e empolgação da torcida do Flamengo, Matuê, nome ou apelido do nosso penetra, conseguiu embarcar. Mas foi pego na verificação realizada pela empresa após a parada.

Houve uma mobilização dos outros torcedores para deixar o passageiro seguir viagem. A burocracia venceu a poesia. A Buser alegou regras de segurança e o obstinado Matuê fracassou nessa. 

Como não poderia deixar de ser, o assunto no ônibus é Flamengo

Flamengo é o principal assunto discutido no ônibus. Os viajantes secaram e comemoraram o empate do Vasco com o Goiás.

tarcisio ônibus

De seu lugar no coletivo, Tarcísio observa o dia escurecendo. Percebe no horizonte alguns raios avermelhados indolentemente caindo sobre a paisagem ensombrecida. O céu veste rubro-negro antes de se recolher na penumbra total. Findou-se a segunda-feira de Tarcísio. O primeiro dia rumo a Lima. 

(Continua…)

Não deixe de ler também

Compartilhar: